Fonte: OpenWeather

    CPF


    Saiba se seu CPF já foi usado por outras pessoas

    Por meio de consultas aos serviços de proteção ao crédito ou a plataformas oficiais do Governo Federal, é possível conferir se o nome do cidadão está envolvido em débitos desconhecidos

     

    Existem diversas formas de saber se o CPF foi usado de forma indevida
    Existem diversas formas de saber se o CPF foi usado de forma indevida | Foto: Divulgação

    Com o alto número de golpes e o aumento de vazamento de dados, muitos brasileiros se perguntam se o seu CPF já foi usado por outras pessoas sem o consentimento. No entanto, a resposta para essa questão pode ser encontrada em ferramentas online e gratuitas.

    Por meio de consultas aos serviços de proteção ao crédito ou a plataformas oficiais do Governo Federal, é possível conferir se o nome do cidadão está envolvido em débitos desconhecidos, movimentações na dark web, solicitações de benefícios sociais ou práticas ilegais. Conheça cinco formas de saber se o CPF foi usado de forma indevida: 

    Registrato, do Banco Central 

    O Registrato é um sistema, do Banco Central, que reúne online todas as informações sobre as operações de crédito e relações com bancos e instituições financeiras vinculadas ao nome do cidadão.

    Na plataforma é possível acessar o serviço periodicamente para monitorar as contas bancárias associadas ao CPF e conferir se existem cadastros, abertura de contas (ativas ou inativas), movimentações desconhecidas ou dívidas, o que pode indicar fraude.

    Para consultar é necessário validar o cadastro no próprio aplicativo do banco que o usuário utiliza. Nesse procedimento, será gerado um código PIN.

    Em seguida, basta acessar o Registrato no site do Banco Central, informando o código, para visualizar um relatório com todas as instituições financeiras nas quais você já teve ou ainda tem conta ativa.

    Serasa Experian

    No site Serasa Consumidor o usuário pode consultar, de forma gratuita, se seu CPF está regular ou negativado, ou seja, se a pessoa está com “nome sujo” por causa de dívidas ativas.

    Para isso, basta acessar a plataforma (serasaconsumidor.com.br), fazer um cadastro com dados pessoais básicos e verificar se existe alguma dívida em aberto. Em caso positivo, são exibidos no site o valor do débito, a empresa credora e as datas de vencimento originais.

    Banco de dados do SPC

    Em processo parecido ao do Serasa Consumidor, é possível consultar se o nome está vinculado a dívidas do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), o que indicaria uso indevido do CPF.

    Para realizar a pesquisa, basta acessar o site do Boa Vista Consumidor Positivo (consumidorpositivo.com.br/consulta-cpf-gratis), preencher um rápido cadastro com dados de identificação básicos e visualizar se existem pendências no seu nome.

    DataPrev

    Muitos brasileiros tiveram o CPF usado de forma indevida para pedir o Auxílio Emergencial durante a pandemia. Os cidadãos que suspeitam de golpes usando seus documentos podem consultar a página oficial do benefício para saber se existem solicitações ilegais com os dados.

    Para verificar, basta acessar o site da DataPrev (consultaauxilio.dataprev.gov.br), informar CPF, nome completo, data de nascimento e nome da mãe. Então, o site exibirá se existe requerimento do auxílio emergencial vinculado àquela pessoa.

    Vazamentos de dados na Dark Web

    O Serasa Antifraude possui uma ferramenta online que realiza o monitoramento dos dados do usuário para saber se foram detectados em algum comércio ilegal na dark web, parte da Internet popular para o tráfico de informações sigilosas.

    Além disso, o serviço também avisa o usuário quando o CPF é consultado na hora de uma compra ou quando uma empresa é aberta no nome do cidadão, por exemplo.

    É possível realizar uma consulta grátis para saber se o e-mail está envolvido em movimentações na dark web. Para acessar outras ferramentas de monitoramento, no entanto, é necessário assinar o serviço Serasa Premium, que custa R$ 25,90 por mês.

    *Com informações do Meio Norte

    Leia mais: 

    Golpistas utilizam 'chip em branco' para invadir celular de vítimas

    Professor dá dicas de como evitar golpes financeiros na internet

    Punições por uso indevido de dados entram em vigor neste domingo