Fonte: OpenWeather

    Lazer


    Experiência de turismo sustentável promove mergulho com botos no AM

    O mergulho com os botos da Amazônia é um dos grandes atrativos do turismo local

     

    Mergulho com os botos no Rio Negro
    Mergulho com os botos no Rio Negro | Foto: Brayan Riker

    IRANDUBA (AM) – Dizem as lendas amazônicas que o boto-cor-de-rosa, habitante das águas do Rio Negro, tem o poder de se tornar humano e seduzir mulheres ribeirinhas, levando-as para o fundo da água. Muitas variações ocorrem de região para região, mas entre todas as diferentes versões, um detalhe é comum: o encanto único do boto.

    Mesmo que sejam apenas lendas, o protagonista das histórias tem o poder de seduzir turistas de todo o mundo a conhecer as belezas da Amazônia e se aventurar em um mergulho com o boto amazônico.

    Experiência com o Boto da Amazônia

    Um dos lugares que oferece essa experiência é o Abaré Rio Negro, localizado na região da Cachoeira do Castanho, em Iranduba (distante 27 quilômetros de Manaus), que oferece turismo sustentável. Segundo o encantador de botos Emanuel Silva, de 42 anos, que trabalha no local, é realmente um encanto nadar com essas criaturas.

     

    | Foto: Brayan Riker


    “Algumas pessoas, turistas, chegam a chorar de emoção com essa experiência. Mas é realmente algo único e muito belo. Muitos estrangeiros já passaram pela região especialmente para fazer esse mergulho”, compartilhou o homem que trabalha há quase uma década “encantando” os botos.

     

    A interação com o animal pode ocorrer com um grupo de até dez pessoas, com o uso obrigatório de colete salva-vidas e orientações de segurança antes do mergulho. O trabalho do encantador é garantir essa segurança tanto para os turistas, quanto para que os animais não sejam maltratados. 

    Segundo Emanuel, ao menos 60 botos amazônicos foram catalogados na região da Cachoeira do Castanho. Eles são criados livres e permanecem soltos na natureza durante toda a vida, o que permite que eles sejam dóceis.

     

    | Foto: Brayan Riker

    “Essa área do Rio Negro que eles ficam, é uma área livre, que eles ficam livres. Uma área onde eles também se reproduzem e a gente, nesse local, consegue manter o contato com eles de forma espontânea. Nenhum é obrigado a fazer essa interação, o que nós fazemos, é atrair eles com petiscos”, explicou o encantador.

     

    Espontaneidade

    A espontaneidade dos botos é tão verdadeira, que o Restaurante e Flutuante Abaré Rio Negro já recebeu visitas dos animais, mesmo que a plataforma utilizada para a interação seja na outra margem do rio – sendo preciso transporte fluvial para chegar no local.

     

    | Foto: Brayan Riker

    Todo o tempo de trabalho de Emanuel com essas criaturas, inclusive, criou um laço afetivo com os animais. “Cada um tem um nome e dá para perceber que cada um tem uma personalidade, assim que dá para diferenciar eles”, disse.

    Um passeio imperdível para quem visita o Amazonas, o mergulho com os botos é um dos carros-chefes do flutuante, que funciona sexta-feira, sábado e domingo, das 10h às 18h. Mais informações sobre o flutuante e restaurante estão disponíveis através das redes sociais, no @abare.rionegro.

    Leia mais:

    Extermínio: 7 mil botos são mortos na Amazônia todos os anos

    Perfume da Bota é vendido como 'milagre' para atrair parceiros no AM

    Botos param de falar entre si e viram luta de pesquisadores