Fonte: OpenWeather

    História


    A vasta contribuição das mulheres na história da arte

    Na arte nacional, Anita Malfatti, Tomie Ohtake e Pagu são algumas das artistas de destaque

    Frida Kahlo é uma das mais famosas artistas de todos os tempos
    Frida Kahlo é uma das mais famosas artistas de todos os tempos | Foto: Divulgação

     Durante a história, várias mulheres contribuíram significativamente para a arte nacional e mundial, em todos seus aspectos. Apesar de serem pouco lembradas, as artistas deixaram suas marcas. Pensando em forma de homenageá-las, o EM TEMPO relembra a trajetória de algumas das maiores mulheres na arte.

    Frida Kahlo

    A pintora teve a vida retratada em livros, peças de teatro e filmes — além das inúmeras exposições das obras e levou ao mundo as cores vibrantes e a energia do povo mexicano nas roupas, adereços e pinturas.

    O início da carreira de Frida começou com um acidente aos 18 anos, que causou uma fratura pélvica e a fez passar por cirurgias diversas vezes. Ela pintava autorretratos com base na visão que tinha de um espelho, pois dizia que queria pintar o que via com os próprios olhos. O primeiro quadro foi o Autorretrato em vestido de veludo, de 1926.

    Autorretrato de Frida Kahlo
    Autorretrato de Frida Kahlo | Foto: Divulgação

    O trabalho da artista ficou mundialmente conhecido após morar fora do México. No entanto, somente próximo a sua morte é que Frida conseguiu presenciar uma exposição própria no país de nascença.

    Em 13 de julho de 1954, Frida Kahlo morreu de embolia pulmonar, conforme o atestado de óbito, mas também é levantada a possibilidade de suicido, devido a última anotação em seu diário, que diz "Espero que minha partida seja feliz, e espero nunca mais regressar - Frida".

    Quatro anos após a morte, sua casa familiar conhecida como "Casa Azul" transforma-se no Museu Frida Kahlo. Frida Kahlo, reconhecida tanto por sua obra quanto por sua vida pessoal, ganha retrospectiva de suas obras, com objetos e documentos inéditos, além de fotografias, desenhos, vestidos e livros.

    Sofonisba Anguissola

    Autorretrato de Sofonisba Anguissola
    Autorretrato de Sofonisba Anguissola | Foto: Divulgação

    Com quadros confundidos com os de Leonardo da Vinci, Sofonisba foi a primeira mulher das artes plásticas a adquirir fama, sendo reconhecida como uma excelente retratista. Ela viveu durante o período do Renascimento e foi pintora da corte espanhola por cerca de 20 anos.

    O historiador de arte Giorgio Vasari escreveu que Sofonisba "mostrou maior dedicação e graça do que qualquer outra mulher do nosso tempo nas suas ambições em desenho; portanto ela não só conseguiu isso no desenho, como também na coloração e pintura da natureza, e como na cópia excelentemente de outros artistas, mas também por que ela mesma criou pinturas raras e muito bonitas. "

    Embora fosse mais incentivada e apoiada na arte do que as outras mulheres no período, a classe econômica não a permitia vencer os limites impostos por ser mulher. Durante o período do Renascimento era inaceitável a uma mulher ver pessoas nuas, inclusive outras mulheres, o que se tornou uma barreira para a arte de Sofonisba, que, impossibilitada de estudar anatomia, não pôde realizar as complexas pinturas que precisavam de modelo-vivo.

    Tomie Ohtake

    Tomie Ohtake é conhecida como a dama das artes plásticas brasileiras
    Tomie Ohtake é conhecida como a dama das artes plásticas brasileiras | Foto: Divulgação

    Uma das principais representantes do abstracionismo informal, nascida no Japão, Tomie Ohtake mudou-se para o Brasil em 1936, fixando-se em São Paulo, onde naturalizou-se. Pelas contribuições à arte, é considerada a “dama das artes plásticas brasileira”.

    Em 1952, iniciou a pintura junto ao artista Keisuke Sugano. Após um breve período de arte figurativa, a artista define-se pelo abstracionismo. A partir dos anos 1970, trabalhou com serigrafia, litogravura e gravura em metal. Dedicou-se também à escultura e realizou algumas delas para espaços públicos.

    Em 1995, recebeu em Brasília o Prêmio Nacional de Artes Plásticas do Ministério da Cultura e em 2000, foi criado o Instituto Tomie Ohtake em São Paulo. Tomie Ohtake morreu dia 12 de fevereiro de 2015, em São Paulo, aos 101 anos, em decorrência de choque séptico causado por uma broncopneumonia.

    Anita Malfatti

    Anita Malfatti
    Anita Malfatti | Foto: Divulgação

    Fortemente influenciada pela mãe, que pintava e desenhava, Anita aprendeu a escrever, desenhar e pintar somente com a mão esquerda, devido uma atrofia congênita na mão direita. O primeiro contato com a arte expressionista alemã em 1910, quando foi para Berlim e frequentou a Academia Real de Belas Artes. A primeira exposição individual aconteceu em 1914, em São Paulo.

    Uma exposição própria, Primeira Exposição de Arte Moderna no Brasil, inaugurada em dezembro de 1917, deu início ao Modernismo, que tem o seu ápice na Semana de Arte Moderna de 1922.

    Entre os anos de 1923 e 1928, Anita residiu em Paris e realizou exposições individuais em Berlim, Paris e Nova York. 

    Em 6 de novembro de 1964, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Anita Malfatti morreu. Está sepultada no Cemitério dos Protestantes, na Rua Sergipe, número 117, bairro da Consolação, São Paulo.

    Autorretrato de Anita Malfatti
    Autorretrato de Anita Malfatti | Foto: Divulgação

    Pagu

    Patrícia Rehder Galvão, mais conhecida como Pagu, nasceu em São Paulo em 1910. Escritora, jornalista, tradutora e desenhista foi uma das grandes mulheres do movimento modernista brasileiro, mesmo não participando ativamente da Semana Moderna de 1922.

    Militante do Partido Comunista, Pagu fazia parte também do movimento antropofágico da época, ao lado do marido Oswald de Andrade. Lutou pelos direitos trabalhistas e escreveu diversos ensaios e livros, alguns sob o pseudônimo de Mara Lobo. Chegou a morar na Liberdade, no Brás, na Aclimação e na Bela Vista, passando seus últimos dias no Litoral, na cidade de Santos, onde morreu por decorrência de um câncer de pulmão, em 1962, aos 52 anos.

    Pagu
    Pagu | Foto: Divulgação

    Leia mais: 

    DJs mulheres dominam a cena eletrônica em Manaus

    Adiado pela pandemia, filme 'Liquid Voices' estreia em meio digital

    Grupo feminino de rap do AM participa de festival Latinidades