Fonte: OpenWeather

    Arte regional


    Amazonas sedia Primeiro Festival Internacional de Graffiti Feminino

    Presidente Figueiredo será palco do evento de graffiti feminino, que terá como tema “O Poder da Arte na Vida das Mulheres e na Sociedade”

     

    Arte feminina em graffiti
    Arte feminina em graffiti | Foto: Divulgação

    PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM) – Com o objetivo de exaltar as mulheres da cena Hip-Hop, a primeira edição do Festival de Graffiti Feminino Yapai Waina será realizada nos dias 13, 14 e 15 de maio, na terra das cachoeiras, em Presidente Figueiredo.

    O evento está sendo organizado pelo “Graffiti Queens” e ocorrerá de forma híbrida - presencial e virtual.


    A etapa presencial se caracteriza pela pintura de um muro no túnel Galeria Zé Amador, que abrange duas estradas na entrada de Presidente Figueiredo.

    Segundo uma das organizadoras do evento, a amazonense Sarah Ferreira, conhecida como Chermie, o local foi escolhido por hospedar diversos movimentos culturais do município, além de ajudar a descentralizar as ações artísticas no Amazonas.

     

    | Foto: Divulgação

      “O Festival vai contribuir para deixar o espaço mais colorido e com cor, tanto para a cidade quanto para os viajantes que utilizam o túnel”, disse.  

    Várias artistas, inclusive estrangeiras, irão participar do evento. Representantes da Venezuela, São Paulo, Ceará, Piauí, Acre, Amazonas, Brasília, Rondônia e outros estados marcam presença na pintura do mural.

    A programação on-line conta com mesa de abertura, debatendo o tema “O Poder da Arte na Vida das Mulheres e na Sociedade”, além de apresentações culturais.

    “Uma metade on-line será a abertura e as apresentações de artistas locais. Já o graffiti, que é uma coisa totalmente física, é a única atividade que será realizada de forma presencial, junto com oficinas de graffiti que vão acontecer para as crianças em Presidente Figueiredo”, contou Chermie.

     

    | Foto: Divulgação

    Conforme a organizadora, a ideia de realizar o festival surgiu pela necessidade de fazer um evento feminino em Manaus, já que a capital não recebe algo nesse estilo há mais de 10 anos.

    “É importante ter outro evento feminino em Manaus, ainda mais de porte internacional, pois o estado do Amazonas é o maior polo de graffiti da região Norte”, enfatizou a grafiteira.

    Também organizadora do evento, Kina Kokama reforçou a importância do festival. “É uma perspectiva diferente, totalmente necessária para a cultura do Norte. Somos ricos em ambos os aspectos culturais, como cultura indígena e cultura Hip Hop e a junção dessas duas culturas, vem para fomentar e fortalecer a visão da mulher nortista e indígena”.

    Raízes Kokama


    O nome Yapai Waina, que nomeia o evento, significa na língua indígena Kokama, “levanta mulher”. Segundo Kina Kokama, essa é a visão que pretende levar ao encontro.

     

    | Foto: Divulgação

      “É aquela visão de ninguém soltar a não de ninguém. Como nunca esperado, o festival vem trazendo e mostrando o poder da mulher diante da sociedade, toda a bravura em fazer acontecer suas vontades e se posicionar em suas lutas em busca de igualdade e direitos sobre si mesma”, disse.  

    Ambas as organizadoras possuem raízes Kokama e buscaram enaltecer os povos indígenas com a nomeação. Chermie busca também se inspirar nessas temáticas nos trabalhos artísticos.

    “É uma forma de valorizar nosso povo, nossa cultura e acabar com o preconceito contra indígenas”, finalizou.

    O evento foi contemplado pelo Programa Cultura Criativa – Lei Aldir Blanc, promovido pelo Governo do Estado do Amazonas.


    Leia mais:

    Obra de Raiz Campos inspira nova estampa da Manart

    Documentário sobre grafite manauara ganha teaser de lançamento

    Arte no reservatório: mural colaborativo é lançado em Manaus