Fonte: OpenWeather

    EXCLUSIVO


    No AM, Monja Coen fala sobre espiritualidade e a atual fase política

    A líder espiritual budista veio ao Amazonas convidada por índio Tukano e além do discurso espiritualista falou ainda sobre a eleição de Jair Bolsonaro

    É a terceira vez que a líder espiritual visita a capital do Amazonas.
    É a terceira vez que a líder espiritual visita a capital do Amazonas. | Foto: Marcely Gomes


    Manaus – Calor. Foi com essa palavra que a budista Monja Coen deu início a conversa exclusiva que teve com o Portal Em Tempo na manhã de sexta-feira (14), em Manaus. A entrevista aconteceu no Teatro Amazonas, no Centro da cidade. A líder espiritual chegou na capital do Amazonas na última quinta-feira (13) e segue cumprindo agenda de compromissos até este sábado (15). Todos os ingressos para as palestras ministradas pela monja na cidade estão esgotados.

    Não demorou muito para que Coen se sentisse à vontade no teatro que é identidade cultural da região amazônica, e logo o calor foi substituído pela necessidade de falar sobre o objetivo de sua estada em Manaus, o autoconhecimento espiritual. Visitando a cidade pela terceira vez, a budista conta que veio a convite de um amigo indígena, integrante da tribo Tukano.

    “Já estive outras duas vezes no Amazonas e é sempre uma oportunidade maravilhosa de estar mais perto da natureza real. Além dos compromissos espirituais que venho cumprir, deu tempo de comer uma tapioca gigante com queijo e castanha, e conhecer ainda o encontro das águas. Mas diferente do encontro dos rios, nós humanos temos que ser como água e leite, devemos nos misturar sim para nosso próprio crescimento pessoal”, conta ela dando início a reportagem.

    Jovens

    Monja Coen chegou na cidade para falar sobre a importância da espiritualidade no cotidiano e como a vivência dessa filosofia resulta em um estilo de vida mais saudável. Cercada de jovens que assistiam a entrevista no teatro, ela falou sobre assuntos como a importância da meditação para a saúde do corpo e espírito, o atual momento político no Brasil e a responsabilidade e papel social da mídia na construção de uma sociedade pacífica.

    Outro assunto destacado por Coen é a participação dos jovens no cenário do despertar espiritual mundial. De acordo com a budista que já atua expandindo responsabilidade moral por meio da espiritualidade há quase 40 anos, os últimos tempos tem registrado considerável crescimento na busca de autoconhecimento por parte dos jovens.

    “Nós estamos vivendo verdadeiramente um novo momento, de ascensão moral em todo o planeta. As crianças estão nascendo mais inteligentes, mais pacíficas e conscientes. Minha neta por exemplo ainda é uma criança mas me pede para que eu não assista programas policiais por conta da violência e isso nos faz pensar: que geração estamos criando?”, questiona a monja.

     Ainda segundo a líder, a internet vem sendo uma plataforma de expansão de consciência espiritual, e essa realidade vem sendo refletida na quantidade de jovens que vem cada vez mais se envolvendo com práticas de crescimento pessoal.

    “Uma das melhores surpresas na minha estrada foi a criação do meu canal no Youtube, o ‘Mova’ onde meu sogro gerencia vídeos gravados e editados por ele onde eu falo sobre diversos temas de ascensão espiritual. Foi realmente uma grande surpresa o feedback que venho recebido após o nascimento do canal. Minha visibilidade triplicou, do Amazonas ao Japão as pessoas me param na rua pedindo para tirar uma foto e agradecer dizendo o como a vida delas tem mudado depois de conhecer o budismo”, explica.

    Política

    Durante a entrevista, Coen também falou sobre sua ótica frente ao atual cenário político brasileiro com a eleição do novo presidente, Jair Bolsonaro. A monja lembrou de um encontro que teve com Bolsonaro durante um café da manhã e aproveitou a experiência para conscientizar a todos sobre o sistema político.

    "

    “Essa eleição deixou muito clara a necessidade de as pessoas tomarem responsabilidade sobre seus deveres sociais. Não adianta ficar achando que um salvador vai fazer o papel de todo mundo quando na verdade essa crise que a gente enfrenta é o reflexo do próprio comportamento do país. Em um encontro com Bolsonaro ele disse que eu era mãe de bandidos, porque defendo a humanidade de todos. Pacientemente eu o toquei no ombro e o desejei um bom dia. Cada um dá para o outro aquilo que tem em si, se o país elege o discurso deste homem é porque está cheio do discurso dele”, opina. "

    Monja Coen, Líder Espiritual Budista

    Responsabilidade da mídia

    Monja Coen atua há quase 40 anos meditando nos princípios budistas e expandindo tais conhecimentos, mas antes da vida espiritualizada a líder usava o poder da comunicação na profissão que exercia, a de jornalista. Ao lembrar dos tempos como repórter, a monja destaca a responsabilidade dos veículos de comunicação para a construção de um cenário social mais saudável, o que de acordo com ela ainda não acontece em maior parte.

    “Durante minhas passagens nas milhares de cidades que palestro quase sempre dou entrevistas em televisões, e enquanto aguardo para entrar no estúdio percebo que todos os jornais por onde eu passo estão pautados em sua maior parte por notícias ruins. Também tem muita coisa boa acontecendo, tem muita gente boa se reunindo para projetos socialmente construtivos. A mídia alimenta a massa então a gente precisa de um alimento mais saudável para uma massa mais saudável”, destaca Coen.

    Um leão por dia

    Quem escuta a voz de Coen, de forma calma e pausada, quase que como em um êxtase de paz, deve imaginar que a meditação já deve ter transformando-a e que equilíbrio mental já seria uma constante em sua vida. Mas se engana quem pensa que por de traz da voz mansa existe uma santidade. A própria monja faz questão de dizer que dia após dia é necessário continuar policiando os próprios sentimentos e percepções sobre o mundo pois, o equilíbrio geral entre corpo, alma e mente é um eterno exercício diário.

    Monja Coen conversou com o Portal Em Tempo no salão do Teatro Amazonas.
    Monja Coen conversou com o Portal Em Tempo no salão do Teatro Amazonas. | Foto: Marcely Gomes


    “Maturidade espiritual é entender que ainda não conseguimos ser perfeitos e que está tudo bem nos amar nessa condição, porque se conhecer é um exercício diário e eterno. A meditação é uma ferramenta que nos ajuda a silenciar internamente para ter uma percepção melhor de quem estou sendo e de quem posso ser para melhorar mais ainda. Mas essa prática é eterna. Ainda tenho que matar um leão por dia, eles ficam menores, mas ainda são leões”, conclui a budista.   

    Leia mais:

    Miss Brasil/AM é ovacionada em apresentação no Miss Universo

    Mayra Dias brilha com traje de gala 

    Miss Amazonas, Mayra Dias viaja para concorrer ao Miss Brasil