Fonte: OpenWeather

    Economia


    Vídeo: CAS aprova investimento de US$198 milhões ao Polo Industrial

    Faturamento previsto é de US$ 869 milhões e geração de 1.174 empregos

    O País passa por um processo de reindustrialização para uma indústria mais moderna | Foto: Márcio Gallo

    O País passa por um processo de reindustrialização para uma indústria mais moderna
    O País passa por um processo de reindustrialização para uma indústria mais moderna | Foto: Márcio Gallo


    Manaus - O Conselho de Administração da Suframa (CAS) aprovou, nesta quinta-feira (5), o total de 31 projetos industriais que somam investimentos de US$ 198,39 milhões, com um faturamento previsto de US$ 869 milhões e a geração de 1.174 empregos no Polo Industrial de Manaus (PIM). 

    A aprovação foi feita durante uma reunião ordinária, presidida pelo secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, Carlos Alexandre da Costa, e contou, ainda, com a participação do superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, do secretário de Planejamento de Roraima, Marcos Jorge de Lima, do secretário executivo de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Renato Freitas, do superintendente de Desenvolvimento da Amazônia, Paulo Roberto Correia, do deputado estadual pelo Amazonas, Sinésio Campos, do presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Antônio Silva, e de demais representantes de entidades de classe, dirigentes de órgãos públicos e empresários, entre outros.

    Na ocasião da reunião, Menezes assinou, juntamente com o secretário Marcos Jorge, o plano de trabalho da proposta de convênio no valor de R$ 8,5 milhões para a pavimentação do Distrito Industrial de Boa Vista.

    “Comentamos na primeira reunião do CAS desse ano e agora estamos efetivando esse convênio”, afirmou Menezes.

    O secretário Carlos da Costa sugeriu, ainda, a criação de um grupo para estudar uma proposta de alteração do marco de avaliação dos projetos para que fosse incluída uma análise de efetividade considerando o custo da renúncia fiscal e o número de geração de empregos.

    “Precisamos ter certeza de que estamos fazendo o melhor para região, até porque nas comparações de destinação de gastos tributários que inevitavelmente teremos que fazer, nós deveríamos priorizar projetos com a relação de renúncia por trabalhador fixado em que defende a nossa floresta que fossem mais vantajosas”, explicou.

    A iniciativa foi bem recebida pelos conselheiros e autoridades presentes, que se manifestaram em favor da proposta. Nas três reuniões de 2019 o CAS somou 144 projetos industriais e de serviços aprovados, com a geração de 9.500 empregos e investimentos totais de US$ 1,1 bilhão, além de projeção de faturamento de US$ 7 bilhões em até três anos, que é o prazo para que os projetos sejam instalados.

    “O calendário do CAS para o ano que vem está aprovado e a primeira reunião será no dia 20 de fevereiro, com a participação do presidente Jair Bolsonaro. Estamos construindo uma agenda com os governadores e uma visita ao Polo Industrial de Manaus”, disse Menezes.

    O superintendente também destacou o investimento da Millenium BioEnergia, que irá implantar indústrias de etanol de milho em toda a área de abrangência da Suframa (Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia e Amapá).

    “Serão R$ 4,4 milhões em investimentos na área da Suframa. Vamos participar do lançamento da pedra fundamental em Boa Vista neste sábado”, explicou, ressaltando a importância de novos investimentos não apenas para o Amazonas, mas para todos os Estados atendidos pela Suframa.Avanços e comprometimento.

    O secretário Carlos da Costa afirmou que o Ministério da Economia está empreendendo esforços em total alinhamento com a Suframa para o desenvolvimento da região.

    “Hoje temos um ambiente de harmonia e integração e, com isso, conseguimos garantir mais segurança jurídica, a estabilidade das reuniões do CAS e ganhos de eficiência”, afirmou.

    Segundo ele, o País passa por um processo de reindustrialização para uma indústria mais moderna e, entre as medidas que estão sendo tomadas neste sentido, estão mais treinamentos; investimentos em infraestrutura, como é o caso das obras de recuperação viária do Distrito Industrial; simplificação dos tributos – o ICMS é o segundo sistema tributário mais complexo do mundo; financiamento de negócios; e ambiente jurídico seguro.

    “É nisso que estamos trabalhando. Desburocratizamos processos. Já reduzimos em 37% o backlog de PPBs da região e vamos zerar o baklog de PPBs até o ano que vem. O CBA está dotado de novas diretrizes, começou a trabalhar para criar condições que permitam seu funcionamento conectado com a nova realidade mundial, em particular com a bioeconomia que deve ser um dos eixos de crescimento do região e expansão da ZFM”, afirmou.

    Carlos da Costa também afirmou que o Ministério tem trabalhado em novos programas de modernização de empresas e de capacitação. “Queremos modernizar 200 mil empresas no Brasil em capacidades gerenciais e um dos focos desse programa será a região amazônica. Temos também o programa “Emprega mais”, que pretende capacitar de 2,5 milhões de pessoas e já convido as empresas do PIM que possam se beneficiar dessa nova estratégia de qualificação, principalmente fornecedores e colaboradores, com ganhos de competitividade e produtividade ao longo de toda a cadeia”, explicou.

    Por fim, o secretário reiterou o compromisso do governo federal para com o modelo Zona Franca de Manaus. “Podem ter a absoluta confiança de que não apenas nas palavras, mas nas ações, como já demonstramos, que estamos totalmente comprometidos com a Zona Franca de Manaus e com a Amazônia Ocidental, com todos os incentivos e benefícios efetivos que venham a trazer desenvolvimento para a região, emprego, renda, proteção do nosso território e proteção da nossa floresta”, garantiu.

    *Com informações da assessoria

    Assista à reportagem da TV Em Tempo:

    Assista à reportagem | Autor: Mariana Rocha/Tv Em Tempo