Fonte: OpenWeather

    Roteiro turístico


    Conheça Foz do Iguaçu, uma cidade com três destinos turísticos

    Município brasileiro privilegiado com atrativos turísticos naturais como as Cataratas do Iguaçu, vive hoje a expansão do turismo com perspectivas ousadas de crescimento

    As belezas de Foz do Iguaçu encantam | Foto: Emerson Quaresma

    Apesar do cheirinho bom de interior que se sente ao sair de um avião comercial, no Aeroporto de Internacional de Foz do Iguaçu/Cataratas, a cidade localizada no oeste paranaense (a 636 quilômetros de Curitiba), sonha alto com os rumos da indústria do turismo. Ela tem projeto para se tornar, nos próximos anos, um grande hub aéreo logístico da América Latina, com conexões nas principais capitais brasileiras, fora do eixo Rio/São Paulo, como Manaus, Recife e Fortaleza, por exemplo, e outras da América do Sul, a partir da proposta de ampliação do seu aeroporto. 

    Dona de 75% das Cataratas do Iguaçu (os outros 25% está na Argentina), a cidade é hoje o terceiro destino brasileiro mais visitado por turistas estrangeiros, segundo os números da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Localizada na tríplice fronteira formada por Brasil, Argentina e Paraguai, por ano, a cidade recebe, aproximadamente, 4,5 milhões de visitantes, com um potencial de dobrar esse número nos próximos 10 anos, segundo o prefeito Chico Brasileiro.

    Somente o Parque Nacional do Iguaçu, considerado o chamariz turístico de Foz, cerca de 2 milhões turistas visitam o lugar, ao ano, no lado brasileiro e mais 1,5 milhão no argentino. 

    Localizada na tríplice fronteira, a cidade recebe, aproximadamente, 4,5 milhões de visitantes
    Localizada na tríplice fronteira, a cidade recebe, aproximadamente, 4,5 milhões de visitantes | Foto: Emerson Quaresma


    Diante desses números, Foz do Iguaçu que é um município de 256 mil habitantes (dados de 2018), e está conectada às cidades de Puerto Iguazú, na Argentina e Cidade de Leste, no Paraguai, projeta investimentos públicos e privados, na ordem de R$ 2 bilhões para infraestrutura e hospedagem, por exemplo, focados no crescimento da indústria turística.

    O número foi divulgado durante o primeiro Encontro de Líderes do Turismo, Negócios e Investimentos, realizados em Foz, de 15 a 17 de maio. O EM TEMPO participou a convite do Ministério do Turismo e da Prefeitura Municipal. 

    Entre os principais destinos desse recurso - que soma R$ 1 bilhão do setor público mais R$ 1 bilhão do privado -, de acordo com o secretário de Turismo Indústria, Comércio e Projetos Estratégicos de Foz do Iguaçu, Gilmar Piolla, está o de ampliação da pista do Aeroporto Cataratas. Ele recebe hoje, aproximadamente, 2,5 milhões de passageiros ao ano e espera, nos próximos 20 anos, alcançar a capacidade 22 milhões de passageiros ao ano, com a sua transformação em hub aéreo (ponto central para coleta e distribuição). 

    Somente o Parque Nacional do Iguaçu, considerado o chamariz turístico de Foz, cerca de 2 milhões turistas visitam o lugar
    Somente o Parque Nacional do Iguaçu, considerado o chamariz turístico de Foz, cerca de 2 milhões turistas visitam o lugar | Foto: Emerson Quaresma


    A justificativa da busca por esse status, segundo Piolla, é sustentada principalmente pelo turismo. Além das Cataratas do Iguaçu, no Parque Nacional do Iguaçu, a cidade conta com atrativos como o Marco das Três Fronteiras, o Parque das Aves, e parques temáticos como o complexo turístico Dreamland, entre outras atrações.

    Outro ponto é o fato de Foz está localizada numa região estratégica formada por, cerca de 3,5 milhões de habitantes, ao somar as populações do oeste paranaense, o enquadramento do Alto Paraná, no Paraguai e também a província de Misiones, na Argentina, num raio de 200 quilômetros. 

    Com a perspectiva ousada, Piolla conta que, com o Fundo Iguaçu, a prefeitura fez um projeto de expansão num plano diretor com três horizontes de expansão, sendo 2019, 2020 e 2039.

    “Temos hoje uma pista de 2.195 metros e queremos ampliar para 3.195 metros. Com isso nós teremos autonomia para um avião A330 e ele vai pode decolar daqui [de Foz] sem escalas até Frankfurt, na Alemanha. Estamos pensando no futuro, num aeroporto com 22 milhões de passageiros, ano. As obras atuais devem ser finalizadas em dezembro”, diz Piolla. 

    Um projeto de expansão num plano diretor com três horizontes de expansão, sendo 2019, 2020 e 2039.
    Um projeto de expansão num plano diretor com três horizontes de expansão, sendo 2019, 2020 e 2039. | Foto: Emerson Quaresma


    Hotelaria

    Terceira cidade que mais recebe eventos nacionais e internacionais no Brasil, Foz tem hoje uma rede hoteleira que cresce em torno de 1 mil leitos por ano, segundo o prefeito da cidade, Chico Brasileiro. Atualmente, o município tem com 32 mil leitos - algo próximo da rede do Rio de Janeiro (RJ) -, e conta ainda com 15 mil de Puerto Iguazú e 3 mil da Cidade de Leste. 

    Para a cidade que em período de grande temporada, de novembro a fevereiro, chega a sofrer overbooking na rede (excesso de reservas), já conta com investimentos anunciados por grandes marcas como a Hard Rock Café e deverá chegar aos 40 mil leitos nos próximos dois anos. “Temos atualmente 32 mil leitos em Foz do Iguaçu e mais 18 mil nas duas cidades, do Paraguai e da Argentina, próximas a Foz”, explica Chico Brasileiro.

    Parque das Aves

    Para quem busca o turismo de natureza conectado com a cidade, Foz do Iguaçu que começou a conceituar a importância do setor para os seus moradores há 20 anos, segundo o prefeito, começou, nos anos 1990, a ampliar os seus atrativos além do Parque Nacional do Iguaçu. Pelas mãos da iniciativa privada nasceu o Parque das Aves, localizado na BR-469, próximo à entrada do Parque Nacional do Iguaçu.

    Fundado em 1994 pelo Denis Crouukamp, do Zimbabue, e Anna Croukamp, da Alemanha, o Parque é hoje o segundo maior atrativo de Foz do Iguaçu, com 830 mil visitantes ao ano, com estimativa de alcançar 900 mil nos próximos meses. Nos 16 hectares de mata que começam na BR 469 até as margens do rio Iguaçu, o lugar que não tem cara de zoológico abriga hoje 1,4 mil aves de 140 espécies, sendo que 52% delas são aves oriundas do resgate dos tráfico e maus tratos de animais. 

    O lugar que não tem cara de zoológico abriga hoje 1,4 mil aves de 140 espécies
    O lugar que não tem cara de zoológico abriga hoje 1,4 mil aves de 140 espécies | Foto: Emerson Quaresma


    Localizado na região Mata Atlântica, segundo Carmel Croukamp, filha do casal que é hoje a atual responsável pelo parque, em 2017 o lugar assumiu o papel de centro de conservação de espécies do segundo maior bioma brasileiro e o mais ameaçado. No lugar onde se paga R$ 45 por pessoa para entrar, é possível chegar próximo de inúmeras aves ameaçadas de extinção, algumas que até já conseguiram se reproduzir dentro do parque. 

    Três fronteiras

    Outro atrativo turístico importante de Foz do Iguaçu é o Obelisco do Marco das Três Fronteiras entre Brasil, Argentina e Paraguai. Localizado no encontro dos rios Iguaçu e Paraná, o lugar que cobra R$ 24 como entrada, até dois atrás estava abandonado, tomado pela insegurança. Hoje, depois de uma intervenção do município, com a concessão da operação do lugar para a iniciativa privada, o Marco é hoje um ambiente familiar estruturado com estacionamento, lojas e restaurantes, com a visão marcante para os lados argentino e paraguaio. 

    Foz do Iguaçu é uma das cidades mais requisitadas pelos turistas
    Foz do Iguaçu é uma das cidades mais requisitadas pelos turistas | Foto: Emerson Quaresma


    O marco brasileiro, localizado no Porto Meira, foi inaugurado em 1903, e seus idealizadores foram o Marechal Cândido Rondon e Dionísio Cerqueira. No lado argentino, situa-se à margem do rio Iguaçu e no paraguaio fica à margem direita do rio Paraná. Os três obeliscos , igualmente pintados com as cores nacionais, formam um triângulo que fixa o limite territorial e a soberania dos três países. 

    Itaipu Binacional

    Enquanto na divisão com a Argentina o Brasil apresenta ao mundo as Cataratas do Iguaçu, na divisa com o Paraguai, Foz do Iguaçu se orgulha da maior obra de engenharia para a geração de energia elétrica, que é a usina hidrelétrica Itaipu Binacional.

    O gigante complexo que foi construído por mais de 40 mil homens e mulheres no início dos anos 1980 e inaugurado em 1984, fruto de um acordo entre o governo brasileiro e o paraguaio, também assumiu a essência da cidade e adotou o plano estratégico para o turismo. 

    A Itaipu Binacional oferece passeios como a Vista Panorâmica
    A Itaipu Binacional oferece passeios como a Vista Panorâmica | Foto: Emerson Quaresma


    Segundo o prefeito Chico Brasileiro, a companhia que é administrada meio a meio por brasileiros e paraguaios, criou um departamento para desenvolver o turismo dentro da usina. Com preços de entrada variados, a Itaipu Binacional oferece passeios como a Vista Panorâmica (R$ 42,00), todos os dias das 9h às 16h30, com duração aproximada de 2h; o Circuito Especial (R$ 128,00), das 8h30 às 15h30, com duração aproximada de 2h30; e a Iluminação da Barragem (R$ 45,00), de sexta-feira e sábado a partir das 20h30, com duração de 1h30. 

    Dreamland

    Da iniciativa privada, além dos atrativos naturais, a Terra das Cataratas conta com investimentos privados como o complexo turístico Dreamland. Um único lugar que oferece cinco passeios de apreciação para a família como o Vale dos Dinossauros, o Deams Ice Bar, o Museu de Cera, as réplicas das Maravilhas do Mundo, Super Carros e um extra com a Harley Motor Show. 

    Com estacionamento gratuito, a casa que está localizada nas proximidades do Parque Nacional do Iguaçu, na rodovia das Cataratas, abre todos os dias, das 8h às 18h e o seu bar gelado até às 23h. Na alta temporada, segundo a assessoria do complexo, a Dreamland funciona das 8h às 22h e o bar gelado até às 23h30. 

    O custo de cada passeio é de R$ 81,60, já o Dreams Ice Bar custa R$ 71,60. O custo do pacote completo com todas as atrações é de R$ 150,00. Para mais informações, a Dreamland oferece um canal de atendimento gratuito pelo 0800 200 2019. 

    Cataratas do Iguaçu

    As Cataratas do Iguacu é um belo passeio para quem quer fechar a visita à Foz do Igauçu em alto grau. A beleza das quedas d’água são um encontro com o que é de mais poético entre beleza e fúria da natureza. Patrimônio Natural da Humanidade, o atrativo foi eleito em 2011 uma das sete Maravilhas do Mundo. 

    A imersão na natureza é feita por trilhas que levam os visitantes até as passarelas que aproximam do lado mais feroz conhecido como Garganta do Diabo, bem na divisa com o território argentino, e que apesar do nome, está mais para um encontro com o divino. 

    Para aventurar nesse ambiente, o visitante adulto vai pagar na entrada o valor de R$ 70
    Para aventurar nesse ambiente, o visitante adulto vai pagar na entrada o valor de R$ 70 | Foto: Emerson Quaresma


    Para aventurar nesse ambiente, o visitante adulto vai pagar na entrada o valor de R$ 70 divido entre o ingresso (R$ 57), o transporte (R$ 11) e o Fundo Iguaçu (R$ 2). Já a visitante criança, de 2 a 11 anos de idade, vai pagar apenas R$ 11. 

    Operado pela iniciativa privada, o lugar conta com lojas e restaurantes para quem ficar no lugar até a hora do almoço, com vistas para o início das quedas das cataratas. Entre eles está o restaurante Porto Canoas, onde há uma ampla variedade de comidas, bebidas e sobremesas. 

    Para quem quer continuar no parque até o final da tarde e pode investir mais em aventuras, além das Cataratas, o Parque Nacional do Iguaçu conta com passeios no Porto Canoas, floating, rafting, o Macuco Safari Barco que leve o turista a tomar banho nas quedas d’águas das Cataratas.

    Leia mais

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!