Fonte: OpenWeather

    Morra, Amor


    Performance teatral é exibida ao vivo e on-line nesta quinta (18)

    O espetáculo, gratuito, é uma adaptação da obra homônima da escritora argentina Ariana Harwicz

     

    O público é testemunha das confissões e consciência da personagem
    O público é testemunha das confissões e consciência da personagem | Foto: Divulgação

    A atriz Camila Nhary apresenta uma performance teatral, ao vivo e online, nesta quinta-feira (18), às 21h (horário de Brasília) da websérie on-line "Morra, Amor", adaptação do livro homônimo da escritora argentina Ariana Harwicz, com a direção de Karine Teles e de José Eduardo Limongi.

    Contemplado pela Lei Aldir Blanc, o espetáculo, gratuito, será reprisado nos dias 19, 20 e 21, no mesmo horário pelo Instagram (@morraamor) e YouTube.

    No dia 20, às 19h30, haverá uma live bate-papo com a atriz Camila Nhary e diretora Karine Teles pelas redes sociais, com participação do público. A última apresentação, no dia 21, será legendada para ser acessível a pessoas com deficiência auditiva.

    Em cena, Camila vive uma mulher que tenta se enquadrar num papel que a sociedade espera dela e se vê pesa numa vida dita “normal” na qual ela exerce com angústia o papel de mãe e de esposa.

    O público é testemunha das confissões e consciência da personagem, e acompanha o cruel fluxo de seu pensamento. ​“Morra, Amor” (Editora Instante) é o primeiro livro de Ariana Harwicz publicado no Brasil e faz parte de uma trilogia junto de “A débil mental” e “Precoz” (precoce), este último ainda sem tradução para o português.

    A escolha de não mexer muito na estrutura romanceada da obra de Harwicz é proposital, para preservar também seu aspecto literário na performance teatral.

    “A dramaturgia acompanha o que se passa na cabeça de uma mulher que está se redescobrindo após a maternidade”, conta Camila Nhary.

    “Existe uma cobrança muito cruel em cima da mulher para que cumpra o papel mãe e esposa feliz. Tudo o que fuja um pouco disso é socialmente condenado. Muitas mulheres vivem dramas psicológicos e sofrem caladas por vergonha e repressão. ‘Morra, amor’ lança um olhar sobre essa dor e abre uma possibilidade de reflexão sobre esse tema, que ainda é um tabu na sociedade”, completa.

    ​​Nessa nova versão, Camila Nhary dá continuidade à pesquisa sobre questões que envolvem o feminino e a maternidade.

    A ideia inicial era adaptar a obra para os palcos, mas, com a pandemia e o isolamento social, a atriz e o marido, o fotógrafo de cinema José Eduardo Limongi, adaptaram o projeto e gravaram a microssérie em casa. Agora, para a performance teatral, o casal aprofunda ainda mais o hibridismo entre teatro, cinema e literatura.

    “‘Morra, Amor’” está além do teatro filmado. Trata-se de um olhar cinematográfico sobre uma performance artística, baseada em um livro, realizada ao vivo com transmissão online”, explica Camila Nhary. 

    ​“Escolhi trazer uma mulher para a codireção, a Karine Teles, que é uma grande atriz do teatro e do cinema, produz e roteiriza seus filmes, é mãe, e começa a se aventurar como diretora”, conta Camila Nhary.

    Completam a ficha técnica Marcello H, que compôs a trilha sonora original, que será executada ao vivo; Tuca, que assina a direção de arte; e José Eduardo Limongi, responsável pela fotografia.

    “Não se da relação da personagem com o filho. É sobre a relação dela com ela mesma depois de uma transformação tão potente que é a maternidade. E a sociedade trata a maternidade apenas pelo lado bom. E está longe de ser assim. Todas as mães se sentem erradas ou inadequadas em algum momento, seja pelo cansaço, pelas mudanças físicas e psicológicas ou pela angústia da pressão para estar feliz o tempo inteiro”, analisa a diretora Karine Teles.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Artista recria cenas do Festival de Parintins com técnicas de colagem

    Evento on-line sobre quadrinhos valoriza produção manauara

    'O Buraco': filme amazonense levanta debate sobre violência doméstica