Fonte: OpenWeather

    Espetáculo


    'O Silêncio do Mundo – Velejando em Solitário' estreia na internet

    Produção conta a história de uma mulher que larga a terra firme e vai dar a volta ao mundo, sozinha, em um veleiro

    | Foto: Divulgação

     "Uma mulher e um barco a vela, juntos decidem dar uma volta ao mundo. Sozinha, preparada com mapas e livros, ela desbrava as águas e seus pensamentos, confrontando ondas e medos”. Assim começa a história que dá vida ao espetáculo O Silêncio do Mundo – Velejando em Solitário.

    Idealizada por Juana Miranda e dirigida por Iberê Carvalho e Larissa Mauro, a peça produzida no Distrito Federal estreou no CCBB Brasília, em 2016, e foi sucesso de público na época. Com um pano cinematográfico, a obra valeu-se de várias câmeras, ângulos e, devido à filmagem, ganhará agora a internet em tempos de pandemia.

    Até o dia 11 de outubro de 2020, o espetáculo estará à venda pelo link https://pag.ae/7WpEAbtes. O valor da contribuição é voluntário.

    Em cena, a atriz, bailarina e produtora brasiliense Juana Miranda dá vida a uma mulher de classe média que resolve largar sua rotina de conforto e um bom emprego para velejar sozinha durante meses.  Em um misto de medo e coragem, felicidade e melancolia, ela chega a seu limite físico e emocional e decide desistir de tudo. Mas, já é tarde. Regressar é o caminho mais longo. Face a face com o seu eu interior, a solidão, o medo e a angústia, a aventura mostra a ela a possibilidade de seguir em uma jornada de encontro consigo mesma.

    “Fizemos uma gravação ao vivo, usando quatro câmeras na época (2016), no CCBB Brasília. Bons tempos, onde o público podia conferir presencialmente. Foi essa gravação em um cenário impactante que deu vida à produção que agora está disponível na versão on-line”, diz Miranda, que também idealizou a história.

    Em uma mistura de cinema, dança contemporânea e teatro, a produção vale-se de coreografias dirigidas por Jana Marques para mostrar a rotina da personagem e para dar movimento aos elementos de cena. A obra visa, ainda, destacar o protagonismo feminino por meio de uma mulher corajosa. “São pouquíssimas as mulheres, no mundo inteiro, que tomaram a frente de uma aventura como essa e deram a volta ao mundo”, conta Juana, que não por acaso escolheu o tema da peça.

    | Foto: Divulgação

    Em 2015, com o projeto em andamento, a equipe teve o conhecimento de que a primeira mulher brasileira, Izabel Pimentel, havia finalizado uma volta ao mundo sozinha, em 2014. Foi quando o grupo teve, então, contato com outras mulheres velejadoras que fizeram trechos solitários, como Christina Amaral.

    “E não é só uma aventura. Falamos também de conhecimentos sobre o mar, de navegação, astronomia, cartas náuticas, ventos, nós de marinheiros e até de como montar um barco”, explica Juana Miranda.

    Também pesquisadora, a atriz iniciou o estudo sobre a produção em 2010, quando fez as provas da Capitania dos Portos da Marinha e se tornou Arrais Amador. Hoje, ela é Mestre Amador e pode dirigir embarcações de passeio em navegação costeira cruzando estados de qualquer pais que esteja.

    E quem assistir vai poder também se impressionar com o cenário montado por Maíra Carvalho. Um barco com 8x4m, com uma vela de quatro metros e uma estrutura que balança compõem ainda a estrutura de água montada no CCBB, em 2016. Neste mesmo ano, a peça também participou do Prêmio SESC de Teatro Candango, onde ganhou Melhor Iluminação de Marcelo Augusto.

    Ficha técnica:

    Idealização e interpretação:  Juana Miranda

    Direção: Iberê Carvalho e Larissa Mauro

    Textos: Renata Mizrahi

    Coreografias: Jana Marques

    Cenografia: Maíra Carvalho

    Figurino: Bianca Garcia

    Trilha sonora: Sascha Kratz e Rafael Maklon

    Iluminação: Marcelo Augusto

    Fotos: Diego Bresani

    Design gráfico: Bárbara Miranda

    Duração: 1 hora

    Serviço: Espetáculo O SILÊNCIO DO MUNDO - VELEJANDO EM SOLITÁRIO estreia na internet

    Até dia 11 de outubro de 2020

    Vendas: https://pag.ae/7WpEAbtes. O valor para contribuição é voluntário.

    Informações: Instagram  @nucleodepesquisadacena

    Não recomendado para menores de 12 anos

    Leia mais:

    Em Manaus, fotógrafa retrata fase de isolamento em curta-metragem

    'Não paga de maluco não', diz Jojo Todynho ao perder a linha com Biel

    Curta-metragem do AM é escolhido o melhor filme do Festival de Gramado