Fonte: OpenWeather

    Audiência


    Ministro da Infraestrutura defende concessão de aeroportos

    Durante audiência na Câmara dos Deputados, Tarcísio de Freitas rebateu alegações de empresas que tentam anular a operação

     

    Ministro revelou também que a Polícia Federal está investigando o surgimento de um contrato assinado por parte de uma das empresas
    Ministro revelou também que a Polícia Federal está investigando o surgimento de um contrato assinado por parte de uma das empresas | Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil


    Em audiência realizada nesta terça-feira (22) na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, rebateu alegações que correm pelos corredores do Congresso Nacional por parte de duas empresas interessadas em prejudicar a região Norte na tentativa de anular a recente concessão de sete aeroportos.

    O bloco, liderado pelo Aeroporto Internacional de Manaus, foi concedido durante a Infra Week e vai render cerca de R$ 1,5 bilhão de investimentos. "Estamos com a razão e defendendo o interesse público. Estamos com o bom direito do nosso lado. Não é por outra razão que o ministro Fux decidiu pelo nosso lado, não é por outra razão que o Supremo Tribunal Federal veio do nosso lado, não é por outra razão que o TCU está do nosso lado. Sempre agimos com transparência", enfatizou Tarcísio de Freitas.

      Em mais de uma oportunidade, Tarcísio ratificou que o TCU concordou em encerrar a licitação referente ao terminal de cargas do aeroporto de Manaus (AM), em 2018, cujo contrato sequer chegou a ser publicado no Diário Oficial da União.  


    O ministro revelou também que a Polícia Federal está investigando o surgimento de um contrato assinado por parte de uma das empresas. O ministro também derrubou qualquer tentativa de comparação entre os valores oferecidos pelo terminal de carga na época com os obtidos com a outorga que será paga pela concessionária vencedora dos leilões que ocorreram em abril.

    "

    Daquilo que a empresa pagaria para a Infraero em relação ao que a própria Infraero faz na gestão do terminal são R$ 100 milhões de diferença por ano. Em dez anos, R$ 1 bilhão de diferença "

    ,

     


    Tarcísio questionou aos parlamentares presentes quem ali teria a coragem de assumir um contrato que geraria tamanho prejuízo. O ministro ainda enfatizou a importância do terminal de cargas do aeroporto de Manaus para o sucesso da concessão realizada em abril pelo Governo Federal e destacou que a região Norte será atendida por um dos maiores grupos de infraestrutura do mundo.

    * Com informações de assessoria


    Leia Mais:

    STJ retira aeroporto de Manaus de terminais leiloados pelo governo

    Governo faz semana de leilões e inclui três aeroportos do Amazonas

    Ministro de Infraestrutura e Eduardo Braga falam sobre obras na BR-319