Fonte: OpenWeather

    Reivindicação


    Aprovados no concurso do TJAM pedem nomeação e marcam protesto

    O concurso do Tribunal de Justiça do Amazonas para a capital vence no dia 5 de novembro deste ano.

    A Comissão dos Assistentes Judiciários aprovados no concurso do  Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), em 2013, realizará uma manifestação nesta quinta-feira (19), a partir das 9h da manhã. Eles reivindicam a nomeação dos aprovados para as 48 vagas de Assistentes Judiciário, que está em aberto. A mobilização está marcada para ocorrer em frente ao Fórum Arnoldo Péres, localizado na Avenida André Araújo, Aleixo, zona Centro-Sul de Manaus

    De acordo com um dos aprovados no concurso, que pediu para não ter o nome revelado, as 48 vagas são oriundas de exonerações de servidores que ocupavam anteriores à criação do concurso, nomeações tornadas sem efeito, por desistência dos convocados, aposentados e falecimento.

    "Ficamos sabendo por meio do Secretário Geral de Administração do TJAM que seria apenas 10 servidores nomeados, isso é absurdo, tendo em vista que associação dos magistrados pediu pelo menos 110. Nós temos 48 vagas em aberto", Enfatizou.

    Pedidos e requisições por servidores, foram feitas por parte da Associação do Magistrados do Amazonas. Os Juízes apontam que pelo menos 33 Unidades judiciárias da capital estão com deficit de profissionais. Além disso, há requisição para que sejam nomeados pelo menos 114 Assistentes Judiciários.

    "Em Julho a lei 4.504/2017 foi editada 'às surdinas', e alterou o percentual de 70% para 50% de ocupação por servidores efetivos,  permitindo que metade do Tribunal seja composto de comissionados e Temporários. Com isso, não chamaram os aprovados", ressalta um dos aprovados.

    Outro lado

    A assessoria do Tribunal informou, que recentemente o presidente Flávio Humberto Pascarelli recebeu uma comissão dos candidatos aprovados e explicou a eles que o Tribunal estuda a possibilidade da convocação. Ele disse ainda que assumiu o cargo no pior momento da crise, porém a situação está melhorando e poderá analisar melhor o problema. Questionado sobre a manifestação, o Tribunal informou que não foi avisado sobre o protesto.