Fonte: OpenWeather

    Acessibilidade na cultura


    Espetáculos sobre acessibilidade são apresentados em Festival nacional

    A obra desta semana fala sobre o olhar como via de acesso; porta de entrada e saída de significados

     

    A programação gratuita teve início em junho e vai até o final de outubro, com a publicação dos 25 projetos contemplados
    A programação gratuita teve início em junho e vai até o final de outubro, com a publicação dos 25 projetos contemplados | Foto: Companhia Giradança

    A Fundação Nacional de Artes lança nesta quarta-feira (8), às 20h, o espetáculo Proibido Elefantes, do Rio Grande do Norte.

    A montagem, da Companhia Gira Dança, encerra a terceira fase do Festival Funarte Acessibilidança, que tem sete espetáculos da Região Nordeste. Segundo a companhia, proporcionar acesso do público em geral a uma montagem como Proibido Elefantes é colocar a sociedade em frente a um espelho.

    As sessões do Festival Funarte Acessibilidança, em vídeos com audiodescrição e Libras, ficam disponíveis no canal da Funarte no YouTube (bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca) logo após o lançamento. A programação gratuita teve início em junho e vai até o final de outubro, com a publicação dos 25 projetos contemplados.

    A obra desta semana fala sobre o olhar como via de acesso; porta de entrada e saída de significados.

    “O modo como percebemos a realidade é resultante do diálogo que estabelecemos com ela. Nosso olhar é constituído pela realidade, assim como a realidade é constituída pelo nosso olhar — a construção do sentido transita em via de mão dupla. O olhar enquanto apreensão subjetiva do mundo é, neste trabalho, apontado como elemento potencializador do sujeito diante dele”, frisa o coletivo.

    Proibido Elefantes tem concepção, direção geral e coreografia assinadas por Clébio Oliveira, e a direção artística fica a cargo de Alexandre Américo. O vídeo da montagem tem 55 minutos de duração e é indicado a maiores de 16 anos.

    Sobre a Cia. Gira Dança

    Companhia de dança contemporânea, formada por bailarinos com e sem deficiência, a Gira Dança tem como proposta artística ampliar o universo da dança por meio de uma linguagem própria, voltada para o conceito do corpo como ferramenta de experiências.

    O coletivo busca instigar nos espectadores a discussão sobre os limites do corpo, rompendo preconceitos e limites preestabelecidos, com foco nas relações entre corpos com e sem deficiência. Com sede em Natal, no Rio Grande do Norte, a Gira Dança foi fundada em 2005, pelos artistas da dança Anderson Leão e Roberto Morais. O grupo desenvolve ações sociais como palestras e oficinas em instituições de ensino e organizações.

    O Festival Funarte Acessibilidança, em estreia na instituição, foi criado a partir das ações do Prêmio Festival Funarte Acessibilidança Virtual 2020. No concurso público, foram premiados 25 projetos de vídeos de espetáculos, que promovem o acesso de todas as pessoas à arte.

    O coordenador de Dança da entidade, Fabiano Carneiro, destaca a importância de se levar essa linguagem artística à população, durante o período de distanciamento social.

    "

    Estamos estreando o Festival Funarte Acessibilidança, um projeto inédito com foco na acessibilidade e na inclusão. Ao longo dos próximos meses, serão apresentados espetáculos de dança das cinco regiões do Brasil, plenamente acessíveis ao público, contemplando uma enorme diversidade na sua programação "

    Fabiano Carneiro, coordenador de Dança da entidade

     

    Festival Funarte Acessibilidança

    Acesso gratuito, no canal: bit.ly/FunarteYouTubeFestivalAcessibiliDanca

    Com audiodescrição e Libras

    Espetáculo Proibido Elefantes, da Companhia Giradança (Rio Grande do Norte)- Dia 8 de setembro, quarta-feira, às 20h

    - Classificação indicativa: 16 anos

    - Duração: 55 minutos

    Ficha técnica: 

    Concepção, coreografia e direção: Clébio Oliveira / Direção artística: Alexandre Américo / Assistente de coreografia: Álvaro Dantas / Bailarinos e criação: Álvaro Dantas, Jania Santos, Joselma Soares, Marconi Araújo, Iego José e Ana Vieira / Produção executiva: Celso Filho /Trilha sonora original: Toni Gregório / Figurino: Loris Haas / Colaboração: Daniela Fusaro / Design de luz: Ronaldo Costa / Operação de luz: David Costa.

    Agenda dos contemplados das demais regiões

    Região Centro-Oeste - Dia 15 de setembro

    Região Sudeste - Dia 13 de outubro

    Região Norte (espetáculos já disponíveis): Lua de Mel, da Cia. Lamira Artes Cênicas (TO); Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (RO); e Solatium, do Corpo de Dança do Amazonas (AM)

    Região Sul (espetáculos já disponíveis): Flamenco Imaginário, da Cia. Del Puerto (RS); Convite ao Olhar, da Cia. de Dança Lápis de Seda (SC); e Do Avesso, do Grupo Nó Movimento em Rede (PR)

    Região Nordeste (espetáculos já disponíveis): Estado de Apneia, do Grupo Movidos Dança Contemporânea (RN); Ensaio sobre o Silêncio, da coreógrafa Taciana Gomes (PE); Maré - Versão virtual e acessível, do Coletivo CIDA (RN); Rio sem Margem (BA), do bailarino Elísio Pitta; Plenitude, da Cia. Dança Eficiente (PI); e Ah, se eu fosse Marilyn!, do coreógrafo Edu O. (BA).

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Transmissões do Festival Amazonas de Ópera oferecem acessibilidade

    Projeto em Manaus proporciona esporte acessível para PCDs