Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Policiais prendem ‘Stallone’, acusado de ‘passar’ drogas e celulares em presídio

    O ‘bichano’ é suspeito de favorecer a fuga de presos – foto: Divulgação
     
     
    Agentes penitenciários capturaram o gato ‘Stallone’, 4, quando tentava entrar com objetos não autorizados no presídio Desembargador Luiz de Oliveira Souza em plena festa de Réveillon, no município de Arapiraca, no Estado de Alagoas.
     
    O ‘bichano’ é suspeito de favorecer a fuga de presos com fornecimento de drogas, materiais de áudio-escuta e ferramentas.
     
    Durante as comemorações de fim de ano, ‘Stallone’ foi flagrado portando serras, brocas, fone de ouvido, cartão de memória, celular, baterias e um carregador de telefone móvel presos em seu corpo.
     
    De acordo com o boletim divulgado pela Polícia Militar de Alagoas, o esquema do ‘bichano’ incluía quatro miados para não levantar suspeita e três em caso de perigo.
    Até ser flagrado pelos policiais, ‘Stallone’ entrava e saía nos momentos em que havia a troca de turno na segurança do presídio para ‘entregar’ os materiais aos ‘comparsas’.
     
    Tudo ia bem, até que um agente carcerário suspeitou das constantes visitas noturnas e resolveu ‘melar o esquema’. Olhando o gato de perto, o policial percebeu que ‘Stallone’ trazia no corpo todo enrolado o material apreendido.
     
    Percebendo que ia se dar mal, o gato furioso ainda chegou arranhar o braço dos agentes e tentou miar três vezes (alerta de perigo), mas foi impedido pelo pessoal da cadeia pública e acabou ‘indo em cana’.
     
    De acordo com a nota divulgada, a última entrega do felino serviria para cavar túneis e planejar crimes fora da cadeia.
     
    Para quem acha o caso inusitado é bom saber que o fato é muito comum em alguns presídios do Nordeste. No fim da década de 1990, um outro felino foi o responsável por ‘ensinar’ detentos do presídio de segurança máxima Baldomero Cavalcante a fugir.
     
    O bicho era o único que sabia ‘de cor’ a saída do presídio. Na época, um túnel foi cavado no chão de areia e poucos presos foram recapturados.