Rock


Dia Mundial do Rock: conheça bandas que honram o estilo no Amazonas

"Fazer rock no Amazonas significa amor", afirma Daniel Lima, vocalista da banda Essence

Guitarrista Henn durante performance
Guitarrista Henn durante performance | Foto: Divulgação

Manaus – Símbolo de rebeldia e revolução, o rock é um dos gêneros musicais mais ouvidos no mundo e uma das mais importantes formas de manifestação cultural. Nesta segunda-feira (13) é comemorado o Dia Mundial do Rock, e Manaus não foge da premissa do rock’n’roll.

Palco de diversos grupos de talento e que se destacam no estilo musical, o Amazonas é referência no rock. Quem comprova isso é a banda Essence, uma das mais promissoras no rock amazonense. Formado em 1997, o grupo tem forte influência dos anos 80 e iniciou interpretando clássicos do Legião Urbana, Capital Inicial e RPM.

A banda esbanja sucesso, e ajudou a consolidar o mercado do rock em Manaus, seguindo em uma das turnês, inclusive, para o interior do estado do Amazonas. A turnê seguiu também para Rio de Janeiro, tocando ao lado de Eliana Printes.

Com músicas autorais, Essence já lançou 8 CD’s e um DVD gravado no Teatro Amazonas. A maturidade e a sonoridade própria conquistada proporcionaram fãs em todos lugares. ‘’Sempre buscamos levar ao nosso público, músicas que falam de amor, força e persistência, contando um pouco das nossas experiências’’, afirmou Carlos Araújo, um dos fundadores do Essence.

Grupo Essence
Grupo Essence | Foto: Divulgação

Tocar rock é a melhor forma de expressar um sentimento através da música, revelou Carlos. "Como essa é minha preferência musical, quando eu toco eu faço o meu melhor para transmitir a mesma emoção que a música me proporciona.

Fazer rock no Amazonas 

Essence é formada por Carlos Araújo na bateria, Daniel Lima no vocal, Júlio Feitosa no baixo e Fabrício Rodrigues na guitarra. Apesar dos méritos do grupo, integrantes relatam que ainda existe dificuldades.

"Fazer rock no Amazonas significa amor. Outros gêneros vêm dominando o mercado fonográfico brasileiro, e o rock na nossa região ainda é muito criticado’’, afirma o vocalista Daniel Lima.

"Dificilmente uma banda do Norte faz tanto sucesso, por mais que seja boa. Por amor ao rock, nós continuamos com fé que um dia nossa música pode ser mais reconhecida lá fora’’, acrescenta.

A opinião do guitarrista Antônio Henn, da banda Eutanase, segue o mesmo pensamento. "É um segmento bem fechado, mas eu vejo que existe apoio. Existem muitos festivais que dão oportunidade para bandas iniciantes e tem uma galera que realmente acompanha os nossos trabalhos’’.

Guitarrista Henn
Guitarrista Henn | Foto: Divulgação

Críticas sociais

O guitarrista Antônio Henn, além de atuar na banda Eutanase, atua também em carreira solo. A energia é um dos principais pontos nas performances, que carregam também críticas sociais. Um dos clipes mais recentes da Eutanase foca na corrupção no Brasil, criticando políticos.

"O rock sempre causa muito impacto, tanto negativo quanto positivo, ainda mais no Norte. Viajei bastante pelo Brasil, e acho que o cenário aqui é bem avançado’’, relembrou o guitarrista.

"A mensagem que eu sinto nos shows é de união. Apesar de sempre existir quem crie polêmicas, aqui nós temos pessoas boas e bandas que querem fazer esse estilo com qualidade’’.

Na banda 00:00 (Midnight), o baixista Ediel Castro percebe que o rock é uma ferramenta para instigar. "É meio clichê, mas acaba sendo uma realidade. Não apenas no literal da fala, mas é importante falar que nós expressamos questões que refletem nosso momento’’, explica o baixista.

Banda Midnight
Banda Midnight | Foto: Divulgação

"Por exemplo, em "Living One More Day", nós levantamos questões políticas. O mais recente trabalho lançado, "Disappear'’, levanta questões mais introspectivas. Mas ambas sempre com tons de questionamento, seja interno ou externo’’.

Paixão pelo rock

A paixão pelo rock surgiu cedo para Henn, e é o que também o motiva a continuar na música. "Sendo honesto, não é um estilo muito rentável, tem muitas barreiras, em vários sentidos. Então tem que realmente ter muita paixão e ótimas pessoas ao seu lado’’.

Atuando há cerca de 10 anos no cenário musical, Ediel Castro compartilha do mesmo orgulho. "É uma satisfação, privilégio, ter a liberdade de expressar a minha arte da forma que me convém, da forma que me identifico musicalmente’’, revela.

Guitarrista Henn
Guitarrista Henn | Foto: Divulgação

"O que sempre é marcante é tocar para novos públicos, seja em outras cidades do Amazonas ou na capital", finaliza.

Leia mais: 

Criticando a corrupção na política, banda 'Eutanase' lança clipe

Cabocrioulo celebra 15 anos com desejo de alçar novos voos

Vozes femininas do pop rock em Manaus