Fonte: OpenWeather

    Bem-estar


    7 plantas fáceis de cultivar dentro de casa e dão um up na decoração

    Para algumas pessoas cultivar plantas dentro de casa é quase que uma missão impossível, mas com as dicas do EM TEMPO, dá para começar o seu jardim interno ou ter ao menos uma plantinha de estimação

    As plantas naturais deixam o ambiente mais bonito e agradável
    As plantas naturais deixam o ambiente mais bonito e agradável | Foto: Reprodução internet

    Manaus - Para algumas pessoas cultivar plantas dentro de casa é quase que uma missão impossível. Além de tornar o ambiente mais agradável, as plantas naturais promovem a oxigenação do ambiente e o embelezamento da decoração. O EM TEMPO separou sete espécies fáceis de encontrar e que se adaptam ao clima quente e úmido do Amazonas. Além disso,  podem ser cuidadas sem segredos.

    Mas lembre-se do básico que essas plantinhas precisam:  água. Porém, algumas, nem exigem regas diárias. Fique atento as dicas e comece já o seu jardim interno.

    Suculentas

    | Foto:

    Estas são plantas fáceis de cultivar e podem ser encontradas em locais como supermercados e floriculturas por um preço baixo. Geralmente são plantas pequenas e que se adequam a diversos tipos de ambientes. Observe sua suculenta, pois é fácil notar quando estão com sede ou com necessidade de mais luz solar. 

    Zamioculca

    | Foto:

    Esta, sem dúvidas, é uma das plantas que mais resistem a ambientes com pouca luminosidade natural. É originária da África, com folhas bem verdes e brilhantes. Tornou-se popular entre os brasileiros por sua rusticidade e beleza. Gosta de solo bem drenável e regas regulares, mas sem encharcar. Se você tem pouca luz natural vale apostar nesta planta.

    Antúrio

    | Foto:

    Planta rústica que precisa de pouca iluminação natural, muito boa para cultivar em ambientes internos. Quando se fala de antúrio, a maioria das pessoas logo lembra da planta com folhas verde escuras e flores vermelhas, mas vale lembrar que existem antúrios de diversas cores. Esta espécie gosta de solos com boa capacidade de drenagem (ex: fibra de coco, pedaços de madeira encorporados ao solo) e não exige muita água, podendo ser regada 01 (uma) ou  02 (duas) vezes por semana.

    Lança e espada de São Jorge

    | Foto:

    Outras plantas que toleram tanto pouca luminosidade, quanto locais com sol direto são  essas. Com grande variação e, todas lindas, as lanças e as espadas preferem solos mais argilosos, o que faz com que a terra fique molhada por mais tempo e não precise de tantas regas. Espadas de São Jorge podem ser cultivadas da mesma forma que as lanças.

    Lírio da Paz

    | Foto:

    Com esta planta não tem muito segredo, basta plantar em terra comum adubada e lembrar de regar uma ou duas vezes por semana. mas aqui vai a dica da desta editora que possui um vaso de lírio da paz em casa (no meu banheiro): com o clima quente e verão rigoroso de Manaus, melhor aumentar a quantidade de regas para três e não precisa exagerar na quantidade; ao menos uma vez ao mês, dar um banho na folhagem, também, vai deixar sua planta vigorosa. Se possível escolha um local próximo a luz natural mas não, direta. As flores brancas realmente trazem um clima de paz ao ambiente.

    Palmeira Ráfis

    | Foto:

    A ráfis ou ráfia é uma das queridinhas dos decoradores e arquitetos, quando se fala de ambientes internos e rusticidade. Ela precisa estar próxima de janelas e portas, ter um solo com boa capacidade de drenagem e dependendo do tamanho do vaso, ser regada uma ou duas vezes por semana. Pelo fato de serem palmeiras, decoram o ambiente promovendo uma decoração tropical para as áreas internas.

    Jiboia

    | Foto:

    Pode ser cultivada à sombra e não é muito exigente com relação a solos e regas. Se desenvolve com rapidez e poder ser utilizada tanto como trepadeira como planta pendente. A jiboia é uma das plantas apontadas para purificar ambientes, trazendo benefícios para qualidade do ar.


    Leia mais

    Vídeo: Patixa Teló é atacada por cachorro durante gravações

    Jovem deixa carreira convencional para cuidar da avó com Alzheimer