Fonte: OpenWeather

    Festival de Veneza


    Filme de Bárbara Paz é selecionado para o Festival de Veneza

    O filme é estrelado pro Alessandra Maestrini e Eduardo Moreira

     

    | Foto: Reprodução/Instagram

    Depois de conquistar o Leão de Melhor Documentário no Festival de Veneza de 2019, a atriz e diretora Bárbara Paz está de volta ao evento. Dessa vez, Bárbara dirige o curta “Ato”, estrelado por Alessandra Maestrini e Eduardo Moreira. O filme foi selecionado para a seleção Orizzonti Short Films. 

    O filme se passa em um mundo suspenso e solitário, onde Dante se encontra em um processo de travessia. Sua única companhia: Ava - uma profissional do afeto”. “Ato” é produzido pela Rubim Produções e BP Filmes. Tatyana Rubim e Bárbara Paz assinam a produção. Cao Guimarães (“O homem das multidões”) assina o roteiro e a montagem fica a cargo de Renato Vallone (“Cinema Novo”). Azul Serra (“Ninguém Tá Olhando”) assina a direção de fotografia. 

    “Em um mundo onde a solidão foi a maior protagonista, com palcos vazios   e o medo constante da morte. O afeto é o Ato, a fuga, o desejo fundamental da sobrevivência.”, comenta a diretora Bárbara Paz. E, ainda complementa: “É um honra tão grande voltar ao grande Festival de Veneza com meu primeiro filme de ficção. Um pequeno ATO de silêncio e solidão”.  

    “Em um mundo onde a solidão foi a maior protagonista, com palcos vazios   e o medo constante da morte. O afeto é o Ato, a fuga, o desejo fundamental da sobrevivência.”, comenta a diretora Bárbara Paz. E, ainda complementa: “É um honra tão grande voltar ao grande Festival de Veneza com meu primeiro filme de ficção. Um pequeno ATO de silêncio e solidão. Como diria Tartovsky: ‘“A função atribuída à arte não é, como frequentemente se presume, apresentar ideias, propagar pensamentos, servir de exemplo. O objetivo da arte é preparar a pessoa para a morte, arar e fustigar sua alma, tornando-a capaz de se voltar para o bem.’”. 

    “Ato estar presente no Festival de Veneza representa, neste momento tão adverso mundialmente, a força da arte e da cultura e a capacidade do diálogo existente entre o teatro e o audiovisual”, destaca a produtora Tatyana Rubim. 

    Sobre a diretora 

    Bárbara Paz, nasceu em Campo Bom, Rio Grande do Sul, Brasil, é diretora e produtora e tem também uma extensa carreira como atriz. Em 2019 seu primeiro documentário BABENCO - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou ganhou o Leão de Melhor Documentário (Venice Classics) no 76º Festival Internacional de Cinema de Veneza. O filme também ganhou prêmios de melhor documentário no MIFF (Índia), FICVINÃ (Chile) e GZDOC (China). Também foi a seleção oficial do Brasil para o Oscar de melhor filme estrangeiro (93rd. Academy Awards). 

    Sobre a Rubim Produções

    A Rubim Produções é uma produtora que atua no mercado brasileiro, desde 2000, como produtora de eventos culturais e corporativos. Possui busca constante por inovações. Na área da cultura, é especializada em artes cênicas, tendo como carro-chefe o Festival Teatro em Movimento, que está em sua 20ª edição; e o TeatroEmMov Digital, que realizou o primeiro curso de teatro digital do Brasil (2020), sendo uma plataforma web que pesquisa, produz e une narrativas do teatro, do audiovisual e dos games; ambos idealizado por sua diretora Tatyana Rubim.

    Também trabalha com projetos que visam a descentralização cultural e a circulação de espetáculos, em âmbito nacional e internacional, por meio do audiovisual e da literatura. Ao longo de sua trajetória,  manteve um repertório diversificado em produções artísticas.

    Produziu filmes, shows, festivais (gastronômicos, literários e de cinema), montagem e circulação operística, além de exposições. No campo da internacionalização acho que é falar que é uma empresa que busca o diálogo entre linguagens , no ambiente nacional e internacional. Pioneira na elaboração do primeiro curso digital durante a pandemia. 

      Leia mais: 

    'É um poema visual', diz Bárbara Paz sobre o filme 'Babenco'

    Quem leva o prêmio de Melhor Atriz no Oscar 2021?

    Filme sobre a ditadura militar na Argentina estreia em Manaus