Fonte: OpenWeather

    Emergência econômica


    BNDS vai deixar de cobrar empréstimos por seis meses de empresas

    Banco anunciou também que irá injetar R$ 55 bilhões na economia, o equivalente a quase todo o desembolso feito em 2019. Serão R$ 5 bilhões para micro, pequenas e médias empresas.

    Por fim, o banco destinará R$ 5 bilhões em crédito para micro, pequenas e médias empresas. | Foto: Reprodução

    Brasília - O BNDES anunciou neste domingo (22) a suspensão de cobrança de empréstimos por seis meses em razão do coronavírus.

    Serão atendidos com a ação setores como Petróleo e Gás, Aeroportos, Portos, Energia, Transporte, Mobilidade Urbana, Saúde, Indústria e Comércio e Serviços, num total de R$ 30 bilhões, sendo R$ 19 bilhões para as operações diretas e R$ 11 bilhões para indiretas.

    O adiamento faz parte de um pacote de medidas, que inclui a injeção de R$ 55 bilhões na economia para reforçar o caixa de empresas e apoiar trabalhadores que enfrentam efeitos da crise.

    O valor equivale a quase o total de desembolsos do banco ao longo de 2019. O dinheiro será direcionado a 150 mil empresas, que têm 2 milhões de funcionários, segundo o banco.

    "São quatro medidas que injetam R$ 55 bilhões no sistema financeiro brasileiro", disse o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, em transmissão ao vivo pela internet.

    Além da suspensão dos pagamentos de empréstimos diretos e indiretos, também estão incluídas no pacote a transferência de R$ 20 bilhões do PIS/PASEP para o FGTS dos trabalhadores

    Os recursos vêm da venda de R$ 22 bilhões de ações da Petrobras, em leilão realizado no dia 5 de fevereiro. Segundo Montezano, a ideia é "irrigar o bolso do trabalhador brasileiro".

    Micro, pequenas e médias empresas

    Por fim, o banco destinará R$ 5 bilhões em crédito para micro, pequenas e médias empresas.

    Uma ação imediata é a ampliação da linha “BNDES Crédito Pequenas Empresas” com a expansão da oferta de capital para empresas com faturamento anual até R$ 300 milhões.

    O limite de crédito por beneficiário passará de R$ 10 milhões para R$ 70 milhões por ano, colaborando com a necessidade de capital de giro das empresas.

    As empresas não precisarão especificar a destinação dos recursos. Os empréstimos terão carência de até 24 meses e prazo total de pagamento de 60 meses.

    "Reconhecemos que o vírus tem que ser tratado com o devido cuidado - ele pode ser fatal para determinada camada da sociedade. Isso nos preocupa muito, a vida em primeiro lugar. Por outro lado, não perdermos emprego é muito importante. Assim sendo, essas medida são de extrema importância", avaliou o presidente Jair Bolsonaro durante a transmissão.

    Segundo Gustavo Montezano, do BNDES, o banco passou pelo o que ele chamou de revolução tecnológica, com a alteração dos sistemas operacionais - o que permite que 100% dos funcionários do BNDES trabalhem de casa.