Fonte: OpenWeather

    Traços culturais


    Casas indígenas vão integrar projeto de resgate cultural em Manaus

    A Casa dos Fazeres terá um papel para fomentar negócios, empreendedorismo e resgatar traços culturais dos povos a partir do artesanato

     

    Uma reunião realizada na segunda-feira, 24/5, no Palácio Rio Branco, no Centro, serviu para alinhar entendimentos, perspectivas e a busca pelo resgate da memória histórica e ancestral
    Uma reunião realizada na segunda-feira, 24/5, no Palácio Rio Branco, no Centro, serviu para alinhar entendimentos, perspectivas e a busca pelo resgate da memória histórica e ancestral | Foto: Divulgação / Implurb e Manauscult

    Manaus (AM) - No chamado marco zero da capital, no Centro Histórico e na praça Dom Pedro II, o prefeito David Almeida reconheceu os povos indígenas como os primeiros moradores de Manaus, às margens do rio Negro.

    E para dar uma maior representatividade para esses povos, a Prefeitura de Manaus está elaborando, em parceria com comissões indígenas, mais uma grande ação de revitalização da área com o projeto “Nosso Centro”, com a criação das Casa dos Saberes e Casa dos Fazeres, no entorno da praça, fazendo resgate ancestral, cultural e gastronômico nos espaços.

    Uma reunião realizada na segunda-feira, 24/5, no Palácio Rio Branco, no Centro, serviu para alinhar entendimentos, perspectivas e a busca pelo resgate da memória histórica e ancestral.

    A iniciativa faz parte de uma ação compartilhada entre a Coordenação dos Povos Indígenas de Manaus e Entorno (Copime) e Comissão Indígena, e Prefeitura de Manaus, via Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Fundação de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e Conselho Municipal de Cultura (Concultura).

    A Casa dos Fazeres terá um papel para fomentar negócios, empreendedorismo e resgatar traços culturais dos povos a partir do artesanato, sendo ainda palco para realização de oficinas e eventos.

    A Casa dos Saberes será mais dedicada ao conhecimento tradicional, à medicina e à importância das ervas e atendimento por pajés, por exemplo.

    "

    A Casa dos Fazeres terá espaço para os artesãos confeccionarem seus produtos e venderem diretamente a turistas. A Casa dos Saberes será usada para a medicina tradicional, utilizada por pajés, parteiras e pelos benzedores. É um importante passo para se conhecer mais a nossa cidade, nossos povos e lugares sagrados. Manaus nasceu dos povos indígenas e esse reconhecimento é especial para nossa ancestralidade. "

    Ludimar Kokama, da Copime

    Eixos

    “Três eixos fundamentais compõem o projeto “Nosso Centro”: o “Mais Vida”, “Mais Negócios” e “Mais História”.

    Dentro deste contexto, a proposta da Comissão Indígena de criar as casas está totalmente integrada ao projeto que resgata os traços culturais da cidade, potencializando as atividades econômicas dos povos indígenas, como o artesanato, a gastronomia, ervas medicinais, toda a temática”, explicou o diretor-presidente do Implurb, engenheiro Carlos Valente.

    A reunião serviu para alinhar pontos de ação, estratégias e definir o compromisso já firmado pelo prefeito David Almeida com o reconhecimento dos povos indígenas.

    O amplo projeto “Nosso Centro” será apresentado nos próximos meses, estando na fase de tratativas técnicas, desenhos arquitetônicos e alinhamento institucional.

    "

    Nossas essências, quando falamos de culinária amazonense, pensamos num pato no tucupi, uma caldeirada. Nosso registro gastronômico é eminentemente indígena. Grandes chefs, internacionais inclusive, utilizam esses ingredientes como o novo caminho para as Índias em termos de especiarias para dar o diferencial. Levam tucupi, jambu, cumaru. São ingredientes e princípios indígenas presentes em frutas, raízes e condimentos. Precisamos aprender a valorizar, resgatar e não perder essa memória real. "

    engenheiro Carlos Valente, diretor-presidente do Implurb

     

    Para Valente, é essencial a participação das representações indígenas para assegurar o resgate histórico e a legitimidade do empoderamento das matizes dos povos.

    Cultura

    Desde o início do ano, a Manauscult e Concultura vêm realizando uma série de encontros e intervenções com representantes e vozes indígenas da capital. Visitas técnicas in loco também ajudaram a definir estratégias de ações e processos de ocupação para o Centro Histórico e sua revitalização, com foco em empreendedorismo cultural, artes, gastronomia, eventos e turismo.

    "

    A reurbanização do Centro Histórico passa por todo o processo de modernização, sem esquecer o conhecimento tradicional, onde se entende a Ilha de São Vicente. Estabelecemos então o Distrito da Indústria Criativa, com todos os polos e setores inseridos na cadeia produtiva. "

    Alonso Oliveira, diretor-presidente da Manauscult

     

    Para Alonso, a Casa dos Saberes e a Casa dos Fazeres integram o fruto de um diálogo promovido nos últimos três meses com os povos.

    "

    Essas duas casas certamente estarão revolucionando esse segmento que vinha sendo excluído da sociedade. O prefeito chegou a pedir perdão publicamente por esse hiato de 350 anos, demonstrando claramente o compromisso com nossa memória ancestral indígena. "

    Alonso Oliveira, diretor-presidente da Manauscult

     

    Comissão

    A Comissão Indígena foi formada para a criação do Memorial Aldeia da Memória Indígena reconhecida e inaugurada pelo prefeito David Almeida no último dia 19 de abril, onde está a praça Dom Pedro II, área do cemitério ancestral, considerada território sagrado, há muito reivindicado pelos povos.

    A comissão é formada pela Copime, Centro de medicina indígena Bashserikowi, uma associação do Alto Rio Negro, e algumas lideranças de vários bairros de Manaus, todos ligados à coordenação.

    "

    O resgate da ancestralidade é um ato de grande valor histórico e impacto econômico para o turismo cultural. "

    Tenório Telles, presidente do Concultura

     

    Memória

    No dia 19 de abril, a Prefeitura de Manaus inaugurou, na Praça Dom Pedro II, via projeto da Manauscult, no marco zero da capital, a Aldeia da Memória Indígena.

    Além do memorial, foi entregue um mural de 34 metros, pintado pelo artista Fábio Ortiz, representando o mapa das calhas dos rios, o guerreiro Ajuricaba, os manaós e o cemitério indígena na visão do colonizador.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Veja lista de trabalhadores da cultura que podem receber auxílio no AM

    Portal da Cultura oferece serviços para classe artística no Amazonas

    Sem visitas, Museu da Amazônia corre risco de fechar as portas