Fonte: OpenWeather

    Literatura brasileira


    Centenário: escritoras comentam os mistérios de Clarice Lispector

    Um dos maiores nomes da literatura brasileira, Clarice Lispector deixou um legado que é seguido por escritoras até hoje

     

    Clarice Lispector influencia a literatura brasileira nos diversos gêneros
    Clarice Lispector influencia a literatura brasileira nos diversos gêneros | Foto: Giulliano Andrade

    Manaus - “Que mistério tem Clarice?’’, indagou o músico Caetano Veloso sobre a mulher que marcou a literatura do século XX, a brasileira naturalizada, Clarice Lispector, em uma canção. E no ano que é comemorado o centenário do nascimento da escritora, a pergunta ainda desperta muitas respostas.

    Para a professora de literatura brasileira e escritora Ana dos Santos, ela era um mistério. ‘’A presença dela sempre despertou muitas perguntas. Nenhuma resposta. A existência de Clarice era de travessia’’, argumentou.

    Myriam Scotti, escritora amazonense, define Clarice Lispector como um "gênio’’ da literatura, tornando a escrita uma grande aventura. O mistério dela, na visão de Myriam, seria a tentativa de a desvendar.

    "Quem quiser desvendar seus enigmas tem que mergulhar fundo em sua obra e chegar à conclusão de que o mistério é o que a torna genial. Talvez, não tenhamos que desvendar Clarice. Talvez, a ler seja uma grande oportunidade de desvendar a nós mesmos’’, resumiu a escritora amazonense.

     

    Clarice Lispector é a maior escritora judia desde Franz Kafka
    Clarice Lispector é a maior escritora judia desde Franz Kafka | Foto: Divulgação

    Já a leitura de Clarice Lispector para a escritora amazonense Débora Ferreira sempre trará uma nova perspectiva e um novo olhar à uma situação comum, dando os ares do mistério que tanto é comentado.

    "A impressão que você tem é de entrar em uma espécie de transe. Por trás das palavras, há algo que te faz questionar, se autoanalisar e se envolver de uma forma muito ousada’’, afirmou Débora, ‘’para mim, esse é o mistério’’.

    Viagem ao universo de Clarice

    Ucraniana que veio com a família para o Brasil e se tornou uma recifense de coração, Clarice Lispector foi alfabetizada na língua portuguesa que ela defendia e amava.

    Em 10 de dezembro de 1920, a nascida Chaya Pinkhasovna Lispector, chegava ao mundo. E mesmo 100 anos depois, a marca que ela deixou na literatura é exaltada.

    Com um coração selvagem e semelhante ao de Clarice, Ana dos Santos revela nunca ter lido nada parecido com a escrita "clariceana’’. "Clarice é única no seu estilo literário. Avessa às classificações. Porém, muitos não conseguem compreender nem se deixam levar por seu mistério’’, ponderou.

    As personagens de Clarice, em maioria, são mulheres que questionam o mundo e se questionam sobre a própria existência. Relações amorosas, paixões, família, amizades e crianças também são temas que ganhavam a atenção da escritora, o que a fez – e faz – ser muito lida por mulheres.

     

    Clarice Lispector é considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX
    Clarice Lispector é considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX | Foto: Divulgação

    Porém, são esses mesmos temas e forma de escrita que tornaram a estreia de Lispector na literatura uma ‘’surpresa’’ e "polêmica’’, conforme mencionam os manuais de literatura mais antigos.

    ‘’O fato de ser uma mulher pesou à associação de sua escrita com o mundo intimista, típico de uma ‘dona de casa entediada’ que escrevia ‘coisas de mulherzinha’, mas Clarice permaneceu firme no seu projeto estético e ideológico. Seguiu seu monólogo intimista paradoxalmente cheio de perguntas ao leitor’’, conta Ana dos Santos.

    "

    Clarice Lispector ‘se bebe’ aos poucos, como água para quem tem sede, mas não tem pressa em absorver "

    Ana dos Santos, escritora e professora de literatura brasileira

     

    Feita de adivinhações

    O primeiro contato de Myriam Scotti com Clarice Lispector ocorreu ainda na escola, em uma aula de literatura, lendo trechos de contos e ouvindo que a mulher era uma das maiores escritoras do Brasil.

    Mas, o contato com a obra em si surgiu somente na vida adulta. O encantamento pela escritora surgiu através da coletânea de contos em “Felicidade Clandestina” e, desde então, despertou a inquietação na amazonense, influenciando também, na própria escrita.

    ‘‘Engana-se quem supõe que ler Clarice seja um bálsamo. A cada página sofremos constantes incômodos e então temos a belíssima oportunidade de evoluirmos como seres humanos. É isso a literatura de Clarice Lispector’’, explicou Myriam Scotti.

    A influência de Clarice Lispector também pode ser lida nos trabalhos da amazonense Débora Ferreira. 

    "Poder expressar sentimentos de forma genuína, expressar tudo que você sente, os seus pensamentos, sem aquela restrição, com certeza são pontos em que Clarice me inspira’’, relatou Débora Ferreira.

    A autenticidade e liberdade integram, em parte, o grande legado que Clarice Lispector deixou na literatura brasileira, e Débora a vê como um símbolo importante.

     "Clarice é uma inspiração justamente por sua ousadia. De ser mulher, de você não negar os seus pensamentos, os seus sentimentos, as suas ideias, e você expressar isso com verdade’’, finalizou.

    "

    No centenário do nascimento de Clarice, muitas lacunas estão sendo preenchidas, mas nem todas serão esclarecidas, porque Clarice era uma pergunta sem resposta, Clarice era o mistério "

    Ana dos Santos, escritora e professora de literatura brasileira

     

    Leia mais:

    Conheça Maria Firmina dos Reis, primeira escritora negra do Brasil

    Nobel de Literatura 2020 tem três mulheres como favoritas

    Escritora amazonense Myriam Scotti lança o livro ‘Mulheres Chovem’

    Comentários