Fonte: OpenWeather

    Estados Unidos


    Donald Trump diz que Irã 'nunca venceu uma guerra'

    O Irã prometeu 'vingança' após ataque que matou o general iraniano Qassim Suleimani

    Na primeira manifestação após ataque, Trump diz que Irã 'nunca venceu uma guerra' | Foto: Divulgação

    Em sua primeira manifestação pública após o ataque que matou o general iraniano Qassim Suleimani, responsável pelos assuntos iraquianos na Guarda Revolucionária do Irã, na quinta-feira (2), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (3), que "o Irã nunca venceu uma guerra, mas nunca perdeu uma negociação". A frase, em referência às mortes de Soleimani e também do vice-presidente da milícia iraquiana majoritariamente xiita, Forças de Mobilização Popular (PMF, na sigla em inglês), Abu Mahdi al-Muhandis, foi postada no Twitter do presidente dos EUA.

    Suleimani foi morto em um bombardeio no aeroporto de Bagdá, conforme anunciou ontem a televisão pública iraquiana. Um dos militares mais poderosos do grupo, ele era considerado terrorista pelos Estados Unidos e Israel. O general era o responsável das operações fora do Irã e esteve presente na Síria e no Iraque, supervisionando as milícias apoiadas por Teerã nos dois países árabes.

    Trump escreveu ainda que "o general Qassem Suleimani matou ou feriu gravemente milhares de americanos durante um longo período de tempo e planejava matar muitos mais,  mas foi pego!". O presidente dos EUA escreveu também que "ele (Suleimani) foi direta e indiretamente responsável pela morte de milhões de pessoas". "Embora o Irã nunca seja capaz de admitir adequadamente, Soleimani era odiado e temido no país. Eles (iranianos) não estão tão tristes quanto os líderes querem que o mundo acredite. Ele deveria ter sido retirado há muitos anos!", afirmou Trump.

    Na manhã desta sexta, o líder supremo do Irã, Ali Khamenei, prometeu vingança. "Sua partida (de Suleimani) não acaba com a sua missão e uma forte vingança aguarda os criminosos que têm seu sangue e o sangue dos outros mártires em suas mãos", disse o líder supremo em comunicado. Ele também anunciou que o posto de Suleimani será ocupado pelo brigadeiro-general Esmail Ghaan e que a Guarda irá permanecer "inalterada".  Até o momento, Ghaan era vice-comandante da força Al-Qods, responsável pelas operações estrangeiras do Irã.