Fonte: OpenWeather

    Premiação


    Filme do AM é destaque na cerimônia de premiação do "Cine Alter"

    "A Benzedeira" levou os prêmios de melhor curta-metragem (Júri Técnico e Júri Popular), além do prêmio de melhor atriz, concedido à Rosa Malagueta

     

    | Foto: Elyton Pereira

    Manaus (AM) - Protagonizado pela atriz Rosa Malagueta, com roteiro e direção de Wallace Abreu, o curta-metragem "A Benzedeira", da Cacique Produções, foi o grande destaque da cerimônia de premiação do Festival de Cinema Latino-Americano de Alter do Chão, realizada na noite desta terça-feira (23), em Santarém, no Pará.

    A produção amazonense levou os prêmios de Melhor Curta e Melhor Atriz (Rosa Malagueta), além do prêmio de Melhor Curta Júri Popular, sendo a produção mais premiada da noite.

    O filme narra a história de Dona Luiza Pereira, uma benzedeira que é impedida pela justiça de pôr em prática seus conhecimentos religiosos/medicinais, com a utilização de orações e ervas, que visam oferecer a cura aos males do corpo e do espírito, após solicitação feita por uma associação de médicos.

    "Eu e toda a equipe do filme estamos bastante felizes com esses destaques. 'A Benzedeira' é uma das produções do cinema amazonense que circulou bastante durante esse ano, entre as mostras e festivais de cinema nacionais e internacionais, e a gente fecha o ano sendo agraciados com esses prêmios, que para nós são como símbolos de reconhecimento do trabalho que desenvolvemos, mesmo diante de todas as dificuldades impostas pelo período pandêmico que atravessamos",  destaca Abreu.

    Premiada 

    Bastante conhecida por seu trabalho no teatro, no cinema e na televisão, a experiente atriz Rosa Malagueta, protagonista do filme, ressalta que a obra, mesmo que ficcional, propõe um recorte social e antropológico importante sobre a prática do benzimento na região amazônica, e que sua personagem no filme, foi inspirada em sua avó, Dona Neuza, que era benzedeira na Praça 14, tradicional bairro da capital amazonense.

    "Essa é uma obra muito especial para mim. Quando o Wallace me fez o convite para participar dessa produção e lemos pela primeira vez o roteiro juntos, eu fiquei muito emocionada, porque além da sua força e de sua relevância para o cinema amazonense, percebi neste trabalho a oportunidade de homenagear a minha avó, que era uma benzedeira, e que ajudou muitas pessoas em vida, com os conhecimentos que tinha sobre o poder das ervas e das orações", disse a atriz.

     

    | Foto: Rogério Campos

    "É importante homenagearmos essas mulheres, que são figuras muito importantes dentro da nossa cultura amazônica e, de certa forma, deixarmos essa memória sobre tal prática, já que é cada vez mais difícil encontrarmos benzedeiras, principalmente nos grandes centros urbanos", completa.

    O filme, produzido com recursos oriundos da Lei Aldir Blanc, por meio de projeto aprovado no Prêmio Conexões Culturais 2020, conta ainda com produção de Rafaela Martins, assistência de produção de Roger Martins, direção de fotografia de Rogério Campos, direção de som de Heverson Batista (Batata), direção de arte de Elyton Pereira e Wallace Abreu, montagem e finalização de Dinho Braga, maquiagem e caracterização de Sidney Maciel, figurinos de Wallace Abreu e Rosa Malagueta,  design gráfico de Omã Freire, tendo ainda no elenco outros importantes nomes da cena local, como Paulo Altalegre, Hely Pinto, Jôce Mendes, Márcia Vinagre, Tony Ferreira, Eduardo Gomes, Juliana Malveira, Milyanne Thaumaturgo e Joca Margarido.

    O diretor pontua ainda que, por vários anos, a Amazônia foi utilizada por cineastas de fora, que chegavam aqui com suas visões externas e particulares sobre o território que habitamos, e que agora produtores audiovisuais locais têm tido a consciência de tomar para si essa "responsabilidade", de construir narrativas originais, que falam sobre nossa região com mais propriedade.

    "Somos amazônidas. O mundo vive de olhos voltados para cá. Nada melhor do que nós mesmos apresentarmos as riquezas físicas e imateriais que temos, por meio de nossas produções. E com 'A Benzedeira' buscamos isso. É um processo cheio de 'amazônias', não só sobre a fauna e a flora, mas sobre nós, pessoas que aqui estamos", finaliza Abreu.

    Nova exibição

    O curta-metragem "A Benzedeira" participa ainda neste mês da Mostra Híbrida Internacional de Cinema, que acontece de 28 de novembro a 04 de dezembro, em Pelotas, no Rio Grande do Sul.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Produção do AM conquista prêmio de Melhor Curta-Metragem Brasileiro

    Cine Casarão promove sessões especiais de Halloween com estreias

    Documentário que traz artistas indígenas e quilombolas é lançado