Fonte: OpenWeather

    Homenagem


    Relembre trajetória de peso do vocalista do Carrapicho, Zezinho Corrêa

    Conhecido pelo hit "Tic Tic Tac", Zezinho Corrêa percorreu uma trajetória muito além da música

     

    Zezinho atuou em diversos musicais até investir na carreira de cantor
    Zezinho atuou em diversos musicais até investir na carreira de cantor | Foto: Ingrid Anne/Manauscult

    Manaus – Muito além do sucesso “Tic Tic Tac” e do tambor que batucou por todo Brasil e pelo mundo, José Maria Nunes Corrêa, conhecido internacionalmente como Zezinho Corrêa, deixou uma contribuição e um legado importante para a cultura do Amazonas.

    Natural da comunidade de Imperatriz, em Carauari, município localizado à margem esquerda do rio Juruá, no interior do estado e distante 788 quilômetros de Manaus, Zezinho Corrêa iniciou a trajetória na arte não com a música, mas sim, no teatro.  

    Antes de se descobrir como cantor, Zezinho realizou um curso de formação de atores, no Rio de Janeiro, e estudou interpretação e dança. Como ator, Zezinho Corrêa fez parte do Grupo de Teatro Experimental do Sesc.

     

    No Rock in Rio de 2017, a canção “Tic Tic Tac” foi incluída no repertório
    No Rock in Rio de 2017, a canção “Tic Tic Tac” foi incluída no repertório | Foto: Ingrid Anne/Manauscult

    Zezinho atuou em diversos musicais até investir na carreira de cantor e, em meados da década de 1980, integrou o grupo Carrapicho, junto com os músicos Roberto Bopp e Nill Cruz, que estourou na década de 1990 com o hit “Tic Tic Tac”.

    Com um repertório composto por MPB, forró e toadas de boi-bumbá, o grupo levou a palcos internacionais o hit em uma turnê pela Europa, que também lhes rendeu diversos discos de platina, chegando a vender mais de 15 milhões de discos, principalmente na França.

    No país, fizeram um show para o canal ‘Place du Trocadero’ que tinha ao fundo a Torre Eiffel, com a presença de pelo menos 300 mil pessoas.

    No Rock in Rio de 2017, a canção “Tic Tic Tac” foi incluída no repertório da banda amazonense “Tudo Pelos Ares”, como uma homenagem ao grande sucesso internacional.

    Conhecido como líder do grupo Carrapicho, ao longo da vida, Zezinho se caracterizou por ser um artista ativo, com vasta experiência na música e nas artes cênicas, e sempre demonstrando um intenso carinho com o público.

    Carreira solo

     

    Zezinho também investiu em carreira solo
    Zezinho também investiu em carreira solo | Foto: Divulgação

    Zezinho também investiu em carreira solo, produzindo projetos musicais. Entre os destaques estão a participação no musical “Boi de Pano”, durante o Festival Amazonas de Ópera de 2000; a gravação do próprio CD solo no ano de 2001, no Teatro Amazonas e a participação no musical de Natal “Ceci e a Estrela”, em 2017.

    Em 2020, Zezinho estrelou campanha do Governo do Estado em homenagem aos profissionais de saúde, que atuaram na linha de frente do combate à pandemia de Covid-19, interpretando a música “Um Novo Tempo”, de Ivan Lins, no palco do Teatro Amazonas.

    No dia 21 de dezembro de 2020, o cantor subiu ao palco do Teatro Manauara com o show "Banho de Frevo - Zezinho Corrêa canta Elba Ramalho".

    Em dezembro, o cantor participou do lançamento online do livro “Eu Quero é Tic, Tic, Tac”, escrito pelo jornalista e produtor cultural Fabrício Nunes em homenagem à carreira de Zezinho.  

    Zezinho deixa como legado seu indelével trabalho nas artes, seja na música, no teatro ou na articulação cultural, e imensas saudades para todos os fãs que o conheceram e se encantaram com a voz e a força do tambor que batia.

    Leia mais: 

    ‘Tambor se calou’: Em luto, Amazonas presta homenagem à Zezinho Corrêa

    Após luta contra Covid-19, Zezinho Correa morre aos 69 anos

    'Volta Zezinho': movimento manda energia positiva para o cantor