Fonte: OpenWeather

    Dança


    Do Balé Folclórico do Amazonas para o Egito: conheça Adam Souza

    Adam Souza integrou a primeira turma do Balé Folclórico do Amazonas. Anos depois passou a ser assistente geral do projeto. Atualmente, ele trabalha com a dança em Hurghada, no Egito

    Adam Souza iniciou a arte da dança por acaso
    Adam Souza iniciou a arte da dança por acaso | Foto: Reprodução/Instagram

    Manaus – Sonhos podem se transformar e ganhar novas formas ainda mais brilhantes, e Adam Souza é a prova viva disso. Dançarino profissional residente no Egito, o amazonense iniciou a trajetória na arte em um ramo diferente do que interpreta atualmente: o desejo inicial do artista era trabalhar com a música, mas após integrar a primeira turma do Balé Folclórico do Amazonas, em 2001, a dança se tornou a grande paixão na vida dele.

    A convite de uma amiga, Adam Souza “caiu de paraquedas’’ no projeto de dança que iniciava no Teatro Amazonas e hoje é referência no estado, com a proposta de resgatar danças tipicamente amazonenses.

    | Foto: Divulgação

    “Na época, eu estudava música, participava da fanfarra do Instituto de Educação do Amazonas, e iria fazer uma audição para o Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro nessa área, quando uma amiga me contou da proposta do Balé Folclórico, e eu me interessei’’, revelou o dançarino.

    Com conhecimentos básicos na dança e sem saber nada de balé clássico ou contemporâneo, o artista se arriscou e engatou a trajetória na arte.

    Eu costumo dizer que não fui eu que escolhi a dança, foi a dança que me escolheu

    Ópera Dessana Dessana no Teatro Amazonas
    Ópera Dessana Dessana no Teatro Amazonas | Foto: Reprodução/Instagram

    Balé Folclórico do Amazonas

    Integrando o Balé Folclórico do Amazonas, Adam teve contato com a expressão corporal e o talento para a dança destacou o artista, que passou para o Corpo de Dança do Amazonas - terceiro grupo constituído de forma profissional pela Secretaria de Cultura - em 2005.

    Referência em dança contemporânea no Brasil, o grupo conta com mais de 60 obras criadas com a colaboração de artistas do Brasil e do exterior, participou de eventos e festivais nacionais e internacionais, além de ganhar prêmios de renome nacional.

    “No Corpo de Dança, pude me apresentar não só pelo Brasil, mas também na França, com coreografias assinadas por artistas internacionais. Permaneci no grupo até 2013, quando fui convidado para retornar ao Balé Folclórico do Amazonas, desta vez, como assistente de direção’’, relembrou o dançarino.

    | Foto: Arquivo pessoal

    Retornando às origens, Adam Souza colaborou em espetáculos sob a direção de Conceição Souza, coreógrafa e percursora da dança contemporânea no Amazonas.

    Um dos destaques no Balé Folclórico do Amazonas foi “Beiradão”, que utilizou a dança contemporânea para retratar histórias, crenças e tradições que fazem parte da cultura popular nos palcos do Teatro Amazonas.

    “Houve vários trabalhos que participei e que assinei, todos com um carinho muito grande para montar, pesquisar e realizar’’, celebrou o dançarino.

    Espetáculo Beiradão
    Espetáculo Beiradão | Foto: Divulgação/Sec

    Egito

    Em 2018, Adam Souza iniciou uma nova jornada, mas desta vez em terrenos estrangeiros. Com performances que exaltam a cultura brasileira através das danças urbanas, capoeira e samba, o artista trabalha para uma agência de entretenimento em Hurghada, cidade turística no Egito.

    "Os espetáculos têm uma diversidade muito grande. Eles incluem o Brasil e nosso folclore, mas há também uma grande bagagem artística, artistas circenses, cantores, atores e a cultura de diversos povos’’, contou o amazonense.

    Na agência, Adam afirma que existe um grande diálogo com as experiências artísticas dos dançarinos, e a bagagem que o artista carrega na cultura amazônica é um ponto positivo para as performances. 

    Desafios da dança

    "

    A dança é uma vivência de outras vidas. Eu vim só para completar, massificar e potencializar essa experiência "

    Adam Souza, dançarino profissional

    Desafios da dança

    Apesar de ser uma atividade realizada por amor, a dança também exibe muito esforço e dedicação. “Todo mundo pensa que a dança é fácil, mas tem suas dificuldades assim como todos os setores da vida. São dificuldades que exigem um trabalho corporal, mental e espiritual’’, declarou o artista.

    “Eu me dedico muito na minha área. É um ofício que envolve essas inquietações normais que a gente tem sobre o cotidiano, política, educação. Acho que esse modo de ver o mundo influencia na arte da dança, no contemporâneo, no balé clássico, no hip-hop, no jazz’’, assegurou.

    | Foto: Divulgação

    As experiências na dança desde o Balé Folclórico do Amazonas, afirma Adam, foram audaciosas e ciclos delicados. “É algo de outra vida, sabe? Parece que eu já tive essa vivência, porque é tudo muito latente, é tudo muito vivo, é tudo muito sóbrio, é muito palpável’’, afirmou o dançarino.

    “A gente segue nessa trajetória e cada dia tem uma descoberta, que eu já tive nesse lugar, eu já tive nesse momento, eu tinha que fazer dessa forma, tinha que ser dessa forma e reestruturando tudo. Talvez a outra vida não tenha completado algumas fases e nessa eu estou tentando concluí-las’’, completa.

     Leia mais

    Compositor Emerson Maia é homenageado no Teatro Amazonas

    Anne Jezini lança videoclipe do single 'Céu de Lurex'

    'Dançarina Imperfeita' é o novo favorito da comédia romântica