Fonte: OpenWeather

    Recursos


    Empreendedores do Amazonas podem ter acesso a crédito pela internet

    O Sebrae e a Afeam possuem meios eletrônicos para atender os empresários e microempreendedores que desejam crédito para enfrentarem a pandemia

    O analista orienta aos empresários buscarem informações no site dos órgãos | Foto: divulgação

    Manaus - Atendendo às recomendações de autoridades sanitárias quanto a evitar aglomerações humanas e ao mesmo tempo não suspender o apoio financeiro aos atuais e futuros empreendedores do Estado, a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) e o Sebrae no Amazonas estão oferecendo, de forma integrada e on line, o serviço de oferta ao crédito, sobretudo para microempresários que necessitam de capital de giro, tendo em vista os efeitos negativos do novo corona vírus (COVID-19) na economia local.

    O analista técnico do Sebrae/AM Wilson Rocha, explica que o serviço continua funcionando conforme a mesma metodologia de trabalho anterior, ou seja, a Afeam como instituição concedente do crédito e o Sebrae como agente de orientação técnica ao empreendedor. 

    “A parceria continua a mesma. A diferença é que buscamos uma forma de fazer tudo, ou pelo menos quase tudo, pela internet”, reforço Wilson Rocha.

    Aos interessados em obter financiamento, o analista informa que o processo se inicia no site da Afeam: www.afeam.gov.br Nele, o usuário faz seu cadastro e acessa um link para palestra on line informativa sobre a Afeam. Ao final, o empreendedor deve fazer um link para o site do Sebrae www.sebrae.com.br e inscrever-se nos seguintes cursos, os quais serão ministrados pela internet e com emissão de certificado digital: Gestão Integrada (para donos de microempresas formais, ou seja, com CNPJ); Aprender a Empreender para donos de microempresas formais, ou seja, com CNPJ ou para pessoas físicas); e Gestão Financeira (para donos de microempresas ou para pessoas físicas). 

    Para pleitear o financiamento, reforça Wilson Rocha, o empreendedor deve obrigatoriamente concluir pelo menos um dos cursos citados. Todos são gratuitos. Após cumpridas todas as etapas on line, o empreendedor deve aguardar contato da Afeam, para dar continuidade ao processo.  

    O procedimento é válido para empresários informais, ou seja, para aqueles que não possuem CNPJ de seu negócio; para donos de micro e pequenas empresas formais; e, ainda, para aqueles ou aquelas que desejam iniciar um novo negócio de pequeno porte.

    Sebrae on line

    Desde o último dia 19 de março, o Sebrae/AM suspendeu, por tempo indeterminado, as atividades presenciais de atendimento ao público, mas manteve o acesso a todos os seus serviços e produtos de forma on line, buscando manter sua missão de apoiar os pequenos negócios, sobretudo neste momento de crise econômica provocada pelo COVID-19.

    A Instituição dispõe, atualmente, de diversos canais de atendimento e relacionamento com o público. São eles: www.sebrae.com.br/amazonas - onde o empreendedor tem acesso ao canal ‘Fale com Especialista’ e à ‘Biblioteca on line’; Central de Relacionamento com o Cliente: 0800 570 0800. A ligação é gratuita e pode ser feita por telefone móvel ou fixo. O serviço funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h; cursos a distância estão disponíveis em: www.sebrae.com.br/cursosonline

    O Sebrae/AM também está disponibilizando atendimento e consultorias pelo WhatsApp: (92) 98435-2660 e também pelo link http://bit.ly/WhatsAppSebraeAM

    ​O Sebrae Amazonas também está presente nas principais redes sociais, tais como Facebook Instagram e Twiter.

    Para a diretora superintendente do Sebrae/AM, Lamisse Cavalcanti, os dispositivos on line têm por objetivo manter o Sebrae atuante junto ao seu público-alvo, mas ao mesmo tempo aderir às recomendações das autoridades quanto à redução de circulação de pessoas na cidade. “Sabemos da necessidade de ajudar o Brasil e o Amazonas a combater a proliferação do novo corona vírus, porém precisamos manter atuante o nosso papel e dar apoio aos empreendedores, justamente nesse momento de impacto negativo que o vírus causa na economia como um todo”, ressalta a diretora.