Fonte: OpenWeather

    Paixão pela música


    Liê de Cezar, a amazonense que fala de amor nas composições

    Liê de Cezar se considera uma apaixonada pela música. Conciliando as profissões de professora e cantora, ela prepara um novo EP enquanto se recupera de covid-19

    Liê de Cezar tem o sonho de atuar no cenário musical
    Liê de Cezar tem o sonho de atuar no cenário musical | Foto: Divulgação

    Manaus – Liê de Cezar, 26, ainda se recuperando das sequelas da Covid-19, concilia o trabalho como professora com a paixão de fazer música. A cantora precisou interromper a produção de novas obras para prevenir a doença, ainda no início da pandemia, e agora retoma aos poucos a gravação de novas canções.

    Retornando aos estúdios, ela dá continuidade ao EP “Meninas Também Fazem Serenatas’’ e reestrutura a imagem nas redes sociais. A recuperação de saúde permite que o trabalho continue de forma lenta, mas preciosa: a cantora se dedica a estudar música e manter a interação com personalidades do cenário musical de Manaus.

    “Mas meu objetivo principal é finalizar o EP. Sou uma romântica, gosto de falar sobre as formas confusas que nós damos ao ato de amar, e tento expor isso nas minhas composições’’, explicou a cantora Liê.

    Do romantismo, surgiram os singles “Identidade’’ e “Migrante’’, que estão disponíveis através do Instagram de Liê de Cezar. Interligadas, as obras contam uma história para quem observar o trabalho como um todo.

    Liê busca o romantismo nas composições
    Liê busca o romantismo nas composições | Foto: Divulgação

    ‘‘Esse EP é uma retribuição a todo amor que recebi das pessoas que me apoiam apenas por gostarem da minha voz’’.

    Pandemia

    Antes da pandemia, o trabalho com o EP “Meninas Também Fazem Serenatas’’ começava, e foi justamente nesse período que parte das obras foi gravada. Com a chegada da doença no estado, todos os trabalhos foram interrompidos como forma de prevenção.

    ‘‘Por ter pessoas no grupo de risco em casa, parei tudo. Mas mesmo assim não deu jeito, e até hoje não sabemos como fomos contaminados’’, relembra Liê.

    “Foi um pesadelo, embora eu tenha minha formação fora da arte, a música era um sonho antigo, e quando eu finalmente pude torná-lo real, tudo parou’’, desabafou.

    Mas a maior preocupação, ressaltou a cantora, foi com a doença. O período foi marcado pelo medo. “O pior pesadelo de qualquer pessoa que canta é ficar sem fôlego e não poder cantar. Não ter energia para tocar o violão, não sentir gosto, não ter vontade de nada, a sensação de estar cansada sempre é mortificante’’, lamentou.

    Ainda em recuperação, a cantora Liê de Cezar lida com as sequelas e traça os próximos passos na carreira musical. ‘‘Sabe como é a vida, a gente corre com ela e conforme ela dita. Mas estou tentando fazer isso dar certo. A música é minha fonte de energia e felicidade’’.

    Músicas de Liê se estruturam no violão, teclado e batida
    Músicas de Liê se estruturam no violão, teclado e batida | Foto: Divulgação

    Agora, o trabalho é realizado em grande parte de forma remota. Optando pelo simples, os singles se estruturam no violão, teclado e batida.

    Amor pela música

    Um dos primeiros contatos de Liê de Cezar com a música foi ao assistir a um vídeo cassete do Elton John, e foi paixão à primeira vista. Neta de professora, a cantora sempre teve contato com a música e com a literatura, o que só impulsionou o amor pela arte.

    Filha de fonoaudióloga, o canto se desenvolveu com a mãe. Realizando exercícios focais, Liê ganhou noção da música e recebeu estímulos para a área.

    ‘‘Quando perceberam que eu tinha afinidade com a música, me colocaram para estudar piano com Júlio Hatchwell, mas não houve compatibilidade com o instrumento’’, contou.

    Apesar da paixão, Liê finalizou a graduação em Direito a atua como professora de língua inglesa. A dedicação à música surge nos intervalos da profissão.

    Liê atua como professora
    Liê atua como professora | Foto: Divulgação

    ‘‘Justamente por vir de uma família tradicional, fiz cursos tradicionais. Como ensinar idiomas me dá mais mobilidade para trabalhar na música, é o que tenho feito’’, revelou a artista, ‘’mas fazer uma coisa por amor é totalmente diferente. Hoje eu entendo que sucesso é isso, poder fazer o que se ama e viver uma vida decente’’.

    A atuação no cenário musical permaneceu por amor, e apesar de ser trabalhoso equilibrar a profissão com a paixão, Liê ressaltou que o resultado vale a pena.

    ‘’A música só me trouxe coisas boas. É ensinamento atrás de ensinamento. Amar fazer música de verdade te faz entender que o objetivo não é emplacar no rádio ou ganhar milhões de royalties’’, afirmou a cantora, ‘’é muito bom quando isso acontece, porque todo trabalho merece recompensa. Mas no fim, é sobre a troca, as pessoas que você alcança, a vida que você alegra, a mente cansada que você entretém e ajuda a tirar da rotina estafante’’.

    Leia mais:

    Aos 18 anos, Duda Raposo é promessa na música amazonense

    Sem data definida, cantores e artistas preparam espetáculos em Manaus

    'Arte é uma ferramenta poderosa de reflexão', diz Bel Martine