Fonte: OpenWeather

    Carnaval 2020


    Parintinense 'deu vida' ao Jesus Negro da Mangueira

    Conheça "Leandrinho": o artista de Parintins responsável pelo carro alegórico mais polêmico e comentado do Carnaval 2020

    O carro alegórico foi o destaque da Mangueira em 2020
    O carro alegórico foi o destaque da Mangueira em 2020 | Foto: Reprodução

    Manaus – Leandro Rodrigues, ou “Leandrinho” como é conhecido no meio artístico, é o nome por trás do grande carro alegórico chamado “Calvário”, que chamou a atenção e dividiu opiniões no Brasil e no mundo durante o desfile da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, no Carnaval do Rio de Janeiro de 2020. 

    O parintinense confeccionou o “Jesus Cristo Negro” de 20 metros de altura com cabelos loiros, tatuagem, brinco e corpo com marcas de bala. Ele contou ao Portal Em Tempo como foi a criação do monumento chave do desfile. Segundo ele, o segredo foi guardado para que a mensagem fosse repassada durante o desfile na Sapucaí. Com o enredo “A verdade vos fará livre”, a escola ficou na sexta posição com 268.9 pontos. 

    | Foto: Bruna Prado/Getty Images

    Leandro trabalha há 15 anos para o Boi Caprichoso, no maior festival da região Norte, o Festival Folclórico de Parintins - que acontece anualmente na ilha da magia (Parintins-AM). Há cinco anos trabalha no Carnaval do Rio de Janeiro para a Escola de Samba Mangueira, mas conta que já teve outros trabalhos em São Paulo e Santa Catarina. 

    O carro estava sendo aguardado desde que informações sobre a escola de samba apresentar Jesus como gay, começaram a vazar nas redes sociais. Leandrinho contou que a agremiação rompeu contra aquilo que esperavam, ele relembra ainda de manifestações para impedir o desfile em 2020

    “Foi o carro mais polêmico que teve no Carnaval. As pessoas comentavam que seria um Cristo gay. Queriam impedir o desfile da escola e muitos líderes religiosos foram até o barracão dar opinião e fazer protesto. Na realidade, quando levantamos o Cristo, viram que era outra coisa”, disse. 

    O material utilizado

    A estrutura usada no desfile é grandiosa e ultrapassou as expectativas tanto dos carnavalescos, como dos torcedores da escola. A ferragem que levantou o Cristo na Sapucaí foi pensada para ser ousada e bater recordes. Leandrinho afirma que a maior emoção foi no momento em que a estrutura entrou na avenida do samba sem dificuldades.

    Desde a maquete, a estrutura buscava romper com paradigmas
    Desde a maquete, a estrutura buscava romper com paradigmas | Foto: Arquivo Pessoal

    “Nosso trabalho maior foi a estrutura e ferragem que levantou o Cristo. Ao todo, tinha 20 metros de altura. É claro que gerou preocupação na diretoria da escola e em mim também porque foi ousada. Mas, quando as pessoas que estavam assistindo achavam que iria bater na torre e não bateu aplaudiram e ficaram felizes. Foi emocionante. Algo desse tamanho e dessa natureza nós fizemos primeiro. Somos pioneiro”, relembra o artista.

    Há quatro meses, todo o trabalho foi voltado para a confecção, elaboração e produção do carro alegórico de maior destaque no desfile. “A gente está aqui há quatro meses trabalhando a todo vapor para que saísse o melhor dos trabalhos. Tanto na parte de estrutura, como as ferragens e também a parte de decoração do carro e da estrutura do Cristo”, acrescentou. 

    Foram mais de quatro meses de produção intensa
    Foram mais de quatro meses de produção intensa | Foto: Arquivo Pessoal

    O artista Leandro Vieira colocou nas mãos dos parintinenses a grande responsabilidade do carro alegórico que seria lembrado por muito tempo por todos. 

    “Eu lembro bem como ele chegou comigo e disse: ‘Você vai fazer o carro alegórico mais comentado e polêmico do Carnaval’, eu pensei logo, ele está louco. Eu achei que fosse brincadeira. Ele me deu o carro do Calvário e queria que eu ficasse conhecido esse ano”, relatou Leandrinho.

    A equipe 

    Jesus negro causou polêmica durante e após o desfile na Sapucaí
    Jesus negro causou polêmica durante e após o desfile na Sapucaí | Foto: Arquivo Pessoal

    Leandro conta que nada se faz sozinho. Ele contou com a ajuda dos irmãos Ernande é Eden Dude para montar a estrutura que passou pela avenida. Ele destaca o trabalho em equipe e com raízes amazônicas para o sucesso de toda a produção.

    “É gratificante. Não foi só eu que fiz. Foi o Leandrinho e equipe que fizeram esse trabalho maravilhoso. Quero que saibam que os parintinenses fizeram o carro alegórico Mangueira”, destacou 

    Leandrinho destaca o trabalho em equipe para o sucesso. Todos eles são de Parintins
    Leandrinho destaca o trabalho em equipe para o sucesso. Todos eles são de Parintins | Foto: Arquivo Pessoal

    A obra desfilada durante o Carnaval 2020 tem sido um divisor de águas na vida do artista, que saiu o interior do Amazonas. O reconhecimento já chega à porta do amazonense. “Ter o reconhecimento das pessoas é maravilhoso. Fomos elogiados pela qualidade do trabalho feito no Carnaval. Eu jamais imaginaria que seria tão reconhecido, às vezes até destaca isso para a minha esposa”. 

    De Parintins para o Rio de Janeiro 

    Um outro trabalho que Leandro destaca é o carro alegórico do Dragão, no desfile de 2019 da Mangueira com o enredo “História para ninar gente grande”, que rendeu à escola o título do Carnaval do Rio em 2019. O carro ganhou premiações. 

    O carro alegórico foi premiado em 2019
    O carro alegórico foi premiado em 2019 | Foto: Arquivo Pessoal

    Leandrinho é orgulhoso das raízes que têm. Embora tenha o trabalho reconhecido, ele conta que já sofreu preconceito por conta da origem indígena, mas diz com alegria que comentários nesse sentido se vencem com trabalho árduo e bem feito. 

    “Eu já ouvi muito ‘Vocês vem lá do meio do mato fazer o nosso trabalho’. A gente ouve isso, mas a gente que é índio, e temos orgulho de ser chamado assim, somos os que resolvem os problemas de ferragem, de pintura e estrutura. Os donos vão nos buscar no Amazonas para que o Brasil conheça o nosso trabalho”,  finalizou emocionado.