Fonte: OpenWeather

    Curta-metragem


    Curta amazonense é destaque em festivais na Turquia e Suécia

    Com 22 minutos de duração, "Terra Nova" é composto pela mesma equipe que realizou o filme anterior de Bauer: "Enterrado no Quintal"

     

    Com 22 minutos de duração, Terra Nova é composto pela mesma equipe que realizou o filme anterior de Bauer, Enterrado no Quintal
    Com 22 minutos de duração, Terra Nova é composto pela mesma equipe que realizou o filme anterior de Bauer, Enterrado no Quintal | Foto: Larissa Martins

    Manaus (AM)- O curta-metragem Terra Nova, dirigido por Diego Bauer, fez parte da seleção mensal de julho de dois festivais europeus: ganhou prêmio de melhor filme estrangeiro no Istambul Film Awards, na Turquia, e seleção do mês no Lulea Film Festival, na Suécia.

    As seleções marcam o início da trajetória do filme em festivais internacionais.

    Realizado pela "Artrupe" entre novembro e dezembro de 2020, o filme conta a história de Karoline, uma atriz de teatro que, em abril de 2020, vai a uma agência da Caixa solicitar o seu auxílio emergencial.

    O projeto foi contemplado pela lei Aldir Blanc através do edital de Conexões Culturais da Manauscult e Governo Federal.

    "

    É sempre um motivo de satisfação ser selecionado para festivais pois filmes são feitos para serem vistos, e quanto mais longe eles chegam, mais se cumpriu o objetivo do projeto. Terra Nova é inspirado numa estética europeia de cinema, em filmes que tratam sobre os dramas de pessoas comuns em períodos conturbados social e economicamente, então iniciar a trajetória em festivais europeus é um motivo de empolgação pelo que isso pode representar de visibilidade, mas também um reconhecimento do que nos inspirou para chegarmos ao resultado final "

    Diego Baue, diretor do curta

     

    Com 22 minutos de duração, Terra Nova é composto pela mesma equipe que realizou o filme anterior de Bauer, Enterrado no Quintal, e tem como tema a condição de ser artista em Manaus dentro do contexto de crise econômica e pandemia.

     

    O projeto foi contemplado pela lei Aldir Blanc através do edital de Conexões Culturais da Manauscult
    O projeto foi contemplado pela lei Aldir Blanc através do edital de Conexões Culturais da Manauscult | Foto: Larissa Martins


    “Toda a equipe do filme tem em comum o drama da Karoline, pois todos se viram sem perspectiva de emprego, e descredibilizados por um momento do país em que ele vira as costas a sua cultura, e trata o artista como vilão. Sem dúvida é um filme que tem a fúria como elemento importante, por sabermos que não precisaríamos passar por este momento com tanta sabotagem deliberada. Poder realizar o filme com uma equipe formada por artistas com anos de carreira é um privilégio, e também um posicionamento político”, finaliza Bauer.

    FICHA TÉCNICA

    Roteiro e Direção: Diego Bauer

    Elenco: Karol Medeiros, Isabela Catão, Diego Bauer, Ítalo Almeida

    (vozes de) Ana Carolina Souza; Glória Vieira; Izabela Garcia

    Produção Executiva: Diego Bauer

    Produção: Ítalo Almeida

    Direção de Fotografia: César Nogueira

    Montagem: Eduardo Resing

    Preparação de Elenco: Viviane Palandi

    Trilha Sonora Original: Pablo Araújo

    Som Direto: Heverson Batista

    Edição e Mixagem de som: Lucas Coelho

    Direção de Arte: Francisco Ricardo

    Figurino e Maquiagem: Paulo Oberdan

    Correção de Cor: João Gabriel Riveres

    Assistentes de Direção: Sofia Sahakian; Diego Leo

    Assistente de Fotografia: Robert Coelho; Naila Fernandes

    Assistente de Arte: Ana Carolina Souza

    Maquinaria: Evandro Repolho

    Still: Larissa Marins

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Festival de cinema inicia no Norte

    Festival online reúne filmes que retratam periferias do país