Fonte: OpenWeather

    Teatro


    Clássico do teatro francês ganha nova montagem em Manaus

    A comédia Tartufo, de Molière, ganha nova adaptação para os palcos amazonenses. A apresentação será nesta terça (10), às 20h, no Teatro Amazonas

    A história conta a relação entre o humilde padeiro Orgon e seu mentor espiritual, Tartufo | Foto: Davi Penafort

    Uma das mais famosas comédias da língua francesa acaba de ganhar uma adaptação para o palco do Teatro Amazonas. A peça "Tartufo Me" ganha vida nas mãos do diretor Tércio Silva, com a adaptação do ator Dimas Mendonça. Baseada no original "Tartufo", de Jean-Baptiste Poquelin, conhecido como Molière, a obra traz uma densa crítica social à relação entre líderes religiosos e o fanatismo.

    Com sua primeira encenação datada de 1664, a peça "Tartufo" chegou a ser censurada e proibida, voltando aos palcos apenas três anos depois, em uma versão mais podada. A história conta a relação entre o humilde padeiro Orgon e seu mentor espiritual Tartufo, que é considerado pelo outro como a chave de sua salvação e de sua família.

    Em cena, o ator Dimas Mendonça
    Em cena, o ator Dimas Mendonça | Foto: Tamiris Lima

    Segundo o ator Dimas Mendonça, a ideia de adaptar "Tartufo" começou em 2016, quando fazia parte do Teatro Experimental do Sesc (Tesc). "O grupo se desfez e a peça acabou não sendo montada, mas a vontade continuou em mim", conta ele. "É uma obra que se relacionava muito com o momento que eu estava vivendo, então comecei a trabalhar em uma versão solo".

    Na adaptação amazonense, algumas figuras públicas são representadas e o público deverá reconhecer no palco. Segundo Dimas, o conteúdo da peça não poderia ser mais atual e pertinente. "Falamos sobre como personagens como o Tartufo chegam ao poder, quem leva eles ao poder e o por quê. Infelizmente, a gente sabe que vão longe com discurso de exclusão, poder e ódio".

    Pelas críticas alusivas à Igreja, a peça original "Tartufo" gerou grande repercussão na França. A repercussão foi tanta que o título da peça ganhou conotação pejorativa, sendo utilizada para denotar alguém como hipócrita ou falso religioso. O termo ainda originou uma série de derivados, como tartufice, tartúfico e o verbo tartuficar (significando enganar, ludibriar com atos de tartufice).

    A obra traz uma densa crítica social à relação entre líderes religiosos e o fanatismo
    A obra traz uma densa crítica social à relação entre líderes religiosos e o fanatismo | Foto: Davi Penafort

    Após conversas de Dimas com o diretor Tércio Silva, o texto de "Tartufo Me" foi apresentado a ele e logo conseguiram captar o cerne da peça. "Como é um texto que faz a gente refletir sobre todas essas coisas que a gente vê no dia a dia, trazemos um pouco disso, do que acontece na realidade", explica o diretor. Segundo ele, a peça possui um tom mais realista e consegue explorar e criticar os tempos atuais. "Esse espetáculo traz grande reflexão sobre nossas atitudes e os discursos que vemos sendo reproduzidos por aí, de quem são e a quem servem".

    A peça "Tartufo Me" será apresentada nesta terça-feira (10), às 20h, no Teatro Amazonas, localizado na av. Eduardo Ribeiro, Centro. O espetáculo traz também Jeferson Mariano na direção musical, Solange Couto no figurino e Tércio Silva assinando iluminação e cenografia. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro. O espetáculo possui classificação indicativa de 14 anos.

    Algumas figuras públicas são representadas na peça
    Algumas figuras públicas são representadas na peça | Foto: Davi Penafort