Carreira


Confira as profissões em alta no mercado pós-pandemia

Home office deve ser uma modalidade estendida, pelo menos até o próximo ano

Uma das maiores consultorias de RH do Brasil, a Luandre Soluções em Recursos Humanos, mapeou alguns cargos novos, como o de especialista em Diversidade e CHO | Foto: Lucas Silva

Manaus - Na esperança da chegada do fim da crise econômica, gerada pela pandemia, o mercado profissional prevê o crescimento da oferta de vagas para alguns segmentos. Especialistas afirmam que áreas como de marketing e comércio virtual, empreendedorismo e tecnologia são as que mais serão demandadas, além da modalidade home office, que deve ser aderida em muitas empresas até o ano que vem.

De acordo com o consultor comercial de Recursos Humanos (RH), Rodrigo Miranda, a oferta de oportunidades para vendedores, de diversas áreas, será maior em um período próximo. Além disso, as ofertas também se estenderão ao setor da indústria.

"Tivemos um aumento significativo na abertura de vagas de vendedor(a), de modo geral. A perspectiva, a curto prazo, é de aumento no número de ofertas de emprego. O que aumentou também, na indústria, foi a procura pelo serviço de mão de obra temporária. Muitos funcionários foram afastados, daí as empresas buscaram a opção da mão de obra, por ser mais rentável e pelo tempo determinado", afirma.

O vendedor da Indústria Brasileira de Filmes (IBF), Daniel Vieira, que passou a atuar em home office no período da pandemia, conta que vivenciou uma experiência diferente ao que a sua profissão demanda. Para ele, o período foi de aprendizado, mas que para a sua área de trabalho não é algo que possa ser prolongado por muito mais tempo. Entre os pontos negativos ele cita a dificuldade de conexão à internet, o que prejudica as negociações.

Vendedor é uma das profissões que mais estão sendo requisitadas
Vendedor é uma das profissões que mais estão sendo requisitadas | Foto: Lucas Silva

"Posso dizer que foi uma experiência nova de atendimento ao cliente, mas na minha área de atuação foi um pouco prejudicial devido meus produtos se tratarem de equipamentos para área hospitalar e demandarem de um atendimento totalmente diferenciado. Posso citar como fazer demo, explicar os funcionamentos dos mesmos, diferenciação de aparelhos similares, pontos fracos e pontos fortes, mas por e-mail ou telefone sempre fica dúvidas e isso dificulta negociações", afirma o profissional.

Ele explica ainda que a sua área de atuação não pareceu ser muito afetada com demissões. Muitas empresas fecharam por conta dessa pandemia, por isso alguns profissionais da área perderam seus empregos, ainda assim, pôde-se notar uma margem de contratação para o seguimento. "Muitas empresas fizeram uma curva ascendente e cresceram, contrataram e estão bem financeiramente, só posso desejar que chegue logo essa vacina e todos possamos sair mais fortes dessa experiência desagradável", finaliza Daniel.

Daniel afirma que para alguns segmentos, é essencial o atendimento presencial ao cliente
Daniel afirma que para alguns segmentos, é essencial o atendimento presencial ao cliente | Foto: Lucas Silva

Boas expectativas

Uma das maiores consultorias de RH do Brasil, a Luandre Soluções em Recursos Humanos, mapeou alguns cargos novos, como o de especialista em Diversidade e CHO - Chief Happiness Officer (Diretor de Felicidade), que poderão surgir em grandes companhias. Uma das áreas com ótimas perspectivas é a de Tecnologia da Informação (TI), principalmente ligada ao comércio virtual.

Embora já desse sinal de crescimento, com o acesso cada vez maior da população à internet, o comércio virtual teve um boom no período de distanciamento social em razão do fechamento de lojas físicas, cresceu 71% entre 24 de fevereiro de 24 de maio deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, tendo faturado R$ 27,3 bilhões, de acordo com dados da empresa Compre&Confie.

O consultor Flávio Guimarães afirma que há uma boa perspectiva para a volta ao mercado de trabalho durante os próximos meses, desde que seja de forma gradual. Ele explica que o que se espera no mercado, a curto prazo, é a busca de áreas estratégicas, em cargos de diretores, supervisores e financeiro, e se trabalhará mais com processos e pessoas. As empresas voltam com foco em se reinventar e, com isso, há uma necessidade de gerenciar pessoas de maneira mais inteligente e estratégica.

O consultor Flávio Guimarães afirma que há uma boa perspectiva para a volta ao mercado de trabalho durante os próximos meses
O consultor Flávio Guimarães afirma que há uma boa perspectiva para a volta ao mercado de trabalho durante os próximos meses | Foto: Reprodução

"Após a pandemia, a expectativa é que a gente tenha dois momentos interessantes. Um é o aumento de cargos, até porque nós perdemos alguns cargos durante a pandemia, e na pós-pandemia certamente a gente volta a funcionar normalmente e espera-se que o consumo, até certo ponto, dê uma alavancada em algumas áreas e, com isso, eles vão precisar de uma mão de obra maior. Outro lado é a parte das substituições. Nesse momento de pandemia, a gente conseguiu visualizar e verificar até que ponto, de fato, aqueles que estavam com a gente, podem continuar", afirma o consultor comercial Flávio Guimarães. 

De acordo com uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP), a modalidade home office agradou a muitos. Cerca de 76% das pessoas preferem trabalhar em casa, do que estar presente na empresa. Antônia Muniz, assessora de treinamento e desenvolvimento de pessoas, confirma ainda que os cargos mais requisitados estarão na área da tecnologia digital, assim como de administradores, engenheiros da computação, contadores, psicólogos e até engenheiros civis.

"Além do home office, o empreendedorismo tende a aumentar e ter bons resultados. Quem não quer ter seu próprio negócio? Quem não quer ser seu próprio chefe e controlar seu tempo de forma a conciliar o trabalho, a família e a escola? Tudo isso nos leva a crer que as pessoas querem liberdade para trabalhar e se sentirem donas do negócio, tomarem suas próprias decisões e obterem uma boa lucratividade", afirma Antônia. Para ela, as pessoas deixam de buscar seus próprios interesses supérfluos e investem na profissão que pode deixá-la mais confortável no futuro. 

Confira a lista das profissões em alta

- Chief Happiness Officer (CHO) ou diretor de Felicidade

-  CFO, diretor Financeiro e Controller

- Especialista em Diversidade

- Programadores

- Especialista em segurança da informação

- Analista de BI (Business Intelligence)

- Analista de Marketing Digital

- Gerente de Logística

Leia mais

Impactos negativos da Covid-19 nas empresas diminuíram em agosto

Manaus está entre as 20 cidades que mais consomem decoração

Produção de arroz dobra no Amazonas e pode alavancar a economia