Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Liminares de casas noturnas irregulares serão cassadas

    A Fellice foi lacrada por não apresentar o Habite-se – foto: reprodução/internet
     
    Todas as liminares que amparam o funcionamento de casas noturnas e bares em situação irregular na capital amazonense serão cassadas.
    A garantia foi dada na manhã desta quarta-feira (30) pelo presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, desembargador Ari Moutinho, durante reunião  com o prefeito em exercício, Bosco Saraiva, que buscou no Judiciário local apoio para o trabalho de fiscalização que a Prefeitura vem realizando desde a última segunda-feira (28).
    Ao menos duas casas teriam sido beneficiadas com liminares e funcionado normalmente após terem sido lacradas por irregularidades durante as blitz que a prefeitura vem fazendo.
    “As liminares que foram dadas anteriormente, por algum colega magistrado, eu vou cassá-las. Faço isso por uma questão de segurança, para tentar controlar essa gravíssima situação que estava descontrolada não só em Manaus, mas no Brasil inteiro”, afirmou o presidente do TJA.
    Segundo Bosco Saraiva, a determinação do prefeito Arthur Virgílio Neto, que se encontra em Brasília participando do Encontro Nacional com os Novos Prefeitos e Prefeitas do País, é para que a fiscalização não fique apenas nos bares e casas noturnas.
    “Por telefone, conversei longamente com o prefeito ontem(29), no final da tarde, e ele me afirmou que a fiscalização vai se estender para oito segmentos, como casas de festas e outros espaços que concentrem muitas pessoas”, contou o prefeito em exercício.
    Novas interdiçõesNeste terceiro dia de fiscalizações a bares e casas noturnas de Manaus, os órgãos de Prefeitura já interditaram pelo menos duas casas de eventos: o Forro dos Três, na avenida Tefé,  que está com o alvará vencido desde 2009, e a Cervejaria Fellice, no Studio 5, Zona Sul da capital, que não o Habite-se nem o alvará de publicidade. Desde que iniciou a fiscalização, motivada pela tragédia na boate Kiss, de Santa Marta (RG), a prefeitura já interditou, até esta manhã, 41 estabelecimentos.