Fonte: OpenWeather

    LANÇAMENTO


    Obra “Vidas Que Falam 2” reúne autores que discutem questões do AM

    Organizada pelo economista José Ricardo Wendling e pela jornalista Cristiane Silveira, a obra reúne quase 40 autores e será lançado na próxima segunda (6)

     

    O Livro será lançado na próxima segunda (6)
    O Livro será lançado na próxima segunda (6) | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Promotores dos direitos humanos, da justiça e da paz. Vidas que transformam realidades no Estado do Amazonas, em defesa de melhorias nas políticas públicas, na educação, na saúde, na moradia, no meio ambiente e no saneamento, na luta pelos direitos de crianças, de jovens, de mulheres, de idosos, dos lgbts, dos indígenas, dos negros, em prol de um mundo mais justo e solidário.

    Contar essas histórias de vida e de luta, como forma de reconhecer e homenagear 33 homens e mulheres, é a proposta do Livro Vidas Que Falam 2, que será lançado na próxima segunda (6), no Centro de Formação Maromba, na Chapada, Zona Centro-Sul, e com transmissão pelas redes sociais, devido às limitações de distanciamento por conta da pandemia.

      Organizada pelo economista José Ricardo Wendling e pela jornalista Cristiane Silveira, a obra reúne quase 40 autores, que aceitaram o convite e o desafio de relatar em forma de textos o testemunho e a história de personalidades exemplos de ações pela coletividade, seja na atuação política, religiosa, movimentos sociais e no real sentido da luta por direitos humanos.  

    "

    São histórias de pessoas que entendem a solidariedade, a perseverança, os ideais de vida e o respeito à dignidade humana como missões de cada um, em um mundo marcado pelo individualismo e pelas ‘espertezas’. É possível ir além da obrigação profissional e técnica. Tem o humano, o próximo, a possibilidade de algo melhor e transformador. "

    José Ricardo Wendling, economista

     

    José Ricardo ressaltou que a segunda edição do Vidas Que Falam tem proposta semelhante à obra publicada em 2018, mas como sinônimo de esperança diante do momento atual, de constantes ameaças aos direitos fundamentais.

    Para a jornalista Cristiane Silveira, essa publicação mostra que mesmo ações individuais se somam numa grande ação para o bem-estar de todos.

    São os pequenos e mais sinceros atos de amor pelo próximo ajudam a transformar as mais diferentes vidas humanas.

    "

    É amor que transforma. Estou muito feliz pela conclusão de mais esse projeto, que abracei junto com José Ricardo, desde a primeira edição. Esperamos que possa continuar inspirando as pessoas, sobretudo, os nossos jovens. "

    Cristiane Silveira, jornalista

     

    Disse ela, reforçando que, sobretudo, Manaus e o Amazonas, que tanto sofreram e sofrem as consequências da pandemia de Covid-19 nos anos de 2020 e 2021, necessitam de esperança e de histórias exitosas de boas-novas e de vida.

    Dentre os convidados para esse lançamento, além dos homenageados, autores e alguns convidados, destacam-se: arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Leonardo Steiner; jornalista e uma das autoras do livro e do texto de apresentação, Ivânia Vieira; representante da Livraria Valer, além de alguns representantes de movimentos e entidades sociais.

    Quem são os homenageados

    O livro conta a história de 18 mulheres e 15 homens, são eles: Amanda Cristina (na defesa das crianças e dos adolescentes); Padre Alberto Panichella (formador do povo e dos jovens da periferia); Denise Kassama (economista e fundadora dos Amigos do Papai Noel); Cida Aripória (das causas indígenas, das mulheres e do Hip-Hop); Dom Luiz Soares Vieira (arcebispo Emérito de Manaus, preocupado com a fome e os mais pobres); Dalila Evangelista (nas políticas públicas, direitos das crianças e dos excluídos); J. Rosha (jornalista atuante nos sindicatos e na defesa dos povos indígenas); Magaly Araújo (do Lar Batista Janell Doyle); e Nestor Nascimento (dos movimentos sociais-políticos-partidários).

    O Vidas que Falam 2 também retrata a atuação de outras pessoas do Amazonas, como: Maria da Fé (pela moradia digna ao povo de Parintins); Dom Alcimar (evangelizador no Alto Solimões); Marcivana Sateré (pelos direitos dos povos indígenas); Waldemir José (ex-vereador, na busca por melhoria nas políticas públicas); Margarida Campos (em defesa da enfermagem no Amazonas); Antônio Levino (médico, militante político e considerado revolucionário); além de Irineide Lima e Suelen Ramos (do Movimento dos Catadores no Amazonas), Dom Sérgio Castriani (arcebispo Emérito de Manaus, profeta e missionário de Deus); e Nazaré Corrêa (professora, em defesa e valorização do magistério e das mulheres).

    E mais: Osvaldo Coelho (filósofo, professor e advogado, legado em defesa da educação pública); Neila Gomes (do Movimento Nacional de Luta por Moradia); Padre Igínio (na formação de agentes de saúde e no ensino de crianças e jovens); Mãe Nonata e Alberto Jorge (vidas contra a intolerância religiosa, em defesa da negritude e das causas sociais); Cristiane Sales (pela moradia popular e fundadora do Movimento Orquídeas); Padre Cláudio Perani (na educação popular e desenvolvimento do Sares); Valterina dos Santos (dedicada à Pastoral da Criança); Bete Maciel (com a Associação das Donas de Casa); Sandra e Hiroshi Noda (casal de pesquisadores dedicados no Alto Solimões); Manoel Cunha (líder seringueiro, exemplo na Amazônia); Irmã Nilda (religiosa que falou muito de humildade e de amor ao próximo); e Gersem Baniwa (na luta das causas indígenas).

    Leia mais:

    Davi Lucas lança minidocumentário e música inédita

    Artista do AM, Hadna Abreu lança exposição “Amazônia ao cubo”

    Inspirado em Clarice Lispector, “Lua vermelha” é lançado no AM