Fonte: OpenWeather

    Relacionamento


    'O nome dela não é Jeniffer, mas eu encontrei ela no Tinder'

    Conheça a história de pessoas que encontraram o amor de suas vidas pelo aplicativo e provaram que a internet pode sim unir casais no mundo real

    O aplicativo de relacionamento virou até tema de casamento
    O aplicativo de relacionamento virou até tema de casamento | Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal


    Manaus – A criatividade é um dos maiores talentos dos brasileiros e quando o assunto é ‘fazer música’, os produtores realmente não jogam para perder. Usando o imaginário popular sobre relações amorosas que acontecem por meio de redes sociais, em 2019 foi a vez de a música ‘O nome dela é Jennifer’ grudar como chiclete na mente dos brasileiros. Mas você acredita que aplicativos de relacionamentos, como o ‘Tinder’, podem mesmo unir casais?

    O Portal Em Tempo foi buscar diferentes histórias de amor que tem algo em comum: o uso das redes sociais como ferramenta para que o namoro desse certo. A música que viralizou no país, diz “Encontrei ela no Tinder, ela não é minha namorada mas poderia ser”, e foi exatamente assim que Gabriel de Souza e Rosilma Mendes se conheceram.

    O casal se encontrou pelo ‘Tinder’ em janeiro de 2015 e ambos revelam que baixaram o aplicativo em busca de encontrar um relacionamento sério. Os dois estavam solteiros e contam que após 2 meses conversando com pessoas diferentes finalmente deram "match" entre suas contas (termo em inglês usado para definir quando duas pessoas se correspondem enquanto casal). Dois anos depois Gabriel e Rosilma decidiram se casar, e o tema da festa? Advinha só.

    O casal explica que a escolha do tema foi uma decisão em comum
    O casal explica que a escolha do tema foi uma decisão em comum | Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal


    “Nós decidimos que nenhum tipo de decoração falaria tanto por nós quanto o próprio Tinder, afinal foi onde tudo começou. Nós conversamos por uns 4 dias pelo aplicativo e descobrimos que estávamos mais perto do que imaginávamos e aí pensei: Por que não se encontrar logo pessoalmente? ”, contou Gabriel, que pediu Rosilma em namoro no terceiro dia depois que se conheceram.

    O pedido de casamento aconteceu no mês de maio de 2017 e no dia 12 de agosto a cerimônia finalmente aconteceu. Apesar de incomum, os dois contaram que os familiares e amigos gostaram do tema da festa, e que as fotos do casamento guardam para sempre a essência de uma divertida história de amor.

    Coincidência?

    O nome dela também não é Jennifer, mas foi no Tinder que ela encontrou o atual namorado. Essa é a história de Giselle Hollanda e Leonardo Ferreira, que já namoram há dois anos e usaram a rede social para encontrar um ao outro. Ela contou que nunca tinha usado o aplicativo antes e com poucos dias navegando entre diversos perfis, acabou dando o famigerado match com Leonardo.

    “Eu já estava solteira há algum tempo e minhas amigas sempre diziam para baixar o Tinder, mas eu não acreditava que pudesse viver amores reais na internet. Decidi topar o desafio, mesmo não levando a sério, e logo depois eu encontrei o Leo. Ficamos duas semanas conversando e depois decidimos marcar um cinema para nos conhecermos pessoalmente”, explica Giselle.

    Na foto, o casal Giselle e Leonardo
    Na foto, o casal Giselle e Leonardo | Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal


    Giselle é jornalista e contou que a família sempre foi muito conservadora, por isso tinha medo de sofrer preconceito no momento em que contasse que foi no Tinder que conheceu o namorado.

    “Eu sou filha única, então imagina para o meu pai ter que ouvir que estou conhecendo um cara na internet?! O preconceito existe, mas acho que é mais por conta do perigo de conversar com alguém que você ainda não conhece. Quando meu pai percebeu que ela era uma pessoa do bem, extrovertido e parecia muito comigo, tudo ficou bem. E aí descobrimos ainda mais coincidências entre a gente”, disse a jornalista.

    Já namorando, Leonardo e o pai de Giselle descobriram que já se conheciam de outras datas, pois o avô dela já tinha sido chefe do pai de Leonardo. Além disso a família descobriu que a mãe de Leonardo também já havia estudado com o tio da jovem.

    “Eu fiquei tão apreensiva em apresentar para os outros uma pessoa que eu tinha conhecido na internet, que no final das contas eu e o Leo descobrimos que já éramos bem mais da mesma família do que pensávamos”, finalizou Giselle.

    Edição: Bruna Chagas

    Leia mais:

    Amizades que o Facebook mantêm (ou não): a web pode mudar as relações?

    Vida real aliada a tecnologia: aplicativos digitais facilitam a rotina 

    Motoristas de aplicativos protestam em frente à Prefeitura de Manaus