Cultura amazonense


Conheça Júlio Persil, o mais novo talento das toadas de boi-bumbá

Um dos cantores do grupo A Toada, Júlio Persil recebe atenção no meio musical e promete surpreender os amantes de boi-bumbá

Natural de Manaus, Júlio Persil destaca-se pela voz e pelo talento
Natural de Manaus, Júlio Persil destaca-se pela voz e pelo talento | Foto: Lucas Silva

Manaus – “Meu canto desperta a floresta, ultrapassa os ventos, rompendo horizontes e serras. Tem a força do Rio Amazonas, livre, imponente, sereno’’. A toada do boi Caprichoso ‘’Sensibilidade’’, autoria dos compositores Adriano Aguiar e Geovane Bastos, é uma das canções que descreve Júlio Persil, nome da nova geração do bumbá.

Aos 26 anos, o cantor mergulha na cultura amazonense através de cantos antológicos, e “Sensibilidade’’ se caracteriza como uma das toadas de maior emoção para Persil, indispensável no repertório do artista.

“A letra diz muito sobre a resiliência de nós, artistas. A parte que diz ‘cantei por toda a vida e por toda a vida eu vou cantar’ é exatamente sobre isso, sobre amor ao que fazemos’’, explicou o cantor amazonense.

Com uma voz potente que emana emoção e transborda talento, ele é uma das promessas no futuro do Festival Folclórico de Parintins. A cantora e compositora Mara Lima acompanha de perto a carreira ascendente do artista e prevê bons frutos.

| Foto: Arquivo pessoal

“A voz dele é algo incomparável e eu ouço um futuro levantador de toadas oficial nas apresentações do Júlio’’, se orgulhou Mara. “É uma forte personalidade artística que ainda vai dar muito o que falar’’.

Em vida, o próprio Pop da Selva foi um dos incentivadores de Persil, conforme as memórias que o cantor reviveu.

“Em 2010, no trio do saudoso Arlindo Júnior, pedi para cantar uma música com ele. Foi lindo, apesar do nervosismo’’, afirmou Persil. Durante a ocasião, a amiga Mara Lima o encorajou a buscar essa carreira e recebeu o reforço do então levantador de toadas do Caprichoso.

"Ele me disse para seguir com essa vontade de cantar boi-bumbá, pois o movimento precisava de gente nova’’, relembrou com emoção o episódio ao lado do artista, que foi um divisor de águas no Festival Folclórico de Parintins.

Paixão precoce

"

É muito bom ir aos lugares e as pessoas me conhecerem como 'o cantor de boi'. É gratificante "

Júlio Persil, cantor amazonense

O amor pelo boi-bumbá e pela música surgiu desde a infância. Torcedor do Caprichoso de coração e alma, Júlio Persil relembra as comemorações na época do Festival Folclórico de Parintins.

Com animação, a tradição na família do cantor envolvia um arraial durante as festividades da cidade. A casa onde nasceu e cresceu em Manaus era enfeitada completamente de azul e branco, mas também recepcionava de braços abertos os torcedores ‘’contrários’’. ‘’É uma tradição da minha mãe até hoje’’, assegurou o cantor.

Paixão é visível nas apresentações de Júlio Persil
Paixão é visível nas apresentações de Júlio Persil | Foto: Arquivo pessoal

Aos seis anos de idade, Persil acompanhava os pais em eventos do boi de paixão e o encanto começou desde então. “Vendo a vontade de ser cantor, minha mãe me colocou para fazer aulas de canto cedo e com 15 anos, comecei a cantar profissionalmente em uma banda de eventos’’, revelou. Ao mesmo tempo, o cantor permaneceu participando de eventos dos bumbás.

Carreira

Em 2017, Júlio Persil ingressou através de um concurso no grupo “A Toada”, pioneiro em Manaus no gênero. “De lá para cá, eu realizei sonhos inimagináveis como cantar em um trio elétrico no Boi Manaus, cantei para o Caprichoso no sambódromo no lançamento de um CD, fiz duetos com David Assayag, viajei fora do estado para cantar, mas o que mais me enriquece é ver as pessoas felizes cantando e dançando nosso ritmo que contagia. Isso para mim é uma recompensa e tanto’’, inspirou-se.

Uma das felicidades do cantor é vocalizar a Amazônia, as lendas, os rituais, e todas as riquezas que compõe o Norte. “Desde muito cedo eu sou defensor da nossa cultura. Acho que nós temos esse dever de enaltecer o que é nosso, de fortalecer nossa identidade. Sou extremamente grato em poder levar isso por onde quer que eu vá’’.

Manaus 03.09.2020. Júlio Cesar.
Manaus 03.09.2020. Júlio Cesar. | Foto: Lucas Silva

Mara Lima já atuou como uma das levantadoras de toadas oficial do boi-bumbá Caprichoso e afirma a admiração por Júlio Persil como artista e como amigo em todas as oportunidades possíveis. “O Júlio foi um presente de Deus na minha vida. Um presente que a música me trouxe, mas que a vida me ensinou a amar. Ele é muito mais que um artista e eu só desejo sucesso na carreira dele”, anunciou.

O talento de Persil ganhou os olhos de Mara durante um evento do Caprichoso onde ambos participavam, e desde então, mantiveram uma relação de coleguismo com respeito e afeição tanto profissional, quanto pessoal.

“Ele é muito cuidadoso e esforçado no que faz, além de ser uma excelente pessoa. Desde o início, sempre vi muito potencial e talento nele. Onde eu estiver, vou sempre aplaudir, pois ele tem um verdadeiro dom. É algo tão sincero, sem interpretar personagens, sendo apenas ele mesmo. Não há uma divisão entre o Júlio cantor e o Júlio na vida pessoal”, destacou Mara.

| Foto: Lucas Silva
"

Que ele era talentoso eu sabia, mas não esperava que superasse todas minhas expectativas. Ele se preocupa muito com a qualidade vocal que apresenta e também é muito cuidadoso com a imagem pessoal. Mesmo dando o melhor, ele se preocupa muito em sempre fazer mais "

Mara Lima, cantora

Apesar dos elogios, Persil permanece humilde e o desejo para a carreira é evolução. “No momento não tenho pretensão de me tornar item oficial no Festival Folclórico de Parintins, até porque acho que o cantor que exerce isso precisa estar preparado vocalmente, espiritualmente e fisicamente. Ser item é se dedicar quase 100% para que nada saia errado. Como ainda estou no início da minha carreira, ainda não tenho cacife para isso, mas no futuro, quem sabe’’, finalizou.

Confira uma apresentação de Júlio Persil ao lado de David Assayag:

Leia mais:

Show com Bel Martine, Duda Raposo e Um Trevo tem data marcada

Escritores do AM criticam taxação de livros: 'Favorece analfabetismo'

‘Apocalypse Now: Final Cut’ estreia nos cinemas de Manaus