Fonte: OpenWeather

    Economia


    PPBs de motos e splits na pauta de discussão

    As componentistas pleiteiam que 60% dos insumos utilizados sejam produzidos em Manaus – foto: arquivo EM TEMPO
     
    A busca por soluções para os fabricantes de bens intermediários do setor de duas rodas, que passa pela discussão do processo produtivo básico (PPB) do segmento, continua.
    Componentistas e representantes do setor se reúnem nesta terça-feira, na Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), para ouvir propostas da autarquia no sentido de estabelecer que fabricantes de bens finais adquiram uma quantidade maior de insumos regionais diminuindo a concorrência desleal com insumos asiáticos.
    O presidente da Associação de Fabricantes de Componentes do Amazonas (Aficam), Cristóvão Marques, espera que na reunião seja estabelecido que 60% dos insumos utilizados na produção de motos sejam adquiridos das componentistas do parque fabril manauense.
    “O polo de duas rodas recebe incentivos fiscais, portanto é fundamental que grande parte das peças utilizadas na industrialização dos veículos seja adquirida das empresas do setor termoplástico do parque fabril manauense. Temos que parar com essa cultura de conceder benefícios a quem não nos ajuda a gerar emprego e renda”, criticou.
    Já o diretor-executivo do Sindicato das Indústrias de Material Plástico de Manaus (Sinplast), Paulo Abreu, foi mais além e explicou que não se trata apenas do porcentual adquirido pelos fabricantes de motos.
    “O problema maior é que este PPB libera uma quantidade mínima de motos por cilindrada para cada um dos sete fabricantes, o que diminui a produção local e consequentemente a venda de insumos. Diante da situação, queremos é um limite menor para essa entrada de produtos”, detalhou.
    SplitsAmanhã será a vez dos condicionadores de ar do tipo split entrarem na pauta da Suframa. O produto também passa por problemas de compra de insumos.
    Para o Sinplast, neste caso, as expectativas são mais animadoras. “Se tudo correr bem, a partir de 1º de julho deste ano, vamos começar a produzir peças plásticas e moldes para split em Manaus. A estimativa é de que o setor recupere 25% da produção perdida no ano passado”, observou o presidente da entidade, Paulo Abreu.