Fonte: OpenWeather

    Campanha


    Modelo amazonense participa de campanha 'Quem lacra não lucra'

    O modelo amazonense Erick Brian Farid, é associado ao projeto da Parada São Paulo há 2 anos

    Mas muitos não gostam dessa ideia, a ameaçam as marcas com boicotes
    Mas muitos não gostam dessa ideia, a ameaçam as marcas com boicotes | Foto: Divulgação

    Manaus- No mês de orgulho LGBTQIA+, muitas marcas têm se posicionado a favor da causa, lançando campanhas de doação a ONGs de apoio LGBTQIA+ e ações publicitárias especiais, como a Ambev e as Havainas. Mas muitos não gostam dessa ideia, a ameaçam as marcas com boicotes. Nasceu daí a expressão ‘‘Quem lacra não lucra’’, ou seja, marcas que apoiam a causa LGBTQIA+ não lucrariam, segundo aqueles que as atacam, por conta de seus supostos boicotes.

    A rede de lanchonetes Burger King, uma das maiores do mundo, resolveu responder a essas ameaças e provocações com bom humor e criatividade. A empresa lançou uma campanha ‘Quem lacra não lucra (Mesmo)’ e anunciou que todo o lucro proveniente das vendas de lanches no domingo (28), dia mundial do orgulho LGBT, será revestido para ONGs de apoio a causa LGBTQIA+.

    O modelo amazonense Erick Brian Farid, é associado ao projeto da Parada São Paulo há 2 anos, e foi convidado pela Burger King para participar desta campanha.

    ‘‘O Brasil é o país do carnaval e do futebol, mas não é o país da tolerância. Infelizmente, aqui é o lugar onde mais mata LGBTs no mundo todo. Agora imagina quantos não morrem todos os dias, apenas por serem quem são. Eu jamais vou desistir desta causa’’, afirma o modelo Erick Brian Farid.

    Será beneficiada a CASA 1, onde é um centro de cultura e acolhimento a população LGBTQIA+ em São Paulo, e a Associação do Orgulho LGBT. Segundo a empresa, isto é uma forma de confirmar seu posicionamento por uma sociedade mais tolerante e livre de preconceitos. 

    *Com informações da assessoria 

    Leia mais:

    Nickelodeon confirma que Bob Esponja é personagem LGBTQ+

    ONU diz que 'cura gay' é risco de tortura e quer proibir prática

    Autora de Harry Potter é 'cancelada' após declaração preconceituosa