Fonte: OpenWeather

    Assédio sexual


    Homem é flagrado se masturbando em reunião virtual de escola

    Reunião de pais e professores o Ensino Médio do Colégio São José, em Caxias do Sul (RS), foi invadida por um homem se masturbando na noite de quinta-feira (17). O homem não identificado entrou na sala virtual e começou os atos impróprios.

    Homem não foi identificado, cena durou menos que um minuto
    Homem não foi identificado, cena durou menos que um minuto | Foto: Reprodução

    Reunião de pais e professores o Ensino Médio do Colégio São José, em Caxias do Sul (RS), foi invadida por um homem se masturbando na noite de quinta-feira (17). O homem não identificado entrou na sala virtual e começou os atos impróprios. A cena não chegou a durar um minuto, pois o homem foi removido da reunião.

    Conforme o vice-diretor da escola, Jorge Godoy, um boletim de ocorrência foi registrado na manhã desta sexta-feira (18) para apurar o caso. Ele acredita que se trate de um hacker. Segundo Godoy, o link para a reunião na plataforma Zoom foi enviado somente para pais e alunos. No total, 111 pessoas participavam do encontro, que se iniciou às 19h e tinha previsão de duração de uma hora.

    Além do registro da ocorrência, o colégio está tomando medidas para redobrar a segurança não apenas das reuniões virtuais, mas das aulas. Além do Zoom, será adotada a sala de aula online do Google. 'Estamos com aulas virtuais desde março e nunca tivemos problemas', diz Godoy.

    A escola também quer a responsabilização de quem gravou o momento em que o homem se masturbava e compartilhou com outras pessoas. O vídeo com as imagens viralizou na internet.

    De acordo com o delegado Vitor Carnaúba, chefe da Delegacia de Plantão e titular da 1ª Delegacia de Polícia, o caso deverá ser investigado pela Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA).

    Leia mais:

    Nova lei de importunação sexual pune assédio na rua

    Depca prende 84 por crimes contra crianças e adolescentes no Amazonas

    Mulher é encontrada morta com marcas de abuso sexual em Manaus