Seu Dinheiro


No AM, pacotes de viagens ficam até 30% mais baratos na pandemia

Os preços estão mais baixos, se comparado ao mesmo período do ano passado. Confira opções com destinos partindo de Manaus!

Os pacotes de viagens estão entre 20% a 30% mais em conta, partindo de Manaus, em empresas como CVC, Gracco Viagens e Rogetur Agência de Turismo
Os pacotes de viagens estão entre 20% a 30% mais em conta, partindo de Manaus, em empresas como CVC, Gracco Viagens e Rogetur Agência de Turismo | Foto: Divulgação/Gracco

Manaus - A pandemia reduziu significativamente a demanda por viagens. Como consequência, os pacotes de viagens estão entre 20% a 30% mais em conta, partindo de Manaus, em empresas como CVC, Gracco Viagens e Rogetur Agência de Turismo. Os preços estão mais baixos, se comparado ao mesmo período do ano passado, mesmo em períodos de alta temporada como Natal e Ano Novo.

Conforme informações do proprietário da Gracco Viagens, Gracco Silva, alguns destinos tiveram reajustes de preço de 25% a 30%. Entre os meses de maio e junho surgiram tarifas com preços promocionais para viagens futuras no segundo semestre.

Conforme informações do proprietário da Gracco Viagens, Gracco Silva, alguns destinos tiveram reajustes de preço de 25% a 30%
Conforme informações do proprietário da Gracco Viagens, Gracco Silva, alguns destinos tiveram reajustes de preço de 25% a 30% | Foto: Divulgação/ Gracco

Gracco conta que os hotéis tiveram quedas nos preços, principalmente nos meses de junho e julho onde houve uma oferta maior.

“As vendas de pacotes de viagens começaram a aumentar neste período, inclusive a procura de viagens em família teve uma grande demanda”, revela Silva

Na CVC as passagens partindo de Manaus estão em torno de 30% mais em conta, tanto para destinos nacionais como internacionais, conforme revela Master Franqueado da CVC na cidade de Manaus, Marcio Belmont Barreto.

Durante a pandemia na Rogertur Agência de Turismo, as passagens aéreas sofreram muitas variações de preço e dependendo do destino, o custo diminuiu 20%, porém a partir de agosto voltou a subir os preços das passagens consideravelmente.

“Passagens aéreas sofrem muitas variações dependendo do destino e do mês que o cliente vai viajar, não dá para passar precisamente um preço. Mas variou entre R$ 400 a R$ 800”, diz Roger.

Destinos mais baratos

Destinos como Recife, Maceió, Natal e Porto Alegre estão com preços bastante acessíveis ao bolso do consumidor
Destinos como Recife, Maceió, Natal e Porto Alegre estão com preços bastante acessíveis ao bolso do consumidor | Foto: Divulgação/

Na CVC, de acordo com Marcio, destinos como Recife, Maceió, Natal e Porto Alegre estão com preços bastante acessíveis ao bolso do consumidor. Em média, um pacote completo com cinco diárias de hospedagem, com passagem aérea, com saída em período de baixa temporada, sai por a partir de R$ 1,5 mil por pessoa.

Na Rogertur, Belém, São Paulo e alguns destinos do Nordeste como Recife e Fortaleza estão mais em conta. Mas Roger adianta algo: “As passagens aéreas compradas de forma ‘urgente’, ou seja, no mesmo mês da viagem, os preços são mais elevados, já passagens compradas em média três meses de antecedência são as mais econômicas”.

Destinos do Nordeste são os mais procurados

Na Gracco, CVC e Rogertur os destinos mais procurados são da região Nordeste como Recife, Fortaleza, Maceió e Natal
Na Gracco, CVC e Rogertur os destinos mais procurados são da região Nordeste como Recife, Fortaleza, Maceió e Natal | Foto: Divulgação/ Rogertur

Na Gracco, CVC e Rogertur os destinos mais procurados são da região Nordeste como Recife, Fortaleza, Maceió e Natal. Além de outras regiões como Alter do Chão, Rio de Janeiro e São Paulo.

Hotéis

Na CVC, surgiram várias promoções da hotelaria, principalmente das regionais, com preços bem acessíveis ao bolso do consumidor, inclusive com criança de até 12 anos grátis na acomodação junto com dois adultos pagantes. 

Já na Rogertur, não ficou mais barato, ele afirma que os empreendimentos turísticos mantiveram os preços durante a Covid-19.

Prevenção do Coronavírus

Durante a pandemia da Covid-19, Marcio explica que como prevenção do coronavírus, os hotéis já oferecem refeições sem sistema de buffet e companhias aéreas, por exemplo, intensificam formas de embarcar e de viajar com a segurança como principal foco. As regiões turísticas também começam a buscar as certificações lançadas por órgãos internacionais e nacionais de segurança global, os ‘Safe Travels’.

“Na CVC, a prioridade é por fornecedores que tenham esse comprometimento, que sigam protocolos de segurança, que deve permanecer como prática constante nos próximos anos”, ressalta.

Estratégias para não quebrar

Na Rogertur, a empresa abriu novos canais de vendas on-line e se preparou para a retomada que está sendo de forma gradativa
Na Rogertur, a empresa abriu novos canais de vendas on-line e se preparou para a retomada que está sendo de forma gradativa | Foto: Divulgação/ Rogertur

Neste período de isolamento social, a Gracco Viagens usou estratégias para não 'quebrar'. “O Turismo foi um dos setores mais afetados durante a Pandemia. E assim como em outros empreendimentos, tivemos que investir ainda mais em Marketing Digital aprimorando técnicas de atendimento on-line, por meio de lives e-cursos”, diz Gracco.

Na Rogertur, a empresa abriu novos canais de vendas on-line e se preparou para a retomada que está sendo de forma gradativa.

“A aérea de Turismo foi a primeira a fechar e com certeza a última a retomar. Nós passamos por um período muito difícil, mas participamos de vários treinamentos on-line e aproveitamos para capacitar a equipe e fechar novas parcerias e investimos no marketing da agência”, explica Roger.

Veja abaixo algumas opções de pacotes de viagens com preços antes e depois da pandemia:

Porto de Galinhas é um dos destinos mais procurados
Porto de Galinhas é um dos destinos mais procurados | Foto: Divulgação/ Gracco

Porto de Galinhas

Operadora: Gracco Viagens

Saída:  22 de outubro

Inclui: Aéreo ida e volta recife, hospedagem em Porto de Galinhas, traslado ida e volta até porto de galinhas, passeio Maragogi

Preço: 12x R$ 99*

Os preços estão mais baixos, se comparado ao mesmo período do ano passado, mesmo em períodos de alta temporada como Natal e Ano Novo
Os preços estão mais baixos, se comparado ao mesmo período do ano passado, mesmo em períodos de alta temporada como Natal e Ano Novo | Foto: Divulgação/ Gracco

Fortaleza + Jericoacoara

Operadora: Gracco Viagens

Saída: 12 de novembro

Inclui: Aéreo ida e volta fortaleza, 2 dias hospedagem Fortaleza, 3 dias hospedagem Jericoacoara, traslado de chegada e saída em Fortaleza traslado ida e volta até Jericoacoara

Preço: 12x R$ 150*

Fortaleza

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: Outubro (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 1900

Alter do Chão

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: Setembro (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 1.600


Rio de Janeiro

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: A partir de outubro de 2020 (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 1800

São Paulo

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: A partir de outubro de 2020 (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 1600

Porto de Galinhas

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: A partir de outubro de 2020 (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 1.600

Gramado

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: A partir de outubro de 2020 (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 2.200

Curitiba

Operadora: Rogertur Agência de Turismo

Saída: A partir de outubro de 2020 (5 dias)

Inclui: Aéreo, hospedagem, transfer (Aeroporto-Hotel- Aeroporto) e passeios opcionais

Preço: R$ 1.900

Como economizar

Segundo educador financeiro Jeferson Praia, o ideal é se preparar com pelo menos um ano de antecedência
Segundo educador financeiro Jeferson Praia, o ideal é se preparar com pelo menos um ano de antecedência | Foto: Divulgação/ Gracco

Conhecer lugares diferentes, experimentar novos sabores e conhecer pessoas com hábitos diferentes são apenas alguns benefícios de uma viagem. O único problema é o custo. Uma viagem pode sair bem cara, caso você não se planeje bem. Por isso, confira algumas dicas de como economizar para viajar.

“Quem planeja as férias com antecedência pode escolher a opção mais interessante e com melhor custo benefício para o seu bolso. Ou seja, não se endivida ou compromete sua saúde financeira com atitudes impensadas. Se a viagem dos sonhos for cara, é válido planejar e poupar para as próximas férias”, diz Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin).

Segundo educador financeiro Jeferson Praia, o ideal é se preparar com pelo menos um ano de antecedência. “Este é o tempo necessário para definir orçamento, programação e ainda começar uma poupança”.

O que considerar antes de tomar a decisão

Os preços levantados são válidos para viagens a partir de setembro. Ou seja, ainda não uma vacina eficaz contra o coronavírus. 

Por isso, dependendo do destino, o viajante, além de correr risco de contrair o vírus, pode se deparar com pontos turísticos e parques temáticos fechados, dependendo do comportamento da pandemia daqui em diante.

É bom lembrar da nova regra válida para reembolsos ou eventuais cancelamentos de serviços, criada na pandemia e também válida para viagens. A MP 948, editada em abril, liberou os prestadores de serviço da obrigação de reembolsar os valores pagos pelo consumidor, desde que assegurem a remarcação dos serviços, sem custo adicional, taxa ou multa ou, alternativamente, a disponibilização de crédito para uso ou abatimento na compra de outros serviços, reservas e eventos disponíveis na empresa, ou ainda e finalmente, outro acordo seja formalizado com o consumidor.

Somente se não houver acordo algum, a MP obriga que o fornecedor deverá restituir os valores recebidos, atualizados monetariamente pelo IPCA-E, no prazo de 12 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.

Leia Mais

De Manaus a Boa Vista, ciclistas encaram desafios da BR-174

Amazonastur fiscaliza veículos em ação de combate ao turismo ilegal