Fonte: OpenWeather

    Homenagem


    Caprichoso canta toadas vermelhas para homenagear Paulinho Faria

    O azul e o vermelho se encontraram para uma despedida épica de um dos maiores nomes da história do Festival de Parintins

     

    Solidariedade não tem cor
    Solidariedade não tem cor | Foto: Arleison Cruz e Pedro Coelho

    Manaus (AM) - Solidariedade não tem cor.

    O Boi Caprichoso dançou em homenagem ao ex-apresentador do Boi Garantido, Paulinho Faria, 61 anos, quando o cortejo fúnebre passou em frente ao curral Zeca Xibelão, por volta das 12h, desta terça-feira (23).

    O azul e o vermelho se encontraram para fazer uma despedida épica a um dos maiores nomes da história do Festival Folclórico de Parintins, que faleceu em Manaus, vítima de complicações da Covid-19. 

    Pela primeira vez na história, o Boi Caprichoso entoou toadas do Boi Garantido no curral Zeca Xibelão para prestar reverência a Paulinho Faria.

    O bumbá azul, com o tripa Marquinhos Azevedo, prestou condolências aos familiares do ídolo vermelho: a irmã Graça Faria, a esposa, Paula Faria, a filha Bel Faria, o sobrinho João Paulo Faria e à nação encarnada, representada pelo presidente, Antônio Andrade Barbosa. 

    As toadas foram interpretadas pelo apresentador do Caprichoso, Edmundo Oran, pelo tripa Marquinhos Azevedo, e pela levantadora de toadas, Paula Gomes. Paulinho Faria dedicou 26 anos de sua vida ao item de apresentador do Garantido.  

    O diretor artístico e conselheiro de artes do Caprichoso, Edwan Oliveira, declarou que a história de Paulinho Faria perpassa pela história do Festival Folclórico de Parintins.

     

    Para o presidente do Boi Caprichoso, Jender Lobato, a contribuição de Paulinho ultrapassa a rivalidade entre as torcidas.
    Para o presidente do Boi Caprichoso, Jender Lobato, a contribuição de Paulinho ultrapassa a rivalidade entre as torcidas. | Foto: Arleison Cruz e Pedro Coelho

    "Nada mais justo do que homenagear uma das maiores personalidades de nossa festa, era mínimo que poderíamos fazer. A nação azul e branca o admira como artista e como pessoa, um ser iluminado", pontuou. 

    Para o presidente do Boi Caprichoso, Jender Lobato, a contribuição de Paulinho ultrapassa a rivalidade entre as torcidas.

    "Ele ajudou o festival a ganhar a dinâmica de apresentação que temos hoje, alavancou a disputa entre os bumbás na arena do Bumbódromo e fez história durante todos esses anos. Merece todas as nossas homenagens", enfatizou.

    Na era da conectividade, o Boi Caprichoso, em nota de pesar no dia 22 de fevereiro, realizou um ato inédito: marcou o Boi Garantido nas redes sociais, em um sinal de respeito e carinho pelo grande artista que partiu para a eternidade.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Obra de Raiz Campos inspira nova estampa da Manart

    Escolas de samba e bandas sobre o Carnaval: ‘não há o que comemorar’