Consciência Negra


'Até o Tucupi de Negritude' ocorre no Teatro Amazonas na sexta (20)

Há 14 anos o Festival marca o levante da arte em prol da juventude no Amazonas

Elisa Maia é uma das atrações do show
Elisa Maia é uma das atrações do show | Foto: Anna Suav

Manaus - O calendário brasileiro pauta o Dia da Consciência Negra nesta sexta-feira (20), e enquanto isso, num dos palcos mais importantes da Amazônia, acontece o ''Até o Tucupi de Negritude''. A partir das 20h (horário local), de forma gratuita, o público poderá prestigiar o talento, a vivência e relevância social produzida por artistas negros da capital amazonense. 

Com classificação livre, o espetáculo será dirigido pela cantora e produtora cultural Elisa Maia, que compõe as atrações junto com Karen Francis, Kurt Sutil, Halaise Asaf, AndrewXX, Chapéu de Palha e DJ Rafa Militão.

Adaptado responsavelmente à realidade da pandemia da Covid-19, o show terá transmissão online pelo Facebook do Festival Até o Tucupi e no canal do YouTube do Coletivo Difusão.

O show é uma realização do Coletivo Difusão e tem apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas.

Kurt Sutil também participa do show
Kurt Sutil também participa do show | Foto: Weslen Simplicio

Até o Tucupi 2020

O evento desta sexta-feira (20) é parte integrante das ações do Festival Até o Tucupi 2020, que completa 14 anos de realização anual ininterrupta. A data oficial será anunciada nesta sexta-feira.

O Festival trilha, no Amazonas, uma trajetória de edições que valorizam a presença humana nos espaços públicos presentes na memória do manauara.

O recente levante nas pautas de classe e raça sinaliza possibilidades em uma das mais importantes indústrias da sociedade, a da cultura e do entretenimento.

Especialmente no contexto atual, lives, contação de histórias, palhaçaria e espetáculos online levam ás famílias brasileiras o acesso ao lazer a distâncias de alguns cliques. 

Nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODs) o primeiro deles, a erradicação da pobreza, aparece ligada ao acesso também de lazer e oportunidade de crescimento. Sendo eles tão importantes quanto à educação, saúde, alimentação e segurança.

Dj Rafa Militão
Dj Rafa Militão | Foto: Renner Carneiro

Estar em construção de maneira participativa e colaborativa com o resto do país através da arte produzida aqui é estratégico para um lugar como o Amazonas, em que a pauta racial sempre foi atravessada pelos recortes identitários de sua sociodiversidade.

Articulação Nacional  

A programação conta com artistas do circuito alternativo e comercial, que desenvolvem trabalhos tanto nas comunidade em que vivem como também projetando a arte e os artistas da Amazônia em mercados competitivos.

As dimensões do racismo são refletidas em atrasos históricos atenuados com a realidade da pandemia. O Até o Tucupi, assinou em maio deste ano, o Manifesto Festivais Unidos em Tempos de Crise, proposto pela ABRAFIN (Associação Brasileira de Festivais Independentes). 

Cantora Karen Francis
Cantora Karen Francis | Foto: Anna Suav

A articulação estava relacionada ao pedido de urgência na aprovação da Lei de Emergência Cultural. O Festival Até o Tucupi de 2020 será realizado cumprindo todos os protocolos da Covid-19, realizados via Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

*Com informações da assessoria

Leia mais:

Inspiração: músicos homenageiam Manaus em canções e ritmos

Beatriz Procópio surge como promessa na música amazonense

Josué Castilho utiliza arte como reflexão sobre a Amazônia