Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Unidade Básica de Saúde Fluvial é inaugurada em Borba

    A UBS fluvial pretende atender aproximadamente 12 mil pessoas que vivem em 230 comunidades ribeirinhas - Foto: Reprodução
     
    O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim, inauguraram em Borba (distante 208 quilômetros de Manaus), no sábado (12), a Unidade Básica de Saúde Fluvial Igaraçu, que atenderá aproximadamente 12 mil pessoas que vivem em 230 comunidades ribeirinhas daquele município do sul do Estado.
    A meta do Ministério da Saúde é que, até 2014, 64 unidades do tipo estejam reforçando a oferta de serviços de saúde nas áreas de mais difícil acesso da Amazônia Legal e do Pantanal.
    A unidade é resultado de investimentos da ordem de R$ 2 milhões (incluindo a construção e os equipamentos) e é a primeira do País financiada com recursos do Programa de Construção de Unidades Básicas de Saúde Fluviais, criado no final de 2011 pelo Ministério da Saúde (MS).
    De acordo com o secretário Wilson Alecrim, que representou o governador Omar Aziz na solenidade de inauguração, outros 16 municípios do Estado já apresentaram projeto ao Ministério para obtenção dos recursos desse programa: Autazes, Barreirinha, Careiro, Humaitá, Itamarati, Lábrea, Manacapuru, Pauini, Tonantins, Uarini, Anamã, Beruri, Careiro da Várzea, Novo Aripuanã, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença. Destes, dois já estão com os projetos aprovados: Pauini e Careiro.
    Atenção diferenciada
    O ministro Alexandre Padilha tem destacado que as populações da Região Amazônica necessitam de uma política diferenciada, destinada a ampliar e qualificar o acesso aos serviços de saúde. Muitas vezes, observa o ministro, para chegar a um hospital convencional, o paciente passa dias viajando, normalmente de barco, até o local de atendimento.
    Com as Unidades Básicas de Saúde Fluvial as comunidades ganham em agilidade e qualidade de vida. "Muito se fala em preservar a Amazônia. A melhor maneira de fazer isso é assegurar que milhões de brasileiros e brasileiras que vivem em suas comunidades, sobretudo as mais remotas, tenham qualidade de vida", disse o ministro.
    Além do programa que prevê o financiamento para construção das unidades de saúde fluviais, em julho do ano passado o Ministério publicou portaria estabelecendo critérios para que as UBSFs também possam se credenciar para receber repasse mensal de recursos, destinado ao custeio de despesas. De acordo com Padilha, para a unidade de Borba deverão ser repassados R$ 50 mil mensais.
    Estrutura
    Na UBS Fluvial serão oferecidas consultas de pré-natal e puericultura (acompanhamento do crescimento e desenvolvimento de crianças), odontológicas, clínica geral e atendimentos de enfermagem, além de serviços como inalação, vacina e exames laboratoriais básicos. A UBSF contará ainda com ambiente para armazenamento e dispensação de medicamentos, cabines com leitos para toda a equipe de atendimento embarcada, cozinha, entre outros espaços.