Fonte: OpenWeather

    Elementos da infância


    Rapper amazonense Ian Lecter lança videoclipe de 'Desde Cedo'

    "Desde Cedo" é uma faixa inédita do rapper amazonense e acompanha um videoclipe pincelado com diversas linguagens da arte contemporânea e urbana

     

    | Foto:

    O tom de retomada pautado nos trabalhos de hip-hop ao redor do mundo também se faz presente no lançamento de Ian Lecter, que acontece no canal do YouTube do artista nesta quinta-feira (25). "Desde Cedo" é uma faixa inédita do rapper amazonense e acompanha um videoclipe pincelado com diversas linguagens da arte contemporânea e urbana. A faixa estará disponível também nas principais plataformas de streaming. 

    A maquiagem artística de Natália Almeida, a fotografia de Isa Hansen e a arte plástica de Vank Primata são destaques neste que é um lançamento essencial para a atual e futuras gerações de jovens que buscam no rap e na criatividade não apenas fonte de renda mas também a potência de sua expressão e expansão dela para outros centros urbanos.

    Galeroso Manauara

    Presente em toda periferia, o arquétipo do galeroso manauara ganha na figura de Ian Lecter representatividade artística inédita no rap nacional. A alcunha de "O Mais Escuro do Norte" dada a ele evidencia também a responsabilidade de um artista que tem suas raízes fincadas também no bairro Nova Cidade, Zona Norte de Manaus. 

     

    | Foto: Divulgação

    Em cada região brasileira o galeroso ganha um adjetivo diferente, em São Paulo são os "crias" de favelas, em Manaus são os galerosos e é importante evidenciar que ser um galeroso é uma forma de ser e estar no mundo, Ian e sua música mostram que eles não precisam estar sempre atrelados ao crime e a marginalidade, já que essa vivência influencia sua música através da vivência e da possibilidade de construir trajetórias de um galeroso que contribui para a percepção de si mesmo que muitos garotos aprendem nas favelas.

    "Em 2019 teve uma chacina que chocou o bairro, foi a cerca de 100 metros da minha casa e isso aconteceu enquanto eu saia pra fazer show, pessoas que vi crescer bem próximo de mim, também vi indo embora dessa forma", lembra o artista se referindo a uma chacina que matou cinco integrantes de uma mesma família. A capital amazonense é a terceira do Brasil em número de homicídios, segundo o Ministério da Justiça. 

     

    | Foto: Divulgação

    "Esse é um dos pontos que me deixa inquieto e me faz querer traçar uma perspectiva diferente, encontro isso na arte, a possibilidade que meu irmão via no esporte, por exemplo", a música Desde Cedo, de Ian Lecter, fala também sobre suas perdas familiares, que iniciaram com a morte precoce de seu irmão e em seguida de sua mãe, acontecimentos que acompanham o artista e sua visão de mundo, que é retratada em suas canções. 

    Há alguns meses Ian viajou para uma temporada na maior capital da América Latina, em São Paulo, se dedica a expansão de sua música e estratégias de conexões profissionais, nesta busca encontra a maturidade lírica que é nitidamente alcançada em "Desde Cedo". 

    Clima de Pandemia

    O recurso utilizado para produção e distribuição do clipe de "Desde Cedo" veio através da Lei Emergencial de Cultura Aldir Blanc, uma política pública alcançada pelas classes artísticas do Brasil para garantir renda aos artistas que ficaram com as possibilidades de trabalho extremamente reduzidas por conta da pandemia.

    O acesso de Ian ao recurso diz bastante sobre as condições a que estão sujeitos artistas de origem "galerosa" que buscam acessar verba pública para fazer uma arte plural e que interessa a um público que não tem acesso a cultura e lazer que dialoguem com sua realidade.

    "Inscrevi o projeto desse clipe sabendo da potência que ele tinha, mas as condições eram estas: tela do celular trincada, não tenho computador ou notebook então a ideia precisava estar muito bem definida", conta Ian sobre a concepção do clipe de "Desde Cedo". 

     

    | Foto: Divulgação

    A utilização das ferramentas digitais para benefício de sua obra fez o rapper encontrar nomes como Vank Primata, que assina a arte plástica que é uma das protagonistas visuais do videoclipe.

    "Em Manaus os artistas produzem com muita garra, são trabalhos lindos e o futuro que eu vislumbro pra toda nossa cena é que cada vez mais os artistas de periferia consigam agregar outras linguagens em seus videoclipes e assim fortalecer toda uma cadeia de pessoas que vivem e se destacam por sua criatividade", explica Ian que contratou onze profissionais para o lançamento entre profissionais de vídeo, áudio, maquiagem, artes plásticas e comunicação.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Arte sustentável: amazonense cria bonecos com materiais recicláveis

    Caprichoso canta toadas vermelhas para homenagear Paulinho Faria

    Obra de Raiz Campos inspira nova estampa da Manart