Fonte: OpenWeather

    Teatro


    Espetáculo 'Queimar a Casa', do Grupo Jurubebas, estreia nesta semana

    Escrita pelo ator e dramaturgo Caio Muniz, obra faz uma reflexão sobre como manter a esperança em períodos de escassez

    A proposta da performance é provocar o espectador acerca do que é possível fazer para lidar e vencer as dificuldades que surgem a partir das necessidades em momentos de crise
    A proposta da performance é provocar o espectador acerca do que é possível fazer para lidar e vencer as dificuldades que surgem a partir das necessidades em momentos de crise | Foto: Divulgação

    Manaus - O espetáculo de teatro-performance “Queimar a Casa”, do Grupo Jurubebas, estreia nesta terça-feira (22), às 20h, na sede da companhia, localizada na Rua Comandante Norberto Von Gal, 178, Bairro da Paz. A entrada no evento será gratuita. 

    Dirigida por Wellington Dias, a obra foi construída a partir da pesquisa “Ateliê dramatúrgico - processos criativos de dramaturgias contemporâneas textuais”,  do dramaturgo e ator-performer Caio Muniz – que dá vida ao personagem Douglas.

    Depois de incendiar a própria residência, um rapaz chamado Douglas procura um lugar para viver temporariamente. A partir desse processo de busca feito ao lado do pai, do irmão e da ex-namorada, e com as limitações geradas pela situação de escassez, ele se vê diante da complexidade dessas relações.

    A proposta da performance é provocar o espectador acerca do que é possível fazer para lidar e vencer as dificuldades que surgem a partir das necessidades em momentos de crise. “A encenação deixa isso em aberto para que cada um responda dentro de si. O que mais me motiva é criar uma experiência instigante e provocativa ao espectador, como uma testemunha desse ato”, pondera Muniz.

    A cenografia é composta por objetos enferrujados e queimados, além de eletrônicos domésticos, e caixas de cerveja. A trilha sonora é original, composta por Gabriel Soares, e que vai embalar a apresentação ao som de violão, gaita e flauta.

    A iluminação, refletindo a essência do fogo, possui cores quentes, que dialogam com outros tons sombreados. “Na apresentação, o corpo do ator-performer se relaciona em vários níveis e sensações com elementos da cenografia”, destaca Caio. 

    Liberdade

    A direção de arte da obra é assinada por Francisco Ricardo, vencedor de um Kikito na categoria “Melhor Direção de Arte” pelo filme “O Barco e o Rio”, no 48º Festival de Gramado. “Tenho feito o processo de cenografia e de iluminação. Tem sido interessante, porque o espetáculo é um monólogo e basicamente não existem indicações do texto sobre os objetos que compõem o cenário. A gente ficou muito livre para pensar sobre isso, dentro das emoções que o personagem passa e dentro daquilo que eu tenho percebido dentro do processo do Caio”, complementa Francisco.

    De acordo com Caio, o grupo planeja uma temporada de exibição da obra no segundo semestre de 2021, mas ainda não há data prevista. Na apresentação presencial, haverá distanciamento entre os espectadores, com uso obrigatório de máscara, número restrito de público e disponibilização de álcool em gel. 

    A apresentação de “Queimar a Casa” terá transmissão online por meio do canal no Youtube do Grupo Jurubebas. “Queimar a Casa” é um projeto contemplado pelo Prêmio Manaus de Conexões Culturais - Manauscult, por meio da Lei Aldir Blanc.

    Ficha técnica

    Dramaturgia e atuação - Caio Muniz

    Direção - Wellington Dias

    Direção de Arte - Francisco Ricardo

    Produção - Caio Muniz & Emilly Cerdeira

    Iluminação - Léo Margarido

    Trilha Original - Gabriel Soares

    Preparação corporal - Mara Pacheco

    *Com informações da assessoria

    Leia Mais:

    Espetáculo ‘Conte e Cante pra Todos’ acontece neste domingo em Manaus

    'A Caixa Mágica do Natal' promove inclusão social no Teatro Amazonas

    Manifestações artísticas inspiram exposição do fotógrafo Eduardo Gomes