Fonte: OpenWeather

    Suframa


    ‘Inimigo da ZFM’, Paulo Guedes não presidirá reunião do CAS

    “Afastamento” do ministro da Economia da presidência do conselho enfraquece o modelo, aponta especialista

    Tido como algoz da Zona Franca de Manaus, Paulo Guedes será substituído na reunião do CAS por secretário especial
    Tido como algoz da Zona Franca de Manaus, Paulo Guedes será substituído na reunião do CAS por secretário especial | Foto: Lucas Silva

    Manaus - A dois dias da segunda reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS), de 2019, um decreto do presidente Jair Bolsonaro, publicado na última sexta-feira (20) acirrou, ontem (24), os ânimos sobre o possível enfraquecimento da Zona Franca de Manaus (ZFM).

    Publicado no Diário Oficial da União (DOU), o decreto de número 10.023, de 20 de setembro de 2019, substituiu o ministro da Economia, Paulo Guedes, da presidência da 288ª reunião do conselho, marcada para quinta-feira (26). Ela será conduzida pelo secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa. 

    Inimigo da Zona Franca de Manaus

    Por conta dos posicionamentos contrários ao modelo econômico de desenvolvimento regional, Paulo Guedes ganhou a título de inimigo da Zona Franca. Da escola econômica neoliberal de Chicago, dos Estados Unidos da América (EUA), em palestra realizada na cidade de Fortaleza (CE), no dia 5 de setembro, Guedes chegou a dizer a políticos e empresários que a ZFM é um modelo “antieconômico e mal feito”. 

    Durante entrevista à Globo News, no dia 17 de abril deste ano, Paulo Guedes abriu o jogo sobre a sua visão a respeito da ZFM, quando disse que o Brasil não pode pagar por ela. “Não vou mexer com a Zona Franca, está na constituição. Agora, se todos os impostos caíssem para zero? Eu não mexi na Zona Franca de Manaus. Eu não economizei 25 bilhões, eu simplifiquei. Quer dizer agora que o Brasil não pode ficar mais eficiente? Então quer dizer que eu tenho que deixar o Brasil bem ferrado, bem desarrumado, porque, senão, não tem vantagens para Manaus?”, disse Paulo Guedes, na época. 

    Serafim Corrêa diz que ausência afasta investidores

    Para o deputado Serafim Corrêa, as declarações contra a Zona Franca e a ausência no ministro Paulo Guedes na reunião do CAS, afasta os investidores. “A ausência de Paulo Guedes tem consequências. Exemplo disso é quando um empresário estrangeiro vê as declarações de Guedes na imprensa nacional contra o modelo ZFM e vê que ele nem vem mais às reuniões. O empresário vai pensar duas vezes se vem para cá ou se vai para o Paraguai, Uruguai ou Argentina. O capitalismo só tem uma palavra: credibilidade, que vem com a segurança jurídica e aqui isso não está acontecendo”, disse Serafim. 

    Para o deputado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer se “livrar da Zona Franca”.

    “O objetivo disso é Guedes ficar livre disso aqui. Ele não vir aqui, significa que não será pressionado por ninguém e, muito menos pela imprensa. Lamento, porque cada vez mais estão diminuindo o tamanho e a importância da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus). A diminuição do orçamento foi uma prova disso. Se você voltar na máquina do tempo, 20, 30 e 40 anos atrás, a autarquia tinha orçamento para fazer convênios com Roraima, Amapá, Acre e Rondônia. Isso foi diminuindo e agora acabou”, lamentou Serafim. 

    Wilker Barreto comemorou afastamento

    Na última segunda-feira (23) o deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) comemorou o “afastamento” de Paulo Guedes da presidência do CAS. Presidente da Comissão de Indústria, Comércio e Zona Franca da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) e autor da moção de repúdio contra o ministro da Economia, o ministro da Economia, Wilker classificou o decreto de Bolsonaro como “um reforço na luta pela proteção do modelo que gera milhões de empregos no Amazonas”. 

    Alfredo Menezes nega 

    Ao blog da jornalista Rosiene Pinheiro, o superintendente da Suframa, coronel Alfredo Menezes disse que a pecha de “inimigo da ZFM” dada a Paulo Guedes é criação de segmentos. Ele classificou como “fake News” as informações que interpretaram a publicação do decreto, assinada por Bolsonaro, como afastamento de Paulo Guedes da presidência do CAS. 

    Mesmo depois de tantas declarações contrárias a Zona Franca de Manaus, dadas até mesmo em rede nacional, Menezes disse que é coisa de segmentos. “Quero esclarecer a toda a população do Estado que existem segmentos que querem colocar no ministro [Paulo Guedes] o estereótipo de inimigo número 1 da ZFM. Isso não existe sob hipótese alguma”, afirmou. 

    Pauta

    Marcada para às 10h desta quinta-feira (26), no auditório da Suframa, a 288ª Reunião Ordinária do CAS vai avaliar uma pauta com 26 projetos industriais e de serviços, sendo cinco de implantação e 21 de diversificação, ampliação ou atualização.

    Os projetos estimam investimentos totais de US$ 133.63 milhões e a geração de 864 empregos no Polo Industrial de Manaus (PIM) nos três primeiros anos de operação. Entre os principais destaques da pauta da reunião estão iniciativas ligadas aos segmentos componentista e de Bens de Informática do PIM.

    Tratam-se dos projetos de diversificação da empresa GIGA Indústria e Comércio de Produtos de Segurança, com investimento total de US$ 20.8 milhões e previsão de geração de 71 novos empregos, visando à fabricação de memória SSD (Solid State Drive), memória RAM e fios e cabos, e de ampliação da empresa MASA da Amazônia, visando à fabricação de placas de circuito impresso para uso em informática, com investimento total superior a US$ 90 milhões e previsão de geração de 58 novos empregos.

    Outra iniciativa de destaque - ligada ao segmento de Duas Rodas - é o projeto de ampliação da empresa Caloi Norte S/A, com investimento total de aproximadamente US$ 36 milhões e expectativa de geração de 147 novos empregos, visando à produção de bicicletas com e sem câmbio.