Fonte: OpenWeather

    Transcendência


    Coreógrafo amazonense Wilson Júnior apresenta live na quinta (10)

    Na próxima quinta-feira (10) ele apresenta o espetáculo "Transcendência", contemplado pela Lei Aldir Blanc

    | Foto: Divulgação

    Manaus - Na próxima quinta-feira (10), Wilson Júnior vai apresentar o espetáculo “Transcendência”, um novo trabalho junto com o Arte Sem Fronteiras de Maracanaú, em projeto contemplado pela Lei Aldir Blanc. O espetáculo será transmitido no Facebook e pelo canal oficial no YouTube da Prefeitura de Maracanaú, devido a pandemia da Covid. Horário deve ser divulgado através das redes sociais da companhia.

    Para Wilson Júnior, é um momento de consagração para sua carreira artística. “Eu sabia que iria encontrar muitos desafios quando decidi morar no Ceará. Mas resolvi encarar tudo de cabeça erguida. Graças a Deus vem dando certo e estou feliz com os resultados. Dessa forma conseguimos o nome do Amazonas pelo Brasil”, disse. 

    Elenco 

    O espetáculo “Transcendência” vai contar com os bailarinos Pedro Victor, Bruna Souza, Ruan Gomes e Humberto Dorembergue. A produção é assinada por Johnes Paz, direção de arte feita por Laura Dourado, e a direção geral e coreografia feita por Wilson Júnior. 

    Perguntado sobre a expectativa, Wilson acredita que seja mais um desafio a ser superado na sua carreira artística. “Tudo foi feito com muito amor e carinho. Apesar dos desafios, creio que o resultado será satisfatório e mais uma vez representar o Amazonas em terras nordestinas”, conta. 

    Trabalhos 

    Após chegar em Maracanaú, Wilson Júnior ministrou a oficina Boi de Quilombo, uma forma de unir os movimentos de dança africana com o boi bumbá. Na ocasião, ele utilizou a toada “Boi de Negro”, cantada na voz de David Assayag para o Boi Caprichoso. 

    O primeiro espetáculo de Wilson Júnior em Maracanaú foi “Dança e criação, espinha do corpo ancestral”, com a toada Dança dos Tuxauas, também contemplado pela Lei Aldir Blanc.

    Ele é graduado em Dança pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e, durante 20 anos, dedica sua vida em prol da cultura popular. Wilson tem experiências como jurado em festivais na Amazônia, e soma trabalhos no Festival Folclórico de Parintins, Festival de Dança de Joinville e Festival de Dança do Amazonas, além de ter sido integrante do Balé Folclórico do Amazonas.

    Sinopse 

    Somos únicos, mas somos múltiplos em si. Somos pessoas individuais, mas somos complexas. Não dá para nos colocarmos em moldes, caixas ou perfis únicos. Através da transcendência, vamos multiplicar a ação do homem em questão de segundos, a metamorfose que abrange todas as ciências da natureza.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Premiadíssimo, curta amazonense ‘O Barco e o Rio' pode virar longa

    'É um poema visual', diz Bárbara Paz sobre o filme 'Babenco'

    Filme amazonense é selecionado para festival de cinema na Itália