Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Prefeitura quer intensificar lei nacional de resíduos sólidos em Manaus

    Na manhã desta segunda-feira (14), o auditório da Prefeitura de Manaus serviu de palco para discussão da política nacional de resíduos sólidos.
    O objetivo da prefeitura é que a cidade participe ativamente da lei nacional nº 23.305/10, que tem como proposta a prática de hábitos de consumo sustentável e uso de alguns instrumentos para que haja aumento da reciclagem e da reutilização dos resíduos sólidos.
    Representante da Procuradoria Geral do Município (PGM), Fernanda Matos; Procuradoria da República no Amazonas, Leonardo Macedo; Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas, Luiz Castro (PPS); e a representante nacional dos catadores de materiais recicláveis do Amazonas (MNCR), Irineide Lima, participaram do evento.
    A mesa dos debates ainda teve a participação dos titulares das secretarias municipais de Limpeza Pública (Semulsp), Paulo Farias, e do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Kátia Schweickardt.
    Entre as ações anunciadas para implementação da lei nacional, o secretário Paulo Farias destacou o apoio logístico aos núcleos de Ponto de Entrega Voluntária (Pev), inclusão de quatro representantes dos núcleos de catadores na Semulsp, além da captação de recursos e construção de seis galpões para o alojamento dos materiais de reciclagem.
    Quanto ao trabalho junto com outros municípios, o prefeito Artur Neto (PSDB) destacou que tem grande interesse em fechar parceria, mas nada está certo ainda.
    Artur anunciou que provavelmente será construído um galpão e meio por ano. “Não quero criar uma prefeitura de promessas, mas vamos sim construir aos poucos estes galpões e adequar essa política nacional de implementação de resíduos ao município”, finalizou o prefeito.
    Para a representante nacional dos catadores de materiais recicláveis do Amazonas, Irineide Lima, a prioridade da Associação dos Catadores de Lixo é a infraestrutura.
     
    “Queremos seis galpões, um por zona, porque trabalhamos de forma precária nos quintais das nossas casas, sem condições de armazenamento”, enfatizou Irineide, acrescentando que não é vontade deles serem contratados da Semulsp, mas sim das cooperativas.
    O evento também foi marcado pela outorga do Selo Nacional do Amigo Catador ao prefeito Artur Neto, deputado Luiz Castro e ao pesquisador da Universidade Federal do Amazonas, João Bosco Ladislau.