Fonte: OpenWeather

    Manaus Hot City


    Curta amazonense é candidato para maior prêmio de cinema nacional

    O “Grande Prêmio do Cinema Brasil” já entregou troféus a filmes como Bicho de Sete Cabeças, Bacurau e Cidade de Deus

     

    O prêmio é o mais importante do cinema brasileiro
    O prêmio é o mais importante do cinema brasileiro | Foto: Divulgação

    MANAUS - O filme amazonense Manaus Hot City é um dos selecionados para compor a lista de candidatos na categoria de Melhor Curta-Metragem, no “Grande Prêmio do Cinema Brasil”.

    O prêmio é o mais importante do cinema brasileiro, outorgado anualmente pela Academia Brasileira de Cinema, e tem a finalidade de premiar os melhores filmes e condecorar a excelência dos melhores profissionais em cada uma das diversas especialidades do setor.

    O anúncio foi feito nesta quinta-feira (22), no site da Academia Brasileira de Cinema. O curta concorre com grandes produções do Brasil no ano de 2020, como Inabitável, Egum e a Barca. 

    “Fico muito feliz que mesmo em um ano tão difícil como foi 2020 e como está sendo 2021, o cinema está se reinventando e alcançando tantos espaços, e por isso é uma grande satisfação que pessoas de várias regiões e, até fora do país consigam ter acesso ao filme, sem contar a felicidade de ter o curta ganhando destaque nacional em diversos festivais”, explica Rafael Ramos.

     


    Cenário amazonense

    Gravado em ambientes muito conhecidos pelos manauaras, como a Balsa Amarela, a Feira Manaus Moderna e Praia de Açutuba, o filme foi produzido com baixo orçamento e ainda sim, em 2020, o Manaus Hot City levou o cinema amazonense para diversas partes do país, onde integrou festivais tradicionais como o Kinoforum, Vitória, Cine PE e o Festival Curta Cinema 2020. 

    “Manaus Hot City é um filme totalmente independente, feito por uma equipe pequena, que agregou muito valor à vivência de cada um no projeto. Acredito que isso foi a maior potência do filme, e o que fez ele se destacar mesmo com poucos recursos. Fazer cinema hoje pra mim tem a ver com isso, conhecer as pessoas com quem produzo, saber o que motiva cada um deles. O processo é muito mais importante que o resultado”, finaliza Ramos.

     


    Dirigido por Rafael Ramos e estrelado por Maria do Rio, Franklin Kitzinger e Vanessa Moraes, o filme de 15 minutos conta a história de dois amigos que se encontram para comer um peixe bodó. A conversa entre eles percorre as cores e os cheiros das casas, no calor da cidade. 

    Exibição 


    O prêmio ainda não possui data definida para acontecer, porém os concorrentes podem ser acessados através do link.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Filme amazonense é selecionado para festival de cinema em Rondônia

    Curta amazonense é selecionado para Mostra de Cinema Negro em Sergipe

    'A Última Floresta', longa amazonense chega a festivais internacionais