Longa-metragem


'Soror', novo filme de suspense policial está sendo gravado em Manaus

Na cidade fictícia de Soror, um estranho acontecimento e uma investigação policial resultam em uma trama psicológica envolvente

Atrizes Geísa Fröhlich e Elis Marinheiro
Atrizes Geísa Fröhlich e Elis Marinheiro | Foto: Narel Desiree e Wladmir Farias

Manaus - "Soror", o primeiro longa-metragem da Dream House Pictures, está sendo gravado em Manaus. Com direção da amazonense Deborah Haven, o filme tem previsão de estreia para 2021 e as gravações seguem até novembro deste ano.

Situado em 1946, na cidade fictícia de Soror, o filme gira em torno de uma misteriosa investigação policial, após restos mortais serem encontrados em uma floresta.

A polícia conecta este acontecimento a outro caso, ocorrido há um ano e nunca resolvido: o desaparecimento de uma professora chamada Serena Caires.

No decorrer da história, enquanto a polícia tenta ligar os dois casos, novos personagens entram na narrativa, dando pistas das motivações de ambos os crimes.

Atriz Elis Marinheiro
Atriz Elis Marinheiro | Foto: Narel Desiree e Wladmir Farias

A história de terror também envolve uma trama psicológica marcante e uma das surpresas que Soror traz é a inserção de bruxas no enredo.

O palco principal para as gravações de Soror foi Manaus. Pontos turísticos da capital amazonense, como o Palacete Provincial, localizado no Centro Histórico, dão personalidade ao filme.

"Em Manaus, somos ricos em arquitetura histórica. As gravações ocorrem principalmente nos espaços cedidos pela Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC). Os locais no Centro Histórico são os mais utilizados’’, revelou a diretora Deborah Haven.

Coletivo de cinema

Cena utilizando cenários naturais de Manaus
Cena utilizando cenários naturais de Manaus | Foto: Narel Desiree e Wladmir Farias

O coletivo de cinema Dream House Pictures, responsável pelo longa-metragem, foi idealizado em Manaus, no ano de 2016, sem fins lucrativos e já produziu as obras ‘’Lírico’’, ‘’Sonhos’’ e ‘’Através do Espelho’’.

O pequeno grupo produz no gênero de terror, suspense e fantasia de forma completamente independente, "no budget" ou "low budget", e a proposta para Soror foi uma aposta, já que só foram produzidos curtas desde a idealização do coletivo.

"No coletivo, nossas dificuldades sempre foram apoio. Às vezes, as pessoas não acreditam que um projeto possa crescer e colocam obstáculos para se concretizarem’’, afirmou Deborah Haven.

Lugares naturais do Amazonas são  cenários do filme Soror
Lugares naturais do Amazonas são cenários do filme Soror | Foto: Narel Desiree e Wladmir Farias

‘’Sempre produzimos de forma independente, ou "low budget", mas o que se torna mais chato é haver muitas panelinhas e até bastante preconceito de outros grupos de cineastas daqui, em relação ao tipo de trabalhos que fazemos’’, desabafou a cineasta.

A produção e elenco de Soror é composto, em boa parte, por amazonenses, e nomes como Elis Marinheiro, Geísa Fröhlich e Joice Caster participam do filme.

Dream House

Vencedor e participante de festivais nacionais e internacionais, o coletivo conseguiu alguns bons parceiros como resultado de 22 produções. As obras são disponibilizadas na plataforma de Streaming da Itália, a HODTV, uma plataforma de curtas de horror, e alguns dos curtas são distribuídos pela Shami Media Group de Nova York.

O grupo é responsável por pré-produzir, desenvolver e finalizar a todos os projetos. Deborah Haven, amazonense, diretora, produtora e atriz, com alguns cursos de cinema em seu currículo, começou ajudando na produção de curtas regionais como "O Corno do Corno", "Não Troco Minha Doida Pela Doida de Ninguém" e o documentário "A Última Travessia".

Em 2016 produziu o primeiro curta-metragem intitulado "A Carta", um filme baseado no primeiro livro não publicado. Com o lançamento de "A Carta", lançou o coletivo Dream House Pictures, da qual é idealizadora e representante.

Leia mais:

Modelo amazonense inspira obras de artistas internacionais

Artista visual Hadna Abreu estreia nova exposição em Manaus

Clube da Madrugada: O movimento que revolucionou a cultura do AM