Fonte: OpenWeather

    Série BR-319


    "Essa novela chegará ao fim em 2021", diz defensor da BR-319

    O EM TEMPO entrevistou movimentos a favor da BR-319 para entender as expectativas em relação à finalização da obra e quais motivações os levam a lutar pela rodovia

    BR 319 Obras se manutenção mantém trafegabilidade da BR-319 no inverno amazônico | Foto: Janailton Falcão ;Janailton Falcão

    Manaus (AM) - Inaugurada em 1973 e 'abandonada' em 1988, a BR-319 é uma das mais famosas rodovias do Brasil. Tentativas de recuperação ocorrem desde os anos 90, mas nunca chegaram a revitalizar completamente a estrada. Agora, há uma nova possibilidade de veículos trafegarem pelo caminho com um novo asfalto e defensores da rodovia já se mostram com boas expectativas.

    Um dos entusiastas é André Marsílio, amazonense e um dos fundadores da Associação dos Amigos da BR-319. O grupo existe há seis anos e tem o objetivo de pressionar o poder público para a revitalização da rodovia, além de praticar ações sociais com moradores da estrada, como doação de alimentos.

    "Temos uma perspectiva muito positiva hoje, porque o estudo de impacto ambiental da BR-319 foi refeito e registrado no Ibama. Essa é a quarta vez que foi apresentado, agora com novos moldes e com muito diálogo com o órgão e até com a Justiça. Agora estamos mais seguros que a autorização irá sair. Independente de governos, esta novela tinha de chegar ao fim e isso vai acontecer em 2021, acreditamos", comenta Marsílio.

     

    Reforma passou a receber pequenas revitalizações nos últimos anos
    Reforma passou a receber pequenas revitalizações nos últimos anos | Foto: Arquivo/Em Tempo

    Além do documento que aguarda parecer do órgão ambiental, a BR-319 também está com a promessa de ganhar mais 53 quilômetros de asfaltamento em breve. Em dezembro último, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) assinou contrato para asfaltar o trecho C (Charlie) da BR-319. São 52 quilômetros que agora ficam à disposição do serviços do consórcio Tecon/Ardo/RC. A obra custa R$ 165,7 milhões e tem prazo de 1.080 dias para ser finalizada.

    Para André Marsílio, as novas ações do governo federal fazem parte da sequência de melhorias que ocorrem na BR-319 há dez anos.

    "Hoje a estrada é outra. Passa Fusca, Audi, ônibus e caminhão. Até mesmo nesse inverno rigoroso, isso está acontecendo. Então, por tudo isso, a nossa perspectiva se tornou positiva", afirma o defensor da estrada.

     

    BR-319 liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO) em 887 km
    BR-319 liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO) em 887 km | Foto: Divulgação

    Atualmente a rodovia tem trechos asfaltados, mas não na maioria. A realidade do percurso é mais composta por muita lama, árvores caídas no caminho e muita poeira. O tempo de viagem com saída de Manaus até Porto Velho é calculado em uma média de 14h a depender da estação e fluxo de caminhões, segundo sites especializados.

    A BR-319 possui 887 quilômetros de extensão. Por estimativa, os trechos, inicial de cerca de 200 km, e o final, de aproximadamente 164 km,  estão asfaltados. O chamado Lote C (53 km), e o Trecho do Meio (405 km) não estão pavimentados.

    Pé atrás

    Se por um lado, alguns se veem animados com a possibilidade da revitalização da BR-319, por outro, há quem esteja inseguro com o cumprimento dessa promessa. O ex-deputado federal Remídio Monai é uma dessas pessoas.

    "As expectativas existem com uma certa cautela, porque temos aquela grande preocupação com o meio ambiente, de liberar a licença. Por exemplo, no passado, o ministro Alfredo Nascimento [governo Lula] tinha até recurso para asfaltar, mas não conseguiu essa autorização [do Ibama]. Mas assim, a estrada melhorou. Sei porque já viajei pela BR-319 e atualmente tenho uma empresa de ônibus que faz o percurso Manaus - Porto Velho", diz o político.

     

    Visão aérea da BR-319
    Visão aérea da BR-319 | Foto: Ueslei Marcelino

    Tentativas de recuperação já ocorreram

    Embora a expectativa de defensores da BR-319 esteja alta, essa não é a primeira vez que a rodovia entra no radar de prioridades do governo federal. A tentativa de revitalizar a estrada ocorre desde 1996. A informação é do artigo Br-319: a rodovia Manaus-Porto Velho e o impacto potencial de conectar o arco de desmatamento à Amazônia central', dos autores Philip M. Fearnside, doutor em Ciências Biológicas, e Paulo Graça, doutor em Sensoriamento.

    De acordo com os pesquisadores, a reconstrução e a repavimentação da BR-319 foram planejadas e adiadas diversas vezes.

    A primeira delas ocorreu no programa Brasil em Ação, de 1996 a 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso. Quando parecia que a obra sairia, ela foi retirada do programa por José Paulo Silveira, coordenador do projeto, por causa da baixa justificativa financeira em relação a outras sugestões do programa.

    Em 2001, foram repavimentados 100 km do trecho inicial, que liga Manaus ao município de Careiro Castanho. No mesmo, 58 km do entroncamento da BR-319 com a rodovia Transamazônica também receberam novo asfaltamento.

    Ainda na pesquisa, os autores citam o programa Avança Brasil (2000-2003), também no governo de FHC. Neste projeto, foram pavimentados apenas 158 km. Anos depois, com o presidente Lula, a revitalização da BR-319 apareceu no Plano Plurianual (2004-2007), mas apenas com a previsão para depois de 2007.

    Como dito anteriormente, o trecho C (52 km) da rodovia está prestes a ser pavimentado, após assinatura de contrato pelo DNIT. Apesar disso, o 'trecho do meio' deve aguardar mais um tempo para ser finalizado, caso seja. Isso porque os cerca de 400 quilômetros que o formam são os principais apontados como danosos para o meio ambiente, por isso, necessitam de aprovação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

    Leia Mais

    Bioeconomia: alternativa para gerar renda sem destruir a floresta

    Por que os preços dos alimentos no interior do AM são tão altos?