Fonte: OpenWeather

    Legado


    A trajetória de Elis Regina, uma das vozes mais poderosas do Brasil

    Dona de uma voz inconfundível e personalidade forte, Elis Regina é considerada uma das maiores cantoras brasileiras

    Elis Regina é lembrada pelas interpretações memoráveis
    Elis Regina é lembrada pelas interpretações memoráveis | Foto: divulgação

    Manaus - Dona de uma personalidade intensa e uma das vozes mais expressivas na história musical do Brasil, Elis Regina se eternizou com as interpretações das canções “Águas de Março’’ e “Como Nossos Pais’’. A morte precoce da cantora a transformou em um mito e, até hoje, ela é considerada uma das maiores artistas brasileiras de todos os tempos, além de ter sido uma figura de resistência importante na Ditadura Militar.

    Conhecendo o mundo da música cedo, Elis Regina foi responsável por revelar grandes compositores e realizou importantes parcerias. Com apenas 11 anos, a jovem Elis já iniciava a carreira, cantando em um programa da Rádio Farroupilha, em Porto Alegre, e com 13 anos foi contratada na Rádio Gaúcha e, no mesmo ano, foi eleita a melhor cantora da rádio.

    A partir dos anos 60 e até o início dos anos 80, Elis Regina encantou o país e conquistou milhares de admiradores. A professora Walkíria Medeiros é uma delas. Fã desde jovem, ela conta que conheceu a cantora por meio da irmã e de amigas.

    O corte de cabelo de Elis Regina inspirou as adolescentes da época
    O corte de cabelo de Elis Regina inspirou as adolescentes da época | Foto: Divulgação

    “Minha irmã emprestou o disco de vinil “Essa Mulher’’ e ouvimos juntas. Foi amor à primeira escuta, decorei todas as músicas’’, revela a professora.

    O amor pela cantora a acompanhou após esse momento. Na época, ela e as amigas cortaram o cabelo idêntico ao de Elis Regina, tradição que se popularizou entre as fãs. Em 2012, Walkiria cortou o cabelo bem curto novamente, em homenagem à artista.

    Apesar de acompanhar de perto a carreira, a professora nunca teve a oportunidade de ver um show ao vivo, mas guarda as lembranças. “Sou muito fã e sempre serei. Para mim, ela é a melhor cantora de todos os tempos’’.

    Elis Regina é lembrada pelas  interpretações memoráveis
    Elis Regina é lembrada pelas interpretações memoráveis | Foto: Divulgação

    Momentos da Adolescência

    A música “Se Eu Quiser Falar Com Deus’’ faz o barbeiro Paulo Silva relembrar momentos da adolescência. Ele acompanhou parte da carreira da cantora, mas se tornou fã após presenciar um dos shows de Elis Regina, em São Paulo, que participou apenas para acompanhar amigos, mas acabou se encantando pela diva.

    “Na apresentação do álbum Trem Azul, no Palácio das Convenções de Anhembi, em São Paulo, eu me encantei quando ela começou a performar a música ‘Se Eu Quiser Falar Com Deus’. Foi encantador, ela estava com a voz abafada e interpretava a canção de verdade”, relembra.

    No show, o barbeiro lembra que o ator Herson Capri esteve presente com a namorada, e que Elis Regina direcionava bastante o olhar para a plateia. “Parecia que ela olhava diretamente para mim, foi algo belo e saí de alma lavada’’.

    Trilha Sonora da Vida

    A música ‘’Romaria’’ foi a primeira que a desenhista Adriana Guimarães escutou. Ela começou a escutar as músicas de Elis Regina quando jovem, apenas para contrariar o pai que não gostava da cantora. “Eu tinha 12 anos, comecei a escutar apenas para irritar meu pai que dizia ’odiar’ como ela parecia livre, e acabei me apaixonando’’.

    A partir desse momento, Adriana nunca parou de escutar as músicas da cantora, e diz que Elis Regina é a trilha sonora dela. “Quando estou triste, quando estou feliz, ou cansada, ou com raiva. Tudo é motivo para a escutar, pois tem um significado muito especial para mim’’.

    Adriana ressente apenas não ter presenciado a cantora ao vivo. Quando Elis morreu, a mulher tinha 18 anos, mas afirma que continua a ouvir e defende a atualidade das canções. “Falam muito do que vivemos hoje, mesmo que tenham sido gravadas há mais de 40 anos’’.

    A carreira dos filhos de Elis Regina também é elogiada, e Adriana conta que vê muito da mãe nos artistas. “Maria Rita é excelente cantora e muito simpática, embora bastante tímida. João Marcelo é inteligente demais e herdou a simpatia da mãe. Pedro tem uma linda voz e todos são bons profissionais, a genética foi muito boa’’.

    Nas apresentações, Elis Regina buscava ser o mais expressiva possível
    Nas apresentações, Elis Regina buscava ser o mais expressiva possível | Foto: Divulgação

    Emoção

    A música “O Bêbado e O Equilibrista’’ foi o conforto da professora Neusa Victor, quando perdeu o irmão, e a interpretação de “Como Nossos Pais’’ ajudou a professora a criar os filhos. Ela conta que acalentava os filhos pequenos ao som da cantora e transmitiu a paixão aos herdeiros quando jovens, o que uniu muito a família.

    “As músicas de Elis Regina marcaram momentos importantes da minha vida. Cada canção me traz uma emoção diferente, e fico feliz de passar isso para outras gerações’’, afirma Neusa.

    Elis teve uma carreira meteórica e viveu muito intensamente. Gravou 36 discos, vendeu quatro milhões de cópias, fez colaborações com artistas importantes da época.

    Mas no dia 19 de janeiro de 1982, o Brasil perdia sua “Pimentinha”, como era conhecida, com apenas 36 anos. Uma overdose devido a uma mistura de cocaína e álcool acabou com a vida de uma das mais importantes cantoras brasileiras.

    Elis Regina e os filhos
    Elis Regina e os filhos | Foto: Divulgação

    A vida de Elis Regina

    1945

    Elis Regina Carvalho Costa nasce em 17 de marco de 1945, em Porto Alegre. Primeira filha do casal Romeu Costa e Ercy Carvalho Costa, passou a infância com os pais e o irmão Rogerio na capital gaúcha, em uma vila operária.

    1957

    Aos 12 anos, Elis Regina participa, pela primeira vez, do programa Clube do Guri, na Rádio Farroupilha, em Porto Alegre. Inicia-se, neste momento, a trajetória de uma criança estrela.

    1958

    Lançamento do disco em 78 rotações de João Gilberto com as canções Chega de Saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) e Bim Bom (João Gilberto), o Brasil e o mundo conhecem o movimento musical Bossa Nova.

    1964

    Elis e seu pai, Romeu Costa, desembarcam no Rio de Janeiro no dia 31 de marco de 1964, data do Golpe Militar que instaura uma ditadura no Brasil por 20 anos.

    Apresenta-se pela primeria vez no Little Clube, e no Bottle’s, no famoso Beco das Garrafas, no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, onde conhece a dupla Miele & Bôscoli e grandes músicos como Dom Salvador, Edilson Machado, Luis Carlos Vinhas, Tiao Neto e Chico Batera.

    É levada por Paulo Gracindo para a TV Rio, onde firma seu primeiro contrato carioca, com duração de seis meses. Na época, o ator tinha um programa na emissora e vislumbrou o grande potencial da jovem cantora, defendendo sua contratação.

    1965 

    A parceria entre Elis Regina e Jair Rodrigues inicia-se neste ano, quando fazem um show juntos no Teatro Paramount, em São Paulo e gravam, ao vivo, o LP 2 na Bossa. Com a participação de Jair, Elis estreia o programa semanal O Fino da Bossa, na TV Record, que ficou no ar por dois anos e do qual participaram grandes nomes da música popular brasileira.

    Zimbo Trio, Edu Lobo, Vinicius de Moraes, Gilberto Gil e outros se tornam parceiros de Elis. A cantora firma-se como intérprete primordial da música brasileira.

    1967

    O músico e produtor Ronaldo Bôscoli entra definitivamente na vida de Elis Regina, em 1967, quando, com Miele, passa a dirigir O Fino da Bossa, agora com o nome de Fino-67.

    Elis é uma das ativistas de uma manifestação pitoresca da história da música brasileira: a Passeata contra a Guitarra.

    Aos 22 anos casa-se com o compositor e produtor musical Ronaldo Bôscoli.

    O movimento Tropicalismo agita o ambiente da música popular e da cultura brasileira entre 1967 e 1968.

    1968

    Elis vai para e Europa e apresenta-se no MIDEM (Marché International do Disque et de l’édition Musicale) e no Teatro Olympia. Em passagem pela Bélgica, declara em entrevista à revista Tros-Nederland que o Brasil é governado por gorilas.

    1970

    Causa polêmica apresentando-se grávida de 7 meses na casa de shows Canecão, no Rio de Janeiro. Nasce seu primogênito, João Marcello.

    Mais madura como mulher e como cantora, Elis lança-se em muitos projetos a partir do início dos anos 1970 e entra em uma nova fase de sua carreira com o lançamento do LP ...Em Pleno Verão, produzido por Nelson Motta.

    1971

    O Centro de Informações do Exército recebe a entrevista concedida na Holanda e convoca Elis a prestar esclarecimentos.

    1972

    Chega ao fim o casamento de cinco anos com Ronaldo Bôscoli, e Elis rompe o contrato com a TV Globo.

    É obrigada, pela ditadura militar, a se apresentar nas Olimpíadas do Exército e a gravar um comercial para a Semana da Pátria.

    Estreia seu primeiro show com Cesar Camargo Mariano. A parceria com o músico transforma de forma definitiva a carreira e a interpretação de Elis Regina. Os dois se casam e permanecem juntos por nove anos.

    1973

    Participa do Phono 73, festival realizado no Palácio de Convenções do Anhembi, em São Paulo, entre 11 e 13 de maio, com todo o elenco da Phonogram, hoje Universal. A multinacional tinha quase todos os grandes nomes da MPB e resolveu reuni-los em um grande evento que teve também viés político, no contexto da ditadura militar.

    1975

    Com seu marido e parceiro musical Cesar Camargo Mariano, Elis funda a produtora Trama.

    Nasce Pedro Camargo Mariano, seu segundo filho.

    Estreia o show Falso Brilhante no Teatro Bandeirantes, em São Paulo, e inaugura um tipo de show absolutamente inédito no Brasil. O espetáculo alcança recordes de público e é aclamado pela crítica.

    1976

    Após o sucesso da temporada do show, Elis lança o LP Falso Brilhante.

    O músico Tenório Júnior desaparece em Buenos Ares, no dia 18 de março, após uma apresentação com Toquinho e Vinicius de Moraes, dias antes do início da ditadura na Argentina.

    1977

    Nasce Maria Rita Mariano, sua primeira filha.

    1978

    Elis recebe a informação de que Tenório Júnior está vivo em La Plata, Argentina. Começa a agir e buscar, sem sucesso, informações que pudessem levar ao paradeiro do músico.

    Funda a Associação de Músicos e Intérpretes (ASSIM).

    A União é responsabilizada pela morte do jornalista Vladimir Herzog. Primeira vitória de um processo movido contra o Estado. Samuel MacDowell, advogado de Elis desde 1977, é o responsável pelo caso e prova que o legista Henry Shibata assinou um laudo falso.

    1979

    A gravadora Phillips lança o disco Elis Especial sem o consentimento de Elis, com sobras de gravações anteriores.

    Sancionada a Lei da Anistia. A cada regresso, os exilados eram recebidos com ampla cobertura da imprensa ao som da canção O bêbado e o equilibrista, batizada como “Hino da Anistia”.

    Realiza um espetáculo memorável no Festival de Montreux, Suíça.

    1981

    Separa-se de Cesar Camargo Mariano e começa a namorar o advogado Samuel MacDowell.

    1982

    Morre de overdose aos 36 anos, na cidade de São Paulo, em 19 de janeiro. Henry Shibata foi o legista de Elis.