Melhor Ator


Joaquin Phoenix ganha o Oscar de melhor ator por 'Coringa'

Joaquin Phoenix Interpretou com maestria um dos maiores vilões das HQs, o “Coringa”

| Foto: Divulgação

Como esperado, Joaquin Phoenix ganhou o Oscar, neste domingo (9), como melhor ator, pelo brilhante trabalho como o vilão dos quadrinhos que dá o título a "Coringa". Essa foi a quarta indicação do ator e a primeira estatueta do maior prêmio do cinema mundialque levou para casa.

Ele era o grande favorito da categoria, após vencer prêmios do Sindicato dos Atores, o Globo de Ouro e o Bafta.

Em seu discurso de agradecimento, ele falou sobre reconhecer erros e perdão. "Quando usamos amor e compaixão como nossos guias principais, nós criamos sistemas de mudança", afirmou. 

"Não quando nos cancelamos pelos erros do passado, mas quando nos guiamos para crescer, por redenção, esse é o melhor da humanidade."

Emocionado, o ator se lembrou do irmão, o também ator River Phoenix, que morreu aos 23 anos em 1993. "Quando ele tinha 17 anos, meu irmão escreveu isso. Ele disse: 'corram ao resgate com amor, e paz será o resultado'."

O ator também aproveitou para falar sobre temas importantes, seguindo o exemplo de seus agradecimentos nas outras premiações do ano. 

"Não sinto me elevado acima dos meus colegas indicados ou de qualquer um nesta sala, pois compartilhamos o amor pelo cinema, e essa forma de expressão me deu a vida mais extraordinária", afirmou.

"Mas acho que o presente mais maravilhoso que me deu é a oportunidade de dar a voz para quem não tem voz. Tenho pensado muito nesses problemas que temos enfrentamos coleticamente", disse, antes de listar igualdade de gênero, racismo e ambientalismo.

Joaquin Rafael Bottom tem 45 anos e nasceu em San Juan, em Porto Rico. Irmão dos também atores River, Phoenix, Liberty e Summer Phoenix, ele se mudou para Los Angeles aos seis anos.

O primeiro papel foi em uma série de TV que tinha o irmão Rivers (morto em 1993) no elenco. Joaquin conseguiu uma participação em "Seven Brides for Seven Brothers", em 1982.

No cinema, a estreia veio em "SpaceCamp: Aventura no Espaço" (1986), seguido pelo drama "Corrida Contra o Tempo" (1987) e pela comédia "O Tiro que não Saiu pela Culatra" (1989).

O papel de mais destaque veio apenas em 1995, em "Um Sonho sem Limites" (1995), com Nicole Kidman e direção de Gus Van Sant. Na sequência, atuou em "Círculo de Paixões" (1997). Foi quando conheceu sua noiva Liv Tyler, com quem ficou por três anos.

Mas foi "Gladiador", de 2000, o filme que confirmou Phoenix como um grande ator da nova geração. Sua atuação como Commodus no épico de Ridley Scott rendeu sua primeira indicação ao Oscar, como ator coadjuvante.

Antes de vencer, ele voltaria a ser indicado outras duas vezes como Melhor Ator, por "Johnny & June" (na pele de Johnny Cash) e "O Mestre" (2012).